Planeta Comenta DC no Multiverso: Exterminador #1-8 (Os Novos 52)

Li Exterminador #1-8, do encadernado Deathstroke: Legacy, com roteiro de Kyle Higgins e desenhos de Joe Bennett e Eduardo Pansica, e tecerei breves comentários sobre as edições.

Exterminador

Edição #1: Slade Wilson, o Exterminador é contratado para deter a negociação de Jeffrey Bode, um traficante de armas que pretende vender informações secretas aos inimigos. E para isso, ele é obrigado a trabalhar com um grupo de adolescentes treinados, o que vai contra todos os seus princípios.

Edição #2: Sua última missão era na verdade, uma armadilha e Slade tem em suas mãos as informações secretas. Porém, ao confrontar o intermediário Mikel, percebe que o problema é maior do que imaginava.

Edição #3: O Exterminador é atacado duas vezes por oponentes que se auto denominam Legado, matando os dois no processo. O que ele não sabe é que esses mercenários estão sendo contratados pelos pais da jovem April, que fazia parte do grupo de apoio que participou da missão de apreender Jeffrey Bode.

Edição #4: A pasta que o Exterminador recuperou de Jeffrey Bode contém pistas que levam a acreditar que Grant Wilson, filho de Slade pode estar vivo, apesar de ele achar o contrário. Suas investigações o levam até um antigo conhecido, Átila, hoje trabalhando com os Falcões Negros.

Edição #5: Christoph, um dos homens de confiança de Slade é assassinado. Enquanto continua procurando por pistas que possam revelar que seu filho Grant está vivo, o Exterminador é atacado por mais um “Legado”.

Edição #6: Exterminador enfrenta Legado em um combate brutal. Apesar de Legado revelar a identidade de seus contratantes – os pais de April – parece que há mais alguém por trás desses ataques à Slade.

Edição #7: Mesmo sem estar em suas melhores condições, Slade vai atrás de seu filho Grant. Com o confronto entre os dois quase no fim, os pais de April surgem e fazem uma nova e surpreendente proposta.

Edição #8: Recuperado da batalha mortal contra o Devastador, Slade está de volta à ativa como o mercenário Exterminador. Incansável e determinado a mostrar que é melhor que seu próprio pai, que o vendeu ainda criança por dez mil dólares à agiotas.

Kyle Higgins faz um ótimo trabalho nesse arco de estreia do Exterminador, focalizando sua trama em torno das relações entre pai e filho e o legado que isso pode representar.

Por Roger

Dependemos do apoio de leitores como você para ajudar a manter nossa redação sem fins lucrativos forte e independente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você não está conectado à internet