Review | O Homem de Giz, de C.J. Tudor

Às vezes é melhor não saber todas as respostas.

O Homem de Giz de C.J. Tudor foi lançado pela Editora Intrínseca em 2018 e foi um dos 20 livros mais vendidos do ano.

Demorei muito para começar a ler este livro, porque as criticas eram muito divergentes, mas hoje me arrependo por não ter lido antes, pois para mim o livro funcionou muito bem.

Muita gente comparou a leitura com It A Coisa e acabaram rebaixando as notas do mesmo, dizendo que a autora quis copiar Stephen King.

Eu já acho que ela quis sim homenagear King e em minha opinião alcançou o intuito com sucesso, principalmente levando em consideração que este é seu primeiro romance.

O livro é narrado por Eddie em dois tempos.

Em 1986, ele e seus amigos, Gav Gordo, Hoppo, Mickey Metal e Nicky tinham 12 anos. E foi naquele ano que muitos eventos aconteceram na cidade e mudaram suas vidas: A menina do Twister, o novo professor albino, a morte de Sean, a clinica de aborto, o assalto ao reverendo, a despedida de Nicky, o corpo sem cabeça encontrado na floresta, a separação daqueles amigos e os homens de giz.

Já em 2016, Eddie é professor de Inglês na escola onde estudaram quando criança e ainda mora na mesma casa de infância, onde hoje aluga um quarto para uma menina meio maluca chamada Chloe.

Sua vida segue sossegada e enfadonha até que é encontrado por Mickey Metal , um dos amigos de infância que retorna para a cidade e lhe faz uma proposta:

Escrever um livro sobre os acontecimentos de 1986.

Junto com o retorno de Mickey à cidade, cada um deles recebe uma carta com um Homem de Giz.

Naquele longínquo ano de 1986, desenhos de giz eram códigos usados por cada um do grupo para passar recados quando precisavam se encontrar.

Mas o que começou como uma brincadeira inocente, no fim  acabou levando-os até o corpo sem cabeça na floresta.

Mas o que estará acontecendo agora em 2016 com estas cartas?

Muitos momentos e cenas realmente lembram King. A história em dois tempos com os garotos retornando a cidade para encontrar a verdade pode vir de It – A Coisa, assim como o nome Eddie.  Os garotos procurando o corpo na floresta, pode vir do conto O Corpo. As cenas onde Eddie tem alucinação com Sean e acorda com os pés sujos tem tudo a ver com O cemitério. A incrível e chocante cena inicial da Garota do Twister poderia ter sido escrita por King, mas não foi. Foi escrita com a mesma classe e criatividade pela novata C.J.Tudor, que aqui acaba dando um show, pois consegue homenagear King e ainda consegue criar uma historia completamente inteligente e imersiva.

É difícil parar de ler O Homem de Giz, pois a cada capitulo a autora deixa um gancho, seja no passado ou no presente e assim vamos tendo surpresas a cada capitulo.

E o mais interessante é que este livro não é só um suspense sobre descobrir quem matou. Aliás, o livro começa com um corpo sendo encontrado, mas somente lá para o fim do livro é que descobrimos quem morreu.

O Homem de Giz é também um bom drama, com algumas cenas que dão medo, onde diversas vidas são entrelaçadas e muitos assuntos são discutidos. O fanatismo religioso, o envelhecimento, aborto, gravidez na juventude, relacionamentos familiares, etc. E os caminhos tortuosos que as pessoas vão pegando somente trabalhando sobre suposições.

Nunca suponha. Questione tudo. Sempre enxergue além do óbvio

E assim a autora vai os enganando, pois é inevitável que o leitor siga fazendo suposições  enquanto a autora segue desembaraçando o novelo criado por ela aos poucos.

No fim , a autora  consegue amarrar os principais pontos da sua historia e nos mostra que naquela cidade ninguém é perfeito. Todos têm esqueletos ou outras coisas muito piores guardados no armário.

Te desafio a descobrir todos os plots deste livro. Eu contei pelo menos 7 plots que ela conseguiu criar e dar explicações muito lógicas.

E te garanto que “Às vezes é melhor não saber todas as respostas.”

Recomendo.

O sucesso de C.J.Tudor é tanto no Brasiil que ela é uma das convidadas da Editora Intrínseca para a Bienal do Rio de Janeiro que ocorrerá de 30/08 a 08/09.

E você, já leu C.J.Tudor? Aqui no site já temos a resenha do segundo livro da autora que foi lançado agora em maio pela Editora Intrínseca e já é um sucesso de venda.

Nosso amigo Cadorno Teles acha que a escrita da autora evoluiu em seu segundo livro. Você concorda com isso ou está curioso para descobrir?

E você curte thrillers? No inicio do ano fizemos uma aposta sobre os principais thrillers deste primeiro semestre. Clique aqui para conhecer.

Vamos conversar nos comentários.

E Não se esqueça que temos muitas outras indicações, clique aqui e conheça um pouco mais.

E Curta o Site Mundo Hype nas redes sociais, compartilhe com amigos e continue por aqui.

 

Dependemos do apoio de leitores como você para ajudar a manter nossa redação sem fins lucrativos forte e independente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here