E com o lançamento de mais um sucesso de Stephen King para as telonas, O Pistoleiro, não podíamos deixar de comentar aqui no MH o nosso review e deixar nossa opinião sobre mais esse livro incrível.

Origem


A Torre Negra começou a ser escrita quando Stephen tinha lá seus 19 anos, O Pistoleiro foi o primeiro livro da série, e o primeiro livro lançado pelo autor. King comenta no início do livro, em uma breve explanação de porquê e como surgiu A Torre Negra, entre outras coisas, que queria que fosse um sucesso, e realmente foi um grande sucesso. E é até os dias de hoje!!!

 

Premissa


Roland Deschain, último descendente do clã Gilead e também de uma linhagem única de Pistoleiros desaparecida de um mundo que “seguiu adiante”, têm em sua vida solitária um único objetivo: Encontrar a Torre Negra. Para tanto, Roland persegue sem descanso um homem, a quem se refere como o Homem de Preto, acreditando que esse homem tem informações que o ajudarão a chegar ou mesmo o levará até a Torre.

Nesse caminho, Roland encontra pessoas que estão ligadas ao seu Ka, ou seja, o destino delas está irremediavelmente ligado ao seu. Dentre essas pessoas está Alice, uma mulher que vive na desolada e, (diga-se de passagem, estranha) cidade de Tull e Jacke Chambers, um garoto que foi transportado para o mundo de Roland após um fato estranho acontecer. Mas, nenhuma dessas pessoas nem o motivo de elas estarem a deriva o desvia de seu objetivo de vida. Sua busca, a missão que lhe foi predestinada, mesmo se encontrando sozinho, seu mais importante feito será “Alcançar a Torre”. A busca do Pistoleiro pela Torre está apenas começando, sua busca o levará a outros mundos e outras realidades que vão muito além do Mundo Médio que “seguiu adiante” que Roland conhece.

 

Pontos Fortes & Referência


Como citado mais acima, O Pistoleiro foi escrito quando King tinha apenas 19 anos, mostrando já nessa tenra idade que não estava para brincadeiras quando disse que iria escrever um sucesso, mas esse primeiro livro deve ser lido sem muitas expectativas, essa edição brasileira atual é toda revista pelo autor e possui prefácio e uma introdução com comentários inéditos de King que vale muito a pena ler.

O que mais merece destaque nesse livro, além da própria busca de Roland que já falarei dela, são os próprios personagens, King descreve com maestria o Pistoleiro deixando claro os principais traços do personagem, e o Homem de Preto, um personagem totalmente obscuro, enigmático e poderoso que marca presença no livro do começo ao fim, fazendo o leitor ter várias dúvidas em relação a ele, a Torre, a essa perseguição que parece não ter fim e até dúvidas referentes ao próprio Pistoleiro.

King nos apresenta ao mundo do Pistoleiro como o Mundo Médio que “seguiu adiante”, mas ele faz várias referências ao nosso mundo real, como por exemplo, Beatles, bomba de gasolina e Jesus, nos jogando assim em um cenário bem complexo e, as poucas respostas que são dadas surgem apenas no fim da obra, deixando claro que a intenção principal de King era apresentar seu protagonista e iniciar essa busca pela Torre.

 

Remate


Confesso que, em certos pontos da leitura, cheguei a pegar raiva do Pistoleiro, sim dá tempo de passar por uma avalanche de sentimentos em relação a ele, mas o final é empolgante e, mesmo não dando tantas explicações quanto eu gostaria de ter. O livro rende assunto e muito! Quando acabei essa leitura foi impossível não refletir sobre o livro, sobre trechos, sobre o que foi dito, pegar as mínimas coisas descobertas por Roland em sua busca e tentar decifrar o que seria realmente a tão misteriosa Torre.

O que mais o livro faz, é tornar a busca de Roland a busca do próprio leitor, que está ansiando por respostas. Pelo menos foi assim que me senti em relação ao volume 1 da saga e o mais engraçado é que só percebi isso ao findar a leitura, será que essa era então a intenção principal de Stephen King ao iniciar a saga?

A leitura, apesar de curta e misturar muito do passado e presente do Pistoleiro com alguns pontos mais pacatos, não se torna cansativa nem maçante, muito pelo contrário, O Pistoleiro introduz bem o personagem e fundamenta sua busca pela Torre, há poucas respostas realmente, mas é algo que aguça mais ainda a curiosidade e a ansiedade para ler o próximo volume afinal, o próprio King diz que a série só encontra sua verdadeira voz a partir do segundo volume.

 

 

E você que já leu, como se sentiu em relação ao Pistoleiro?

Acompanhe sempre nossas listas e curiosidades, não perca as últimas notícias e aproveite essa experiência. Não saia daqui!

Leitora apaixonada, compradora compulsiva e viciada em livros e chocolate. Apaixonada por ficção, aventura e afins, iniciei no mundo da Leitura aos 12 anos e nunca mais parei e espero nunca parar.