Review | Trono de Vidro: Herdeira do Fogo, de Sarah J. Maas

Sabe o que eu tinha falado no ultimo livro? Nesse aumenta ainda mais. A cada livro que passa, o tamanho aumenta e a história melhora (um caso real do ‘mais e maior’ que não perde a qualidade). Sarah J. Maas sabe como prender a atenção do leitor. No fim de Trono de Vidro: Herdeira do Fogo, minha reação foi exatamente essa:

Imagem relacionada

Neste livro somos apresentados a três novos protagonistas: o guerreiro Aedion, a bruxa Bico Negro Manon (e Abraxos) e o feérico Rowan. A história se desenvolve a partir da interação de Aedion com Chaol e Dorian em Forte da Fenda, e de Rowan com Aelin. Já a história de Manon acontece de forma paralela em boa parte do livro.

A partir de agora pode conter spoilers dos livros anteriores. Sigam em frente por sua conta e risco.

Aedion volta a capital pouco depois da Assassina partir à procura de sua tia Maeve para tentar encontrar um jeito de derrotar o rei. Ele é uma figura que gera suspeitas em Chaol e Dorian, e o capitão corre atrás da verdade de um dos soldados mais sanguinários do rei. Dorian se lembra de seu passado com Aedion e com Celaena, ao descobrir a verdade sobre a jovem, e precisa lidar com seus poderes recém descobertos, de forma a não chamar a atenção do pai para si. Aedion é uma figura dúbia, que jura lealdade ao homem que massacrou sua família e seu reino. Nesse livro ele descobre que sua amada prima e rainha está viva, e, com Chaol, tenta compreender qual é o jogo do rei e o que ele poderia ganhar com suas ações.

_Quando ela voltar – disse ele, baixinho – , o que fará com o rei de Adarlan vai tornar o massacre de dez anos misericordioso até. – E,de coração, esperava que as palavras fossem verdadeiras.

A presença de Aedion na cidade faz com que Chaol repense suas escolhas, quem são seus verdadeiros amigos e a quem pertence a sua lealdade. Chaol amadurece muito nesse livro, e muito com a contribuição das palavras de Aedion (palavras não tão doces).

Enquanto os eventos se desenrolavam em Forte da Fenda, Aelin acaba sendo encontrada por um feérico, Rowan, que passa a ser seu treinador para controlar seus poderes a pedido de sua tia Maeve. Além de lidar com os exercícios de controle de sua magia, Celaena/Aelin precisa aceitar quem é, aprender a lidar e controlar os próprios poderes e descobrir quem é o assassino que ronda a fortaleza em que ela se encontra.

_Não me recuperei. Por muito tempo, não consegui. Acho que ainda… não me recuperei. Talvez jamais consiga.

Ela assentiu, os lábios contraídos com força, e olhou para a janela.

_ Mas talvez _ continuou Rowan, baixo o bastante para que Celaena olhasse para ele de novo. O guerreiro não sorria, mas os olhos pareciam indagadores. _ Talvez possamos encontrar um modo juntos.

A interação entre os dois é de pura raiva e rancor no inicio, mas uma amizade verdadeira surge entre eles. A briga de gato e rato já conhecemos de muitos clichês, mas nesse livro a autora focou muito na construção da amizade de Aelin e Rowan e quase não deu espaço para romance. Eu particularmente gostei disso, pois não ficou forçado. Os dois possuem cicatrizes abertas do passado, e precisam aprender a lidar com suas dores e um com o outro.

E, por fim, temos a introdução da personagem que mais gostei nesse livro: Manon. Manon é uma bruxa do clã Dentes de Ferro que foi recrutada junto com outras bruxas para montar as serpentes aladas criadas pelo rei, tomando de volta o reinado que a elas pertenciam no passado. Uma personagem forte, fria, que vê em seu clã e na vitória tudo o que precisa para sobreviver.

Para garantir a vitória às Treze, para  ser Líder Alada, uma noite na tempestade não era nada. Manon tinha passado por coisas piores, presa em passagens montanhosas cobertas de neve com menos camadas de roupa, sem saída e sem comida. Sobrevivera a temporais dos quais algumas bruxas não acordaram na manhã seguinte.

A interação dela com as outras bruxas, inclusive com as Treze, são os momentos de maior tensão do livro para mim. E como ela escolhe a serpente alada dela… Mesmo vendo várias fantarts da série todos os dias, não estava preparada para o que aconteceu. Só sei que Manon foi a rainha de Herdeira do Fogo. A construção da personagem, de suas aspirações e seus dilemas foi tão bem feito que me via várias vezes querendo pular os capítulos dos outros personagens para saber o que Manon faria a cada passo.

E, para terminar essa resenha sobre esse livro sensacional da Sarah trazido pela Editora Galera Record, uma das últimas cenas da Aelin no livro ao lidar com a tia pode ser resumido nesse GIF. Por favor, leiam e vocês entenderão.

Imagem relacionada

Série Trono de Vidro:

1- Trono de Vidro – Resenha aqui

0,5 – A Lâmina da Assassina – Resenha aqui

2- Trono de Vidro – Coroa da Meia-Noite – Resenha aqui

3- Trono de Vidro – Herdeira do Fogo

4- Trono de Vidro – Rainha das Sombras

5.1 – Trono de Vidro – Império de Tempestades Tomo 1

5.2 – Trono de Vidro – Império de Tempestades Tomo 2

Torre do Alvorecer – Um romance de Trono de Vidro

6- Trono de Vidro – Reino de Cinzas

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here