Planeta Comenta DC no Multiverso: Especial – Crise nas Infinitas Terras

Crise nas Infinitas Terras foi uma maxissérie em doze partes lançada em 1985, com roteiros de Marv Wolfman e desenhos de George Perez. Foi o primeiro grande evento da DC Comics reunindo seus maiores heróis e vilões e foi lançado para celebrar o 50º aniversário da “editora das lendas”.

crisis_on_infinite_earths_001

Primeiro, é preciso saber que a DC Comics estava passando por uma crise (desculpe o trocadilho) editorial e financeira. Os principais motivos eram que a Marvel estava vivendo um auge criativo e de vendas e o chamado “multiverso” acabava confundindo os leitores, tanto antigos quanto novos. No decorrer das décadas, a editora adquiria novos personagens e criava uma terra diferente para poder acomodá-los. Isso acabou proporcionando um grave problema de continuidade na cronologia do Universo DC.

Só para citar alguns exemplos, a Terra-1 abrigava os heróis da “Era de Prata” como o Flash (Barry Allen), Lanterna Verde (Hal Jordan) e a Liga da Justiça original; a Terra-2 abrigava os heróis da “Era de Ouro” como a Sociedade da Justiça, o Flash (Jay Garrick) e o Lanterna Verde (Alan Scott); a Terra-4 abrigava os heróis que vieram da editora Charlton como o Capitão Átomo, Besouro Azul e Questão.

A verdade é que, fora a mensal dos Novos Titãs, também de Wolfman e Perez, nada mais parecia atrair os leitores, nem Batman, nem Superman. Não à toa, a DC escalou a dupla de sucesso dos jovens titânicos para criar essa “crise” que serviria para alavancar as vendas, atrair novamente os leitores, arrumar os problemas de continuidade e acomodar os diversos personagens para que eles passassem a habitar apenas uma Terra.

A trama em si é simples – na aurora da criação do Multiverso, também surgiu dois seres poderosos, o Monitor e sua contra parte maligna, o Anti Monitor. O vilão passa a aniquilar todas as Terras do Multiverso de modo sistemático e caótico. Então, o Monitor reúne heróis de várias outras Terras com habilidade específicas para derrotar o temível inimigo.

Naturalmente, no decorrer dos doze episódios, várias subtramas e reviravoltas vão acontecendo, muitos personagens aparecem, mesmo que rapidamente, e heróis bem conhecidos como o Flash (Barry Allen) e a Supergirl morrem de maneira heroica e brutal. Até mesmo os vilões se juntam aos heróis num esforço em conjunto para deter o Anti Monitor. No final, há um nobre sacrifício que caracteriza muito bem o que significa ser o Superman. E a DC passa ter apenas uma terra – a Terra-0.

No geral, Crise nas Infinitas Terras tem seus méritos por ser uma tentativa parcialmente bem sucedida de arrumar a continuidade e acabar com a confusão do conceito de multiverso, além de dar origem a grandes reformulações de seus principais heróis – Superman, Batman e Mulher-Maravilha – que passaram a desfilar novamente no alto escalão, tanto na qualidade das histórias, quanto nas vendas. Crise nas Infinitas Terras é leitura obrigatória.

Por Roger 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

+ Lidas da Semana

11 séries de época para se apaixonar

Todo mundo tem uma preferência de narrativa quando procura uma série para ver. Existem séries para os amantes de ficção científica, séries de fantasia, policial,...

Review: O Dragão Negro de Chris Claremont

Quando os anos 1980 começavam, a Marvel começou a estender seu universo para outros rincões. O selo Epic, Illustrated foi uma destas iniciativas, um...

Rebobinando – 10 Coisas Que Eu Odeio em Você

O rebobinando de hoje é sobre um filme adolescente clássico do final dos anos 90, baseado em outro clássico, mas dessa vez da literatura,...

Review – Gekkan Shoujo Nozaki-kun (Mangá)

Essa é a história de Sakura Chyio, uma menina ruiva, muito meiga que é apaixonada por Nozaki, um menino alto e muito calado, a...

Relembrando Animes – US Manga

Hoje o Relembrando animes vai ser um pouquinho diferente... Ao invés de falar sobre animes os tokusatsus, vou falar sobre um programa de TV....

Mais Notícias