Review | O Menino que Desenhava Monstros de Keith Donohue

Terror, suspense e o inimaginável. Três palavras que define muito bem essa edição do escritor Keith Donohue.


O MENINO QUE DESENHAVA MONSTROS[dropcap size=big]N[/dropcap]essa linda edição publicada pela editora Darkside (edição capa dura, com relevo), acompanhamos a história do garoto Jack Peter. Sofrendo da síndrome de Asperger com apenas 10 anos, Jack se mostra ser um garoto introvertido. Isolado dentro de casa, uma simples ida ao médico pode ser uma experiência horrível.  Jack não frequenta mais a escola e muito menos o próprio quintal, tudo isso graças a um trauma que passou há 3 anos.

Quem o ajuda a tornar os dias mais fáceis é seu amigo Nick, que o visita de tempos em tempos, para ajudar o garoto a socializar e se divertir um pouco. Jack desenvolveu um gosto peculiar por desenhos de monstros (monstros esses que habitam sua cabeça), e carrega seu amigo para este hobby também.  O pequeno Jack sofre pelo fato de ver assombrações dentro e fora de casa, inclusive debaixo da sua cama, o que a cada dia se torna mais comum. Seus pais sofrem junto ao filho, pois estão com as mãos atadas e não podem fazer nada para melhor a situação do filho, mas mesmo assim procuram ajuda de médicos, padres e amigos para tentar fazer com que seu filho tenha uma vida normal.

Com o passar do tempo, os pais de Jack começam a ver coisas, ouvir ruídos e sentir uma presença estranha no dia dia. A pergunta que fica é, será que os monstros que assombram o pequeno Jack, são realmente produtos de sua imaginação? Uma história recheada de suspense e terror, com poucos personagens e muitas adversidade.


O livro tinha tudo pra ser uma nota 10, mas ao meu ver pecou pela simplicidade. Eu já havia lido O PRÍNCIPE DA NÉVOA, aliás, um ótimo livro, e me lembrou em partes esse livro também. Com poucos personagens, um cenário isolado e frio, mais ou menos aquele padrão de histórias de terror.

O livro apresenta um suspense legal, trata de uma trama psicológica delicada, tem uma divisão de capítulos ótima, que ajuda a entender a história com riqueza de detalhes, mas, ao meu ver,faltou mais terror, talvez em partes onde deveria ter uma tensão maior, apostou muito na imaginação do leitor e perdeu força na descrição dentro do contexto macabro (em algumas situações). O livro te inflama, te instiga a saber mais e mais, envolve monstros, fantasmas e coisas macabras e você fica esperando a todo momento o ápice, a grande cena, mas infelizmente elas são poucas.

A divisão de capítulos, traz a cada um a narrativa do ponto de vista do personagem da vez, e isso achei um diferencial ótimo que nos leva pra dentro do livro. Mas o que me deixou muito satisfeito em ler (além dos pontos negativos que citei) foi o final, um baita plot twist que eu nunca imaginaria. Como dizem (Aquele momento de explodir cabeças)rsrsr. Recomendo a leitura, acho que é uma história que funcionaria muito mais no cinema, pelos recursos visuais, seria muito mais atrativo do que o livro. O Menino que Desenhava Monstros ganhará uma adaptação para os cinemas, dirigida por James Wan, o diretor de Jogos Mortais e Invocação do Mal.

Leia e desfrute de uma boa história.

Dependemos do apoio de leitores como você para ajudar a manter nossa redação sem fins lucrativos forte e independente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você não está conectado à internet