Review | Todas as Cores do Céu

 

Tempos atrás chegou ao Brasil através da Tag o livro Todas As Cores do Céu de Amita Trasi, hoje foi a editora Harper Collins quem tornou se possível a disponibilização ao mercado desse livro. O livro que relata a história de Mukta uma menina de 10 anos de uma casta inferior que chega a idade de cumprir sua ‘’responsabilidade social’’ e se tornar uma prostituta no templo da deusa Yellama, como manda a tradição de sua família.

Em uma tentativa frustrante de fugir desse destino ela é enviada para trabalhar como empregada em Bombaim. Nesse novo lar, a garota conhece Tara, com quem constrói uma forte amizade que se transforma numa relação de irmãs.

No entanto, em uma noite Mukta é seqüestrada e desaparece. Sem pistas do e com a falta de interesse da policia por uma garota de casta inferior, Tara e seu pai mudam-se para o Estados Unidos na esperança de recomeçar. Tara porém nunca se esqueceu da amiga, e 11 anos depois,agora adulta, retorna á índia determinada a encontrar Mukta.

 

Amita Trasi a autora do livro.

 

O que ela encontra nesse regresso é o mundo do tráfico de pessoas e segredos que podem explicar o que aconteceu com a amiga.

Este é o primeiro livro da autora, Amita apresenta aqui uma história bem escrita de uma tradição que infelizmente ao pesquisar constatei que é realidade de muitas meninas na Índia. Cada trecho descrito no livro falando do sofrimento de Mukta era como um soco no estômago,o primeiro cliente de Mukta é descrito de uma forma que você lendo se torna visível ao seu lado.

Ainda que com a escrita simples e leve, digamos sem muito detalhes sobre o ato sexual em si é bastante deplorável imaginar algo desse tipo com uma criança em nome de uma tradição ou religião.

A cada revelação na historia o sentimento de revolta lhe cresce ao peito, a esperança de dias melhores nessa história é como uma flor que mal nasce e já morre com toda sua beleza e futuro que lhe era possível, mesmo presa a uma vida como essa Mukta não deixa de sonhar, Mukta tem seu primeiro amor e recebe da vida um presente que lhe dar forças e esperança de dias melhores.

Tara, tem seus demônios, seus arrependimentos mas tem o mais importante de tudo para o texto, a certeza de que só ela pode descobrir verdades e que a amizade é a salvação de tudo. Durante a leitura me veio bastante a mente lembranças dos livros O Caçador de Pipas e Cidade do Sol do autor Khaled Hosseine.

O trabalho de Amita assim como o de Khaled trabalha bastante sobre a amizade, sobre a tradição, sobre os conflitos de um povo escravizado pela religião e uma guerra sem fim. O que mais me agrada no texto dos dois é que ao escrever eles fazem por amor e se a história nos fazem chorar é por ser verdadeira e bem criada.

 

Não é um texto simplesmente criado no intuito de fazer as pessoas chorarem por chorarem, como muitos autores fazem. Se um personagem criado nesse universo morre ou termina bem não é apenas uma morte pra nos comover e se tem um final até razoavelmente feliz é pra dizer que temos soluções e é possível fazer algo.

Eu termino essa minha review dizendo que essa leitura ela é de extrema importância,importância para sabermos o que acontece ao nosso redor, importante por ser um livro bem escrito e trabalhado.

Um livro que ao mesmo tempo que serve de literatura de romance surge também como uma denúncia a exploração sexual e ao tráfico de pessoas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia Também

Review | X-Men – Programa de Extermínio

Chegou ao fim mais uma parte, dessa vez: PROGRAMA DE EXTERMÍNIO , que pra mim é uma das sagas mais bem elaboradas e marcantes...

Review | A Baleia Noturna do Meu Sertão de Emerson Sarmento

A Baleia Noturna do Meu Sertão é o belo e poético titulo de uma ficção teatral lançada em forma gráfica pela Editora Penalux. Escrito por...

Review | Lady Killers, de Tori Telfer

Com uma edição primorosa em capa rosa e que faz parte da galeria Crime Scene da editora, a darkside apresenta um desfile de mulheres...

Review | O sol mais brilhante, de Adrienne Benson

E em maio, mês das mães, a Tag inéditos nos levou à uma incrível viagem na Àfrica. E lá, conhecemos três mulheres muito diferentes...