Review | O dia em que te toquei, de Paula Toyneti Benalia

Review | O dia em que te toquei, de Paula Toyneti Benalia

Olá leitores do Mundo Hype! Hoje trouxe para vocês a resenha de uma série de época de uma autora brasileira que tem me encantado muito. O dia em que te toquei é o segundo livro da série Deusas de Londres da autora Paula Toyneti Benalia, publicado pela Editora The GiftBox (já contei aqui meu histórico de gastos com essa editora, e uma lista de desejados que nunca diminui).

Em O dia em que te toquei temos a história de dois personagens que aparecerem no primeiro livro: Nataly, a prostituta dona do clube onde a mocinha do primeiro livro visita, e Pietro Vandick, melhor amigo do mocinho – que tem bem jeito de vilão – do primeiro livro.

O Dia Em Que Te Toquei | Amazon.com.br
O Dia Em Que Te Toquei

Esse livro já começa com um duelo de gigantes. Nataly, acostumada a ter tudo que quisesse, independente do meio que utilizasse, decide que Pietro será seu futuro marido e comandará seus negócios no lugar de seu antigo sócio.

Porém, Pietro não é um homem que aceita fácil as coisas, visto seu histórico de conseguir torrar toda a fortuna que a família deixou para ele. Mas Nataly consegue armar uma trama tão bem feita que não deixa a Pietro outra escolha a não ser aceitar o casamento com ela.

Casamento é uma instituição onde se vive por dois. Você ama, respira e seu coração até bate pelo outro. Quando algo falha em um, o outro está lá para socorrer. Como eu me casaria um dia se o meu coração morreu no passado e foi enterrado com meu amor e minhas aspirações?

Já sabemos que o casamento deles não começa bem, e eles acabam entrando em conflito o tempo inteiro. Pietro, ainda que tenha sido enganado, está disposto a entender e aceitar Nataly como ela é, porém a moça está tão cega pela vingança contra todos aqueles que abandonaram sua mãe no passado que não consegue ver que tem uma chance de ter uma vida normal e ser amada no presente.

Nós nunca somos felizes demais. E esse é o preço a se pagar por viver. Um dia você sorri e, em alguns instantes, uma lágrima desce de seu rosto.

Essa atitude de vingança cega de Nataly me irritou um pouco. Ainda que ela tenha sofrido muito no passado, muito mesmo, eu não consegui me conectar tanto à personagem. Eu entendo que ela tenha todos os motivos para odiar toda a nobreza londrina por tudo o que ela e sua mãe sofreram, mas ainda assim achei muitas das atitudes dela descabidas. Já Pietro é um personagem incrível, que, por mais que se sinta quebrado e insensível, é aquela pessoa que consegue amar a tudo e a todos, independente do passado de cada um.

Gostei do desenrolar da história e da relação entre os dois personagens, que acabavam magoando os sentimentos um do outro tentando machucar o ego, e a autora conseguiu deixar claro que, por mais que as palavras que dissessem fossem duras, eles se machucavam bem mais do que machucavam ao outro. A presença dos antigos personagens também foi de grande importância já que o passado de George e Nataly estão interligados. Só achei que essa revelação foi feita de uma forma um tanto quanto sem sal, feita de forma rápida demais.

Levantei-me e arrumei o paletó, apressando-me em encontra-la, não porque tinha medo de suas represálias, mas porque, no momento, a solidão dela me incomodava por ter sido tão idiota.

Paula Toyneti consegue trabalhar bem as dificuldades das mulheres no passado e misturar a história com romance, de forma que nos encantamos com o romance mas refletimos sobre os fatos passados. Sem se aprofundar muito, é possível perceber que, ainda que as mulheres fossem (e ainda o são) capazes de reger impérios, para eles, as mulheres não passavam de meros enfeites.

Era isso que Londres fazia com as mulheres; as sujeitavam aos homens como se fossem uma doença contagiosa.

Outra coisa que me agradou muito nesse livro foi a pontuação, o que havia reclamado no volume O dia em que te amei. Aqui não temos mais personagens gritando o tempo todo! Detalhe esse que, para alguns pode passar desapercebido, mas, quando em excesso, incomoda minha leitura. Em O dia em que te toquei não aconteceu esse exagero, e isso fez até a minha nota para o livro aumentar.

O dia em que te toquei é um romance de época lindo, que fala sobre vingança e redenção, nos faz nos apaixonar e refletir e com certeza deixa o leitor bem curioso para o próximo livro da série, O dia em que te beijei.

Sobre o autor

Leia mais Reviews

Review | Contos Vol. 2, de H.P. Lovecraft

O volume dois dos contos reunidos pela Martin Claret do mestre do horror cósmico desta vez nos leva por um viés onírico, o chamado...

Review | Contos Vol. 1, de H.P. Lovecraft

A editora Martin Claret nos traz a peculiar e altamente influenciadora escrita de H.P. Lovecraft nesse primeiro volume de contos e nos mostra a...

Review | Custe o Que Custar de Harlan Coben

Custe o Que Custar é o penúltimo livro de Harlan Coben lançado nos EUA e o mais atual lançado aqui no Brasil pela Editora...

Review | Raio Negro: O Rei Aprisionado, de Saladin Ahmed e Christian Ward

  Com uma premissa inusitada desde seu título, afinal estamos falando do Raio Negro, um dos mais poderosos personagens de toda a Marvel, vê-lo aprisionado...

Review: Killer Clown – Retrato de um assassino, de Terry Sullivan e Peter Maiken

Mais um livro documentário de True Crime lançado pela caveirinha darkside do selo Crime Scene. E já vou logo avisando: Se você espera uma...

Review | Contos Vol. 2, de H.P. Lovecraft

O volume dois dos contos reunidos pela Martin Claret do mestre do horror cósmico desta vez nos leva por um viés onírico, o chamado...

Review | Contos Vol. 1, de H.P. Lovecraft

A editora Martin Claret nos traz a peculiar e altamente influenciadora escrita de H.P. Lovecraft nesse primeiro volume de contos e nos mostra a...

Review | Custe o Que Custar de Harlan Coben

Custe o Que Custar é o penúltimo livro de Harlan Coben lançado nos EUA e o mais atual lançado aqui no Brasil pela Editora...

Review | Raio Negro: O Rei Aprisionado, de Saladin Ahmed e Christian Ward

  Com uma premissa inusitada desde seu título, afinal estamos falando do Raio Negro, um dos mais poderosos personagens de toda a Marvel, vê-lo aprisionado...