Review | Homem Animal – Nascido para ser Selvagem de Peter Milligan

Completamente inconstante Buddy Baker enfrenta mais uma vez uma distorção de sua realidade e comportamento. Nesta edição HOMEM ANIMAL – NASCIDO PARA SER SELVAGEM, o escritor Peter Milligan toma a frente do título e começa uma nova fase. Embora Grant Morrison tenha feito um ótimo trabalho nas edições anteriores de HOMEM ANIMAL, Milligan tenta ao máximo emular e misturar seu estilo ao de Morrison, para não descaracterizar a mitologia que já havia apresentado antes.

Nessa história Buddy acorda de um coma, sem saber onde está, nem o que aconteceu para chegar até ali, quando tudo se esclarece um pouco, Buddy percebe que sua família está bem diferente do que ele lembra e a mesma impressão inversa acontece, sua filha enxerga algo errado com o super herói sem saber dizer precisamente o que.

Na verdade a história é desconstruída e descoberta novamente na visão do herói, com a inclusão de novos personagens, homem animal traz tudo que de mais louco poderia existir para aquele universo, porém a cada coisa bizarra que aparece, os demais personagens parecem não se importar por suas características bestiais e fora do normal, tudo parece perfeitamente simples.

A cada edição os autores, (independente de quem escreve) procuram sempre elevar as características dos poderes de Buddy, porém nesta edição isso é levado em consideração, mas de início não necessariamente como algo positivo. Beirando ao cômico trágico, Buddy novamente não entende o que acontece com seus poderes, e ao decorrer da história não só essas questões são resolvidas, mas, algo muito maior do que o esperado para esse arco.

Confesso que achei as edições do Morrison melhor, e por mais louca que fosse, achei mais concisa. Não que essa edição do Milligan não seja, mas de início e basicamente até a metade, nada de grandioso e/ou fantástico acontece, porém, como é uma apresentação de um novo arco, era necessário fundamentar primeiro algumas coisas e nos presentear com um final inesperado. Com um BOOM, tudo parece magicamente perfeito e tudo faz sentido. Talvez o que tenha me atrapalhado seja o fato de ter gostado muito da última edição do Morrison, e isso elevou a expectativa, e por isso eu não esperava nada menos que isso para essa nova fase. Agora é aguardar ansiosamente pelas próximas edições.

Pra que possa aproveitar mais desse material, recomendo que leia as 3 edições anteriores a essa do escritor Grant Morrison. Leia!!!

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

+ Lidas da Semana

11 séries de época para se apaixonar

Todo mundo tem uma preferência de narrativa quando procura uma série para ver. Existem séries para os amantes de ficção científica, séries de fantasia, policial,...

E3 2018: As novidades da Microsoft

A companhia de Redmond vem passando vários anos encadeando apresentações extremamente poderosas que, sim, giram em sua grande maioria em torno de anúncios de...

Review: O Dragão Negro de Chris Claremont

Quando os anos 1980 começavam, a Marvel começou a estender seu universo para outros rincões. O selo Epic, Illustrated foi uma destas iniciativas, um...

Crítica | Hereditário

Quando nascemos trazemos uma bagagem para o mundo, em uma mala muito pequena chamada célula, características hereditárias nos acompanham em cada traço de DNA,...

3 motivos para assistir The Marvelous Mrs. Maisel

O que você pode esperar de uma comédia ambientada nos anos 50 e sobre comédia? Dá pra desconfiar e muito de uma história assim....

Mais Notícias