Notícia

Ridley Scott afirma que franquia de “Alien” ainda tem potencial para continuar

Três anos se passaram desde o lançamento de “Alien: Covenant” nos cinemas. O último filme da franquia estreou em 2017 com inúmeras críticas negativas e, consequentemente, uma bilheteria decepcionante. Com a incerteza sobre uma nova continuação, a situação se tornou mais complicada após a Disney comprar a Fox e assumir os direitos da franquia. Mesmo assim, Ridley Scott, diretor do primeiro filme e dos prelúdios “Prometheus” e “Covenant”, afirmou durante uma entrevista ao jornal L.A. Times, que ainda existem perguntas para serem respondidas e que a franquia tem potencial para prosseguir (via Collider):

Ainda acho que há muito o que se fazer com Alien, mas acho que agora você terá que voltar a evoluir. O que eu sempre pensei quando estava fazendo o primeiro era por que uma criatura como essa seria feita e por que ela estava viajando no que eu sempre pensei que era uma espécie de nave de guerra, que estava carregando uma carga com esses ovos. Qual era o objetivo do veículo e qual era o propósito dos ovos? Isso é o que deve ser questionado — quem, por que e qual é o objetivo são as próximas ideias, eu acho.

Scott iniciou a franquia há 41 anos, com “Alien: O Oitavo Passageiro”. Em 1986, a continuação “Aliens, O Resgate” chegou aos cinemas e contou com James Cameron na direção. Em seguida, “Alien 3” e “Alien: A Ressurreição” estrearam em 1992 e 1997 respectivamente. Após as sequências, Scott retornou com a proposta de ampliar a mitologia de “Alien” com os prequels “Prometheus” e “Alien: Covennat”. A franquia acumulou mais de US$ 1 bilhão em bilheteria, e conta com oito filmes no total, incluindo dois crossovers com a franquia “Predador”.

Ainda não se sabe se a franquia ganhará um novo filme e se Scott será o diretor. Atualmente com 82 anos, o cineasta estava trabalhando nas filmagens de “The Last Duel“, filme com Ben Affleck, Matt Damon e Adam Driver no elenco. A produção foi paralisada por conta da pandemia do novo coronavírus (COVID-19), e ainda não possui prazo para retornar.

Leia mais Notícias