Review | Punição Para Inocência de Agatha Christie

Review | Punição Para Inocência de Agatha Christie

Punição para inocência é um livro menos famoso de Agatha Christie que acaba de ser relançado no Brasil pela Editora Harper Collins.

A editora vem lançando pacotes com livros de Agatha Christie em edições caprichadas, onde dois títulos são mais conhecidos e dois menos. Desta vez junto com os mais conhecidos Assassinato no Expresso do Oriente e Um Corpo na Biblioteca, a editora trouxe também Punição para Inocência e O Cavalo Amarelo.

Últimos títulos de Agatha Christie relançados pela Editora Harper Collins
Últimos títulos de Agatha Christie relançados pela Editora Harper Collins

Eu posso dizer que se sou leitor hoje, Agatha Christie é uma das “culpadas”.

Ainda lembro a sensação de ler O Caso dos Dez Negrinhos com uns 13 anos de idade e me perguntar:

Como alguém pode inventar uma estória como essa??

E este sentimento seguiu durante a minha adolescência, onde devorei diversos títulos da autora, nunca me cansando nem deixando de me surpreender, principalmente nos livros que traziam o querido Hercule Poirot.

Mas aqui a minha experiencia foi completamente diferente e pela primeira vez na vida posso dizer com tristeza que não gostei de um livro da nossa Dama do Crime.

Punição Para Inocência - Capa L&PM
Punição Para Inocência – Capa L&PM

Será que envelheci para estas histórias ou será que desta vez a autora errou?

Será que os problemas que encontrei aqui sempre existiram e eu nunca percebi, ou foi só neste texto mesmo?

Pesquisando na internet, vi escrito em alguns lugares que este era um dos livros preferidos da autora. Como assim?

Infelizmente existe pouca coisa de que ela pudesse se orgulhar, e se ela colocasse a mão na consciência, aqui existe muita coisa da qual Agatha deveria na verdade se envergonhar.

Para mim, em Punição para Inocência, a autora pesou a mão em seus personagens, criando um grupo de pessoas insuportáveis, preconceituosas e extremamente mal agradecidas, o que torna a leitura muito difícil.

Punição Para Inocência - Capa Circulo do Livro
Punição Para Inocência – Capa Circulo do Livro

Ok, é esquisito dizer que alguém tem motivos aceitáveis para cometer crimes, mas no fundo é isso que a autora sempre nos traz.  Assassinatos e diversas pessoas com motivo para terem cometido este crime.

Já aqui, os motivos são em sua maioria ridículos.

Eu queria que todos fossem culpados como em um outro livro famoso da autora, pois aqui ninguém merecia minha atenção ou piedade.

O livro tem uma dinâmica diferente de outras estórias o que até é interessante.

Capa Nova Fronteira
Capa Nova Fronteira

Aqui não temos Poirot, nem Miss Marple, e diferente da maioria das obras da autora, o crime não está fresquinho.

Um dos narradores da estória é um homem chamado Calgary, que chega à mansão da família Argyle com uma informação que ele acredita que trará alivio para a família.

Há dois anos a matriarca da família foi assassinada, e o acusado foi um dos seus filhos, Jack, que tinha um histórico de delinquência e violência, e cujo álibi nunca foi comprovado.

Ele dizia que no horário do assassinato, tinha pegado carona com um estranho, mas este nunca foi encontrado.

Jack foi condenado a prisão perpetua, mas acabou morrendo na prisão após 6 meses.

Mas agora Calgary está ali. E ele era o álibi de Jack. O estranho da carona.

Ou seja, Jack era inocente.

Porém a notícia que deveria trazer alívio para a família, na verdade só traz mais problemas. Se Jack era inocente, isso significa que existe um culpado entre eles ainda.

E por incrível que pareça, de repente Calgary percebe que ali ninguém queria que Jack fosse inocente.

Enquanto não punimos o verdadeiro culpado, os inocentes seguem rotulados como suspeitos e não tem paz. Isso não pode ocorrer.

Agatha já escreveu outros livros sobre crimes antigos desenterrados, acontece que aqui ela perdeu a mão. Ou melhor, ela pesou a mão sobre seus personagens. É incrível como todos os personagens desta estória são ruins. Ruins como caráter e ruins como personagens literários.

São simplesmente inverossímeis.

Logo descobrimos que Rachel Argyle, a matriarca assassinada, na realidade não era mãe de ninguém.

Ela era rica, e como nunca pode ter filhos, acabou adotando várias crianças, que agora crescidas, mostram-se completamente mal agradecidas pelo que a Sra Argyle lhes proporcionou.

A autora tenta o tempo todo nos convencer que Rachel Argyle era uma mulher autoritária que tolhia a liberdade de seus filhos, mas só consegui ver um bando de gente mal agradecida e mesquinha.

Eu nunca tive nenhum problema com os pensamentos de Agatha Christie. Sei que ela viveu em outra época, até outro século e compreendo que tenha ideias diferentes das existentes hoje no século XXI.

Agatha Christie escreveu dezenas de livros sem se repetir
Agatha Christie escreveu dezenas de livros sem se repetir

Também detesto a onda do Politicamente Correto que apareceu nos últimos tempos, condenando Monteiro Lobato, Lovecraft, ou até retirando o maravilhoso filme E O Vento Levou de serviços de streaming. Acho tudo isso tempestade em copo d’água e uma grande falta de assunto, mas aqui não tem como passar pano nas coisas que este texto traz.

Quero crer que minha boa velhinha Dama do Crime exagerou tudo por aqui, pois queria deixar a estória mais pesada, e que aqueles não são seus reais pensamentos, mas confesso que durante a leitura foi difícil desassociar as duas coisas. Eu só via uma velha inglesa aristocrática me contando uma estória extremamente preconceituosa e errada.

Para começar o livro é um desserviço ao processo de adoção de crianças.

Quem ler este livro e levá-lo a sério, nunca pensará em adotar uma criança.

De acordo com a autora, o mal adquirido numa infância abusiva, nunca mais poderá ser corrigido, nem que apareça uma figura que encha estas crianças de carinho, então a conclusão que chegamos é que se adotarmos uma criança de um lar instável, com certeza no futuro teremos um delinquente.

Eu tenho amigos com filhos adotados, cujas crianças são extremamente parecidas com seus pais, pois o que garante isso é a educação, e não a genética. Mas Agatha não concorda com isso.  No discurso retrogrado e quase nazista deste livro as características ruins são transferidas pelo sangue, e não podem ser alteradas por nada.

Rachel Argyle era exagerada? Talvez. Mas minha mãe que não é adotiva também é, e nem por isso eu falo sobre ela de maneira mesquinha.

No fim, tudo isso prejudica muito a leitura, pois eu realmente torci para que todos fossem culpados.

Além deste pensamento deturpado sobre adoção, ainda temos trechos racistas (Tina, a mestiça, parecia uma aberração) e machistas (O sonho de toda mulher é casar-se).

Nunca achei Agatha Christie uma senhora progressista e isso nunca me incomodou em suas estórias, mas aqui o tom retrógrado do texto prejudicou demais minha experiencia com a obra.

A Rainha do Crime
A Rainha do Crime

Sinal dos tempos?  Sei lá.

Faz tempo que não leio livros dela e fiquei com o pensamento: Será que o texto de Agatha Christie envelheceu para mim?

Eu acho que não e vou seguir lendo outros títulos da autora, mas confesso que fiquei com o pé atrás com aquela doce velhinha de quem eu era fã incondicional.

Mas falei, falei e não falei sobre o crime.

No fim, para mim a conclusão é legalzinha, mas lá pela metade eu já tinha imaginado o criminoso e sua real motivação, e não precisávamos ler tanto texto retrogrado para chegar a este final, já que a causa do crime foi algo bem mais básico e que curti, mas mesmo assim acabou sendo somente um livro mediano.

Se nunca leu Agatha Christie, não comece por esse não. Tem dezenas de títulos muito mais interessantes.

Não recomendo!

E você, já leu este livro?  Qual a sua opinião?

Já leu os outros livros da autora? Qual o seu favorito?

É fã de Agatha Christie ou faz parte do grupo que acha que seus livros são super estimados??

Converse com a gente nos comentários.

Se você ainda não leu, e ficou interessado, segue aqui um link para compra do livro:

No Submarino: Punição para Inocência.

Na Amazon. Punição para Inocência.

Lembrando que ao comprar com estes links, você ajuda na manutenção do nosso site.

E se você curtiu esta resenha, temos muitas outras clicando aqui.

Fique com a gente e nos indique para seus amigos que curtem cultura hype!

Sobre o autor

Leia mais Reviews

Review | O Segredo de Rose Gold de Stephanie Wrobel

O Segredo de Rose Gold de Stephanie Wrobel é um thriller realmente psicológico que acaba de ser lançado pela Editora Verus. Você curte thrillers com...

Review | Sem Saida de Taylor Adams

Desde o fim do ano passado venho escutado que Sem Saída de Taylor Adams, lançado pela Faro Editorial é o livro de suspense do...

Review | Villette de Charlotte Bronte

Villette foi minha primeira experiência com Charlotte Bronte, e apesar de ser uma leitura lenta, tornou-se uma leitura interessante, principalmente pelo retrato da época...

Review | Quatro amores na Escócia, de Julia Quinn e outras autoras

Olá leitores do Mundo Hype! Trouxe hoje para vocês a resenha de um dos mais recentes lançamentos que envolvem a autora Julia Quinn. Quatro...

Review | Segredos Mortais de Robert Bryndza

Segredos Mortais de Robert Bryndza acaba de ser lançado pela Editora Gutemberg aqui no Brasil. E não é que desta vez o Senhor Bryndza realmente...

Review | O Segredo de Rose Gold de Stephanie Wrobel

O Segredo de Rose Gold de Stephanie Wrobel é um thriller realmente psicológico que acaba de ser lançado pela Editora Verus. Você curte thrillers com...

Review | Sem Saida de Taylor Adams

Desde o fim do ano passado venho escutado que Sem Saída de Taylor Adams, lançado pela Faro Editorial é o livro de suspense do...

Review | Villette de Charlotte Bronte

Villette foi minha primeira experiência com Charlotte Bronte, e apesar de ser uma leitura lenta, tornou-se uma leitura interessante, principalmente pelo retrato da época...

Review | Quatro amores na Escócia, de Julia Quinn e outras autoras

Olá leitores do Mundo Hype! Trouxe hoje para vocês a resenha de um dos mais recentes lançamentos que envolvem a autora Julia Quinn. Quatro...