Review | Coleção Definitiva do Homem-Aranha #1 – Caído Entre os Mortos

Review de Coleção Definitiva do Homem-Aranha #1, escrito por Mark Millar e desenhos de Terry Dodson, Rachel Dodson e Frank Cho, lançado em abril de 2017 pela Editora Salvat, 160 páginas, R$ 9,90, formato americano. Originalmente em Marvel Knights Spider-Man #1-6.

Sinopse:

Alguém descobriu a verdadeira identidade do Homem-Aranha e pretende usar a informação para destruir tudo o que Peter Parker mais ama! Enquanto luta para proteger sua família e seus amigos da vingança de um misterioso e louco inimigo, o escalador de paredes é levado até seu limite absoluto e está perigosamente perto de cruzar uma linha que ele jurou jamais atravessar!

Comentário edição a edição:

Edição #1: Depois de derrotar e prender mais uma vez o Duende Verde, Peter Parker ajuda na mudança da tia May que irá morar mais próximo de seu sobrinho e de Mary Jane. No dia seguinte, enquanto lecionava, recebe a terrível notícia que a lápide do túmulo de seu tio Ben foi depredada. De repente, recebe uma ligação de alguém misterioso que conhece sua identidade.

Edição #2: O misterioso inimigo seqüestrou tia May e Peter pede para Mary Jane deixar a cidade. Ele desconfia que Osbron pode estar por trás de tudo, por saber sua identidade secreta e o confronta na prisão, o que, na verdade, apenas piora a situação. O Homem-Aranha pede ajuda dos Vingadores, mas sem sucesso. Por fim, recorre ao Coruja, que lhe entrega dois nomes.

Edição #3: O Homem-Aranha está determinado a empreender uma caça à Electro e Abutre, os dois vilões que seqüestraram a tia May, de acordo com o Coruja. O confronto com Electro é violento e o Homem-Aranha se fere gravemente, sendo hospitalizado. Mary Jane decide retornar à Nova York.

Edição #4: Ainda de cama, o Homem-Aranha é arrancado do hospital pelo Abutre e, ainda sob o efeito dos medicamentos, não consegue reagir. Sua vida fica por um triz, não fosse pela intervenção da Gata Negra. Ela retorna à Nova York para encerrar seu serviço e acaba ajudando o Aracnídeo em um de seus piores momentos.

Edição #5: Uma foto do Homem-Aranha hospitalizado sem metade de sua máscara começa a circular no Clarim Diário e J.Jonah Jameson oferece cinco milhões de dólares para quem descobrir a verdadeira identidade do Escalador de Paredes. Os heróis que conhecem a identidade do Aranha estão ajudando na busca pela tia May, mas em vão. Sem revelar sua identidade, fica quase impossível encontrá-la.

Edição #6: Até a SWAT está atrás dos cinco milhões de dólares oferecidos pelo Clarim Diário para descobrir a identidade do Homem-Aranha. O Aracnídeo visita mais uma vez Norman Osborn na prisão. Ele fica sabendo que Eddie Brock, mais um dos poucos que conhecem sua identidade, irá realizar um leilão no submundo. O Homem-Aranha vai “consultar” Rachel Summers na Escola Xavier e as notícias não são boas. E Eddie Brock revela o que pretende leiloar para os maiores criminosos do submundo de Nova York.

Análise final:

A preocupação com a identidade do Homem-Aranha e com o bem-estar de seus entes queridos, em especial a tia May, sempre foram duas peculiaridades de suas histórias, e o escritor Mark Millar resolveu trabalhar com esses elementos, respeitando a cronologia do universo Marvel vigente na época e com seu característico humor ácido em várias partes do arco, sempre “brincando” com situações que poderiam ser consideradas absurdas. Apesar da trama principal – encontrar a tia May que foi sequestrada – não ser finalizada, esse volume traz uma leitura dinâmica e com muito suspense. Leitura altamente recomendada.

Por Roger

REVER GERAL
Caído entre os mortos
8,5
Colecionador de HQs Marvel desde 1981 quando comprei minha primeira HQ Heróis da TV Nº 21 pela Editora Abril e HQs DC desde 1984 quando a Abril lançou os três títulos: Super-Homem, Batman e Heróis em Ação. Durante a década de 90, por motivos pessoais, fiz uma pausa, mas retornei em 2000 lendo algumas histórias do universo Ultimate.