Review| Em fogo lento, de Paula Hawkings

Review| Em fogo lento, de Paula Hawkings

E neste mês de setembro, a tag inéditos em parceria com a editora Record ,trouxe para seus associados o mais novo livro de Paula Hawkins, a mesma autora de “A garota no trem”. Como não poderia ser diferente, trata-se de um thriller psicológico.  Mas será que dos bons?

Um jovem é assassinado dentro de seu próprio barco em um cais de Londres. Sua vizinha, Miriam, que também mora em um barco , o encontra ensanguentado e já sem vida Morto à facadas. A polícia é acionada. Quem terá atentado contra a vida do jovem rapaz?

Laura, é uma jovem problemática que sofreu um trauma no passado. Ela se mete constantemente em problemas: tem passagens por furto, agressão, fala muitos palavrões , vive embriagada e tem crises de riso em momentos desapropriados. Ela ama o pai, mas tem uma relação distante com ele graças à madrasta Deidre, que se mete na relação dos dois, claramente afastando pai e filha. Laura é desajustada e uma garota problema, mas será que seria uma assassina?

O seu problema, Laura, é que você faz péssimas escolhas.

Miriam, a vizinha de Daniel, também tem um passado sombrio. Ela já tem seus quarenta e poucos anos, é solteira e uma mulher vivida. Mas quando jovem foi sequestrada. E sua história será contada em paralelo com as das pessoas em torno de Daniel e sua vida pregressa.

Irene é a vizinha bisbilhoteira.  É uma idosa solitária, perdeu o esposo e gosta muito de ler. Laura a ajuda com tarefas do dia a dia. E apesar de Irene saber das confusões em que Laura se mete, ela cultiva um carinho especial pela garota. Tenta enxergar os valores de Laura por trás do comportamento danoso dela.

Carla, tia de Daniel, é casada com Theo Myerson. Theo é escritor e depois do ultimo best seller parece ter perdido a mão na escrita. Carla perdeu um filho muito cedo. Seu filho Ben,  pode ter tido sua morte provocada. Mas quem foi o responsável?

Tirando Irene, todos ali tem uma conduta estranha, um passado obscuro. Todos são potenciais suspeitos. Todos estiveram com Daniel ou fizeram parte de sua vida em algum momento.

( a partir daqui um pouquinho de spoiler)

Gostei dos personagens, da ambientação da história. Apesar do livro ser envolvente achei mediano.  Falam muito pouco sobre Daniel, tem algumas partes que não fizeram muita diferença estar ali. Como por exemplo o manuscrito de Miriam que contava toda história  do sequestro dela “A garota que escapou”. Não vi muito sentido e nem como isso contribuiu para o desenvolvimento da trama. Não fez diferença estar ali ou não. Muita coisa ficou “no ar”.  Tive a sensação de ler dois livros  dentro de um.

Os capítulos curtos trouxeram mais fluidez para a narrativa, não ficou monótono. Cada momento narrado pela perspectiva de um personagem deixou a história mais envolvente. O livro contam com alguns plots também, mas nenhum deles me fez dizer aquele “uaaauuuuuuu, o que é isso”?

Não foi o melhor thriller que li na vida. Mas não foi o pior também.

Foi um livro ok.

Gostei bem mais de “A garota no trem”.

Sobre a autora:

Paula Hawkins trabalhou como jornalista freelancer antes de tornar-se escritora. Escreveu ” A garota no trem” Que se tornou um best seller com milhões de exemplares vendidos em todo mundo, inclusive ganhou adaptação cinematográfica, com Emily Blunt no papel principal. Ela também escreveu “Em águas sombrias” , outro livro de muito sucesso.

Leia mais Reviews