Review – Kamisama ga Uso wo Tsuku (Mangá)

Como eu já falei por aqui, eu sempre estou à procura de algum mangá para ler. Uso um aplicativo no celular que me ajuda a ter as obras “em mãos” a qualquer hora e qualquer lugar, coisa que é super útil, além de me dar a oportunidade de conhecer vários títulos de diversas demografias, uma vez que eu não tenho disponibilidade de tempo para ficar pesquisando dicas na frente do PC, sempre que eu quero ler algo novo. E foi assim que eu descobri esse mangá, curtinho, apenas 5 capítulos, mas fascinante.

Mangaká: Ozaki Kaori

Capitulos: 5 (1 volume)

Genero: drama, escolar, romance, seinen

Tipo: Mangá

Ano: 2013

Editora: Kodansha

Serializado em: Afternoon

A história gira em torno de Natsuro, um menino de 11 que sonha em ser jogador de futebol. Órfão de pai vive sozinho com a mãe. Seu treinador, pelo qual ele tinha muito carinho, é subitamente afastado e substituído por outro, mais jovem e agressivo, que ridiculariza Natsuru na frente de seus colegas. Com isso o menino começa a se sentir mal e seu sonho de se tornar um jogador profissional começa a se esfarelar.

O destino o leva de encontro a Rio, uma colega de classe que vive sozinha com seu irmão. Assim como Natsuro, Rio também é órfã, mas de mãe. Seu pai diz que é pescador de caranguejos e há meses está no Alaska sem dar qualquer notícia. As duas crianças têm algo em comum, eles se sentem desamparados, mas juntos, eles aprendem a se dar conforto em um mundo que não parece ter sido feito para eles.

Preciso alertar pra quem quiser ler o mangá: se prepare para chorar. Apesar de curto, a história é de uma profundidade muito grande. Rio passa por situações com seu irmãozinho que até mesmo um adulto, muitas vezes não conseguiria enfrentar, vivem sozinhos, com o mínimo de dinheiro possível, mas sempre tentando ficar de cabeça erguida e tudo isso pelo bem de sua família. Quando ela conta para Natsuro que seu pai supostamente está no Alaska, a menina fala que entende a negligência do pai, mas que ninguém tem direito de julgar porque apesar de qualquer coisa, eles são uma família e Rio o ama. Você claramente percebe a maturidade de Rio ao mesmo tempo em que fica claro a inocência de criança que ela tem. Um das coisas mais bonitas do mangá, é ver como as três crianças (incluindo o irmão de Rio), se tornam uma família sem adultos

O nome do mangá em Português seria algo como: “Deus conta mentiras”, ao longo da obra você se depara com um dialogo entre Natsuro e sua mãe aonde isso é citado. Eu acredito que o “Deus” do título, pode ser entendido como a forma que as crianças vêem os mais velhos, então na minha interpretação, “deuses” que contam mentiras, seriam os adultos, seres superiores que ditam as regras, que impõe o que a criança deve ou não fazer. E um das coisas mais bonitas do mangá, é ver como as três crianças (incluindo o irmão de Rio), se tornam uma família, sem adultos. O carinho entre eles, era suficiente.

A Arte é simples, mas muito bonita, Não são desenhos extremamente realistas, mas são perfeitos para representar a história que a meu ver, não precisava de muito além disso. Afinal de contas, essa é a maior beleza desse mangá, a simplicidade. É incrível como um mangá de apenas um volume consegue desenvolver tão bem os personagens e te envolver completamente na história. Não vou enrolar muito mais do que isso, mas preciso dizer que você TEM que ler esse mangá, uma experiência única e maravilhosa. Vale a pena conferir.