Review | A Culpa é das Estrelas de John Green

O propósito foi realizado com Markus Zusak disse: “Eu ri, chorei e ainda fiquei querendo mais”. Sim, muito mais!

É aquele tipo de livro inspirador que dá coragem para enfrentar qualquer coisa que venha adiante porque nada poderia ser pior do que não ter esperança para o próximo dia.
Mesmo que não haja nada de divertido em ter uma doença terminal, Hazel faz o leitor rir apesar da seriedade do seu relato. Como nossa narradora, seu discurso é fiel aos seus 16 anos vivendo uma realidade que poucos passam, nos mostrando o que faz para acordar todos os dias e como é o decorrer do mesmo.

John Green me espantou em criar algo muito real, nada modelado, perfeitinho… aliás, ele é mestre nisso (Quem é você, Alasca? traz muito disso!), porque poucos conseguem. Pais protetores que encorajam, que não vivem suas vidas esperando dar qualidade aqueles que precisam. Pensei muito no Nicholas Sparks no decorrer da leitura, e isso me deixou muito decepcionada pois seus personagens quando tem alguma doença assim são deprimentes (sei que não há nada de divertido em estar morrendo…), frágeis e cheias de #mimimi; e Hazel não é assim. É sarcástica, alegre e triste, inteligente, humana, forte e não liga nem um pouco para as ditas coisas ‘normais’, e não tem nenhum persamento soberbo sobre si mesma; não obstante à tudo aquilo que se confronta, carregando seu cilíndro de oxigênio.

Ao encontrar Augustus no Grupo de Apoio ocorre uma reviravolta na vida de ambos. Esse primeiro encontro é tão bonita e deixa muito em que pensar… melhor, o livro inteiro dá o que pensar! #fato
Gus é sexy (do jeito mais simples que já vi! rs), e é tão claro em seus pensamentos e ações, tão leal à sua amizade com Isaac e também ao que sente pela Hazel, fofo e com lindos olhos azuis.

Existe tanto mais a ser comentado mas não acho que seria justo com o leitor comentá-los. Não lembro de ter feito tantas anotações em um único livro como nesse aqui. Te faz pensar na vida, na tragédia que é amar tanto alguém, e na alegria que é entrar na vida de uma pessoa e deixar que ela faça o mesmo, e no meio disso tudo ainda ter o poder de modificá-la (para um pequeno infinito!).


“Mas mesmo assim, eu me preocupava. Gostava de ser uma pessoa. E queria continuar sendo. A preocupação também é outro efeito colateral de se estar morrendo.”

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

+ Lidas da Semana

11 séries de época para se apaixonar

Todo mundo tem uma preferência de narrativa quando procura uma série para ver. Existem séries para os amantes de ficção científica, séries de fantasia, policial,...

Review: O Dragão Negro de Chris Claremont

Quando os anos 1980 começavam, a Marvel começou a estender seu universo para outros rincões. O selo Epic, Illustrated foi uma destas iniciativas, um...

Rebobinando – 10 Coisas Que Eu Odeio em Você

O rebobinando de hoje é sobre um filme adolescente clássico do final dos anos 90, baseado em outro clássico, mas dessa vez da literatura,...

Review – Gekkan Shoujo Nozaki-kun (Mangá)

Essa é a história de Sakura Chyio, uma menina ruiva, muito meiga que é apaixonada por Nozaki, um menino alto e muito calado, a...

Relembrando Animes – US Manga

Hoje o Relembrando animes vai ser um pouquinho diferente... Ao invés de falar sobre animes os tokusatsus, vou falar sobre um programa de TV....

Mais Notícias