Review | Whitney, meu amor de Judith McNaught

Quando terminei esse livro, fiquei indignada comigo mesma, por nunca ter me permitido dar uma chance para Judith McNaught. Precisei conhecer a Sil para ela me convencer a dar uma chance pra essa autora maravilhosa, visto que eu sou apaixonada por romances históricos. Então, obrigada Sil, você tem um excelente gosto!
Órfã de mãe e criada por um pai severo e frio, a adolescente Whitney Stone choca a sociedade inglesa do começo do século XIX com seus modos, sua espontaneidade e rebeldia. Desde menina, ela ama o belo e aristocrático Paul, perseguindo-o em todos os lugares e inventando as mais inusitadas formas de chamar-lhe a atenção. Para mim, só isso já foi excelente, pois Whitney já me ganhou por sua vivacidade, e não por ser uma bonequinha perfeita. Sofri pelo pouco afeto que seu pai lhe dá, e pelo descaso de alguns de seus “amigos”.
Mas com a chegada de sua tia em sua vida, Whiney é enviada a Paris, onde recebe um longo treinamento para transformar-se uma mulher fina, glamourosa, irresistível. O que a faz ver que todo seu mundo era pequeno e limitado. Lá faz novos amigos, amigos estes que são de verdade, inclusive um chamado Nicolas; foi um dos personagens que mais me conquistaram. Achei muito divertido o modo como se conheceram, o confronto que logo surgiu entre eles mas como ela com seu jeitinho de ser deixou tudo mais light, além dele ser simpático e um super francês, que deve ter um sotaque lindo… *suspiros*
Quando retorna a Londres, está mudada, mas ainda disposta a conquistar seu amor de infância – Paul Sevarin. Aí surge, o irascível e poderoso duque Clayton Westmoreland. Vou precisar para um pouquinho aqui, porque falar de Clayton é tipo “UAU”. Eu achei que a Whitney era indomável, mas Clayton é muito, muito, muito pior. Tudo que ele quer consegue, tudo que deseja possui, e ele quer muito essa linda jovem. Até porque ele é o DUQUE! Ele é arrogante, petulante e quase despótico com Whitney. Ele há viu alguns anos atrás em uma festa à fantasia ainda em Paris e simplesmente decidiu que ela seria sua futura esposa. Por isso investiga a vida dela, volta pra Londres e arranja o noivado combinado com o pai de Whitney. Já dá para imaginar, né??
Ao recusar-se a aceitar imposições, luta arduamente para se livrar de um casamento odioso, por um homem que não sente nada. Vale ressaltar aqui que ela tem uma obsessão ridícula pelo Paul Sevarin, o que me deu muita raiva pois ela quebrou a cara depois; me deu vontade de dar uns tapas bem dado nela… arghh!!
Mas a convivência imposta pelo duque, traz muitas surpresas, e aquele homem que antes era taxativo e a considerava uma propriedade, se revela um homem muito charmoso e gentil. Foi aí que comecei a duvidar se Clayton não tinha bons motivos para agir como era, porque se não fosse dessa forma Whitney só passaria por cima dele e esmagaria sua cabeça, pois tenho certeza que ela faria isso sim.

“A ideia de vingar-se, castigando-o cruelmente, encheu-a de satisfação, e ela imaginou como seria delicioso atravessá-lo com uma espada, ou estourar-lhe a cabeça com um tiro de pistola, ou, ainda, enforcá-lo numa árvore.”

Tem cenas que você vai ficar em dúvida se chora ou ri, ou então se mata Clayton, ou se mata Whitney ou os dois. Só eles mesmo para dar um misto de emoções num único livro. Alternam momentos de trégua onde o convívio é maravilhoso, para logo em seguida terem brigas intermináveis e de dar muita raiva.
Judith McNaught com a sua maravilhosa imaginação cria situações e conflitos de forma que nunca vi antes, que me fez ficar agarrada a esse livro até as cenas finais. Nunca tinha lido um romance histórico tão cheio de conteúdo, e não só com um enredo sem graça e muitas cenas hot. Já viciei na autora, e quero todos seus livros!!
Esse é o segundo livro da Dinastia Westmoreland. Mas percebi que não precisava ler na ordem, pois uma história não depende da outra, mas vamos encontrar um ou outro personagem que já vimos em outro livro. Os livros são:
– Um Reino de Sonhos (A Kingdom of Dreams)
– Whitney, Meu Amor (Whitney My Love)
– Até Você Chegar (Until You) – conta a história de Stephen, irmão de Clayton.
– Milagres (Miracles) – conta a história de Nicolas, amigo de Whitney.
Eu mais do que recomendo. É memorável! Termino por aqui com o quote que mais gostei e já reli mil vezes, só para vocês terem um pré-visualização de quem é Clayton Westmoreland… *suspiros*

“De todos os homens que mencionei, Sevarin é o menos indicado; no entanto, se dependesse de você, ele seria o escolhido, embora não esteja à sua altura, nem em inteligência, nem em caráter. Também não é homem o bastante para transformá-la numa mulher de verdade.”

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

+ Lidas da Semana

Marvel | Loki e Wanda ganharão séries no streaming da Disney

Segundo a Variety, Loki e Wanda, interpretados por Tom Hiddleston e Elizabeth Olsen, ganharão série no streaming da Disney na Marvel. A Disney pretende investir...

Panini divulga a primeira capa do crossover entre Turma da Mônica e Liga da Justiça da DC Comics

Sábado passado, dia15 de setembro, durante o Batman Day, um evento especial realizado pela Panini para os fãs do Homem-Morcego, a editora divulgou com...

11 séries de época para se apaixonar

Todo mundo tem uma preferência de narrativa quando procura uma série para ver. Existem séries para os amantes de ficção científica, séries de fantasia, policial,...

Review | Fire Force Vol. 1, de Atsushi Ohkubo

Novo mangá do mesmo criador de Soul Eater, Fire Force nos traz a história do aspirante a bombeiro Shinra Kusakabe, mas não um bombeiro...

Mais Notícias