Review | Frank e o Amor de David Yoon

Frank e o Amor de David Yoon lançado pela Editora Seguinte é um livro que eu queria muito ler, mas que infelizmente não funcionou para mim.

David Yoon , autor de Frank e o Amor
David Yoon , autor de Frank e o Amor

Confesso que meu maior interesse pelo livro surgiu quando soube que David Yoon é marido de Nicola Yoon, autora de O Sol Também é Uma Estrela, um dos melhores livros que li no ano passado,  e que me surpreendeu muito, pois comecei aquele livro esperando um monte de clichês e encontrei uma estória incrível.

Sendo assim, esperava encontrar algo parecido aqui, pois com certeza a sinopse já trazia um monte de clichês, mas diferente do livro de Nicola, o que encontrei aqui foi uma estória extremamente adolescente e sem foco que despertou pouco meu interesse.

Para começar, a sinopse de Frank e o Amor é enganadora.

Este livro não é uma comédia romântica.

Frank é filho de coreanos que vieram para os EUA e conseguiram criar uma boa vida classe media.

O pai tem uma loja que é sua vida. A mãe também ajuda o pai na loja. São os imigrantes esforçados que se fizeram na vida, e esperam que seus filhos tenham sucesso, estudando e entrando numa faculdade.

Mas, além disso, o mais importante para eles:

Que seus filhos se casem com coreanos.

O problema é que Hanna, a irmã mais velha de Frank já saiu dos trilhos: Até fez a faculdade, mas apaixonou-se por um negro. A situação em casa ficou tão insustentável que ela teve que ir embora.

Frank sabe disso, mas não consegue evitar se apaixonar por Brit Means, uma loirinha com cara de europeia. E começa ai um romance fofo.

Americano Asiático ou Coreano Americanizado?
Americano Asiático ou Coreano Americanizado?

Porém, para os pais de Frank é tão importante manter as tradições coreanas que só possuem  amigos  coreanos,  e este grupo de amigos faz encontros mensais , cada mês na casa de um casal.

Enquanto os adultos comem comida coreana e falam em coreano no andar de baixo das casas, os filhos conversam sobre o American Way of Life no andar de cima, vivendo no limbo, como eles dizem, pois não se consideram coreanos, já que nem sabem falar a língua direito, mas também não se sentem a vontade sendo americanos já que são sempre vistos como asiáticos.

Entre os Limbos, existe Joy, filha de um casal coreano mais bem sucedido e amigo dos pais de Frank.

Joy namora Wu escondida há quase 2 anos. Wu é chinês.

Mais uma relação proibida, pois como sabemos através do livro, o preconceito entre asiáticos pode ser ainda maior do que com pessoas de outras raças.

Quando se apaixona por Brit, Frank decide propor um plano de ajuda mutua a Joy : Ambos podem fingir que são namorados para sua famílias e cada um continua saindo com seu namorado.

Até ai seguimos a sinopse, com todos os clichês esperados.

Porém de repente a estória dá uma virada que não me convenceu nenhum pouco e que com certeza vai frustrar bastante o publico que buscar neste livro uma comédia romântica.

Passei 50 % do livro ouvindo Frank chamar seus pais de preconceituosos e racistas e dizendo que queria ser dono do seu nariz, para de repente ele mudar completamente de ideia e se encaixar exatamente no estereótipo que esperavam dele.

Juro que aquilo me deixou muito confuso e foi ai que comecei a ver que o foco da estória não era o amor impossível, mas infelizmente não consegui encontrar um novo foco que me atraísse.

Frank é um personagem incongruente.  Para mim quase um personagem bipolar.

Quer ser americano, quer ser coreano, e na verdade não tem ideia do que quer.

No começo me parecia que tudo o que ele queria era se afastar da cultura coreana. De repente ele passa a frequentar até uma feira coreana.  Estava esperando ele ouvir BTS.

E ai as suas duvidas sobre “pertencimento”  são chatas demais.

A cena onde ele se ofende com a velha que reclama que ele não sabe falar coreano para mim foi ridícula. Ok, não sabe falar coreano direito, mas pelo menos tentou, se a velha não curtiu a tentativa, ela é uma pessoa amarga e pronto. Dane-se!

Mas não. Ele tomava aquilo como um problema pessoal, de oh meu Deus, “meus iguais também não me aceitam!!!”

Verdade??

Tantas problemáticas que não levam a lugar nenhum.

E o que me deixa mais estarrecido é que David Yoon se casou com uma negra.

David e Nicola Yoon
David e Nicola Yoon

Eu se fosse ela, ficaria na duvida se este casamento está legal, pois o mocinho parece ter muitas duvidas sobre se tomou a decisão certa.

Além disso, o livro não tem ritmo. São cenas e cenas que não agregam nada.

O autor quer que a gente sinta o peso das coisas sobre Frank. A família, a cultura, os amores, o colégio que está acabando, mas é tudo tão superficial e forçado que não consegui me preocupar com Frank.

No fim o autor ainda nos traz mais alguns dramas mexicanos, ops , coreanos para que no final Frank perceba que…

Sei lá??!!!

Perceba que seu pai e sua mãe são assim e podem ser respeitados sem que para isso ele precise se matar de remorsos.

Capa Americana de Frank e o Amor
Capa Americana de Frank e o Amor

Perceba que a escola acaba, e outra começa e que todos vão seguir em frente.

São tantas decisões erradas tomadas neste livro que chegam a incomodar.

Para mim Frank não evoluiu quase nada da primeira a ultima pagina.

Quem sabe Stanford traga problemáticas mais importantes para sua vida.

Espero que ele sobreviva a elas, pois a vida lá fora é bem mais pesada do que o mundinho Coreia / escola de Frank.

E você, já leu este livro? Qual a sua opinião?

Converse com a gente nos comentários.

Se você ainda não leu, e ficou interessado, segue aqui um link para compra do livro na Amazon.  Frank e o Amor na Amazon. Lembrando que ao comprar com este link, você ajuda na manutenção do nosso site.

E se você curtiu esta resenha, temos muitas outras clicando aqui.

Fique com a gente e nos indique para seus amigos que curtem cultura hype!

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Review | X-Men – Programa de Extermínio

Chegou ao fim mais uma parte, dessa vez: PROGRAMA DE EXTERMÍNIO , que pra mim é uma das sagas mais bem elaboradas e marcantes...

Review | A Baleia Noturna do Meu Sertão de Emerson Sarmento

A Baleia Noturna do Meu Sertão é o belo e poético titulo de uma ficção teatral lançada em forma gráfica pela Editora Penalux. Escrito por...

Review | Lady Killers, de Tori Telfer

Com uma edição primorosa em capa rosa e que faz parte da galeria Crime Scene da editora, a darkside apresenta um desfile de mulheres...

Review | O sol mais brilhante, de Adrienne Benson

E em maio, mês das mães, a Tag inéditos nos levou à uma incrível viagem na Àfrica. E lá, conhecemos três mulheres muito diferentes...

Review | A última festa, de Lucy Foley

Lançado pela intrínseca, esta é a estréia da autora Lucy Foley na literatura de suspense. Ela já começa com o pé direito e nos...

Review | Uma escada para o céu, de Jonh Boyne

Um jovem atraente, bonito, simpático e autoconfiante. Esse é Maurice. Um alpinista social escalando seu sucesso através de autores de verdade, criativos e talentosos. Um...