Review | Cinco por Infinito, de Esteban Maroto

A editora Pipoca e Nanquim inaugurou seu catálogo em 2017, com a obra Espadas e Bruxas do espanhol Esteban Maroto reunindo todas as histórias que o autor criou no gênero espada e feitiçaria, com traços finos e marcantes, uma arte estonteante e uma narrativa clássica foi o pontapé para trazer mais obras e autores ainda desconhecidos de boa parte do público consumidor de quadrinhos no Brasil, e em 2018 tivemos o lançamento de uma obra que não voltava ao Brasil desde os anos 70, Cinco por Infinito, o ápice da ficção científica criada por um mestre na arte de contar histórias.

Cinco por Infinito foi lançado pela saudosa editora Ebal, iniciando em junho de 1970 e finalizando em maio de 1973, com uma publicação diferenciada de tudo que era publicado na época, chamada Edição Monumental com tamanho diferenciado dos tradicionais formatos já publicados pela editora e brindes que acompanhavam alguns dos números.

A primeira página nos situa e apresenta ao “elenco” que iremos acompanhar na épica jornada cósmica, Altar, professor de Astronomia, Aline especialista em parapsicologia, Órion, um guarda costas profissional, Hidra, uma estrela de cinema e Sírio um dublê de filmes de ação, eles são recrutados por Infinito, o último de uma altamente evoluída raça alienígena aniquilada em uma sangrenta ofensiva de robôs criados por eles mesmos.

O início remete aos grandes clássicos da ficção, uma terrível ameaça está para chegar à Terra, ironicamente, uma ameaça tecnológica, criando um paralelo com os atuais avanços tecnológicos. As histórias não possuem uma continuação direta, mas sim um elo de ligação, um tema central, as missões que Infinito incumbe ao grupo apresentado mas primeiras páginas,  desde invasores a terra até os mais longínquos e impensáveis planetas das galáxias distantes, podemos encontrar inúmeras referências que seriam usadas depois em grandes filmes, as armas, as naves, as soluções específicas que as equipes encontram em cada missão, que tem como principal objetivo levar a paz aos confins do universo.

No início da leitura, o texto pode soar datado em alguns momentos, afinal estamos falando de uma história de mais de 50 anos, mas com o desenrolar dos capítulos nos habituamos e seguimos rumo ao desconhecido. A arte de Maroto é um ponto que deve ser falado a parte, nos primeiros 5 capítulos, ele tem a colaboração de mais quatro artistas, Adolfo Usero, Ramon Torrents, Luis García e Suso, mas do capítulo 6 até o fim, é somente ele, livre e esbanjando talento em cada quadro, de um modo que você lê os textos e contempla a página por mais alguns minutos, e ao virar a página,  a próxima arte é outra obra igualmente fenomenal.

A história passa de simples missões exploradoras na linha de Star Trek dos anos 70 para profundos questionamentos filosóficos e jornadas cada vez mais psicodélicas aos confins do universo. Cinco por infinito é a experiência completa da ficção científica clássica e também, com algumas doses de fantasia ao caminhar para seus capítulos finais, mesmo que algumas soluções sejam convenientes demais em alguns momentos temos uma inesquecível jornada pelas 530 páginas de aventuras dos exploradores do infinito.

Sem esquecer também do luxuoso projeto gráfico que engrandece ainda mais a experiência da obra, com capa dura, o título da obra em dourado, papel de alta qualidade, e ainda durante a pré-venda, em uma iniciativa dos editores, houve a opção de compra com um desenho no formato bookplate, autografado pelo próprio Esteban Maroto, numerado à 500 cópias, também vale lembrar que essa edição publicada pela Pipoca e Nanquim ainda conta com um capítulo nunca antes lançado em nenhuma das edições mundo afora, o capítulo 19, publicado somente nos anos 2000 em uma coletânea de ficção na Espanha, havia ficado de fora da lendária publicação da Ebal que saiu por aqui e de todas as outras editoras que encadernaram a obra de Maroto, sendo finalmente colocada na sequência e lançada no seu devido lugar, não que afetasse em algo na leitura, pois não afeta, mas é bom saber que toda a obra está compilada em apenas um lugar, portanto, se você é fã de clássicos de ficção científica, aventuras espaciais e até mesmo fantasia, pode ir atrás sem medo, pois Cinco Por Infinito foi uma das melhores publicações de 2018 dentro desses quesitos.

Dependemos do apoio de leitores como você para ajudar a manter nossa redação sem fins lucrativos forte e independente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você não está conectado à internet