Review | As Aventuras do Caça-Feitiço – O Aprendiz, de Joe Delaney

Review | As Aventuras do Caça-Feitiço – O Aprendiz, de Joe Delaney

Thomas Ward é um garoto de treze anos, que vivia num sítio junto com seus pais, seu irmão mais velho, Jack, e sua cunhada grávida. Seria um menino qualquer, se não fosse o sétimo filho de um sétimo filho, que o qualificará para um trabalho inusitado. e como seu pai era um agricultor, preocupado com o destino de suas terras, que seriam para o mais velho, procurou emprego para os demais, trabalhos que serviriam como favores, como no caso de um ferreiro ou de um carpinteiro, para encomendar serviços em sua oficina. Sendo o sétimo, Thomas não tinha mais nenhum daqueles trabalhos, e seu pai estava desesperado, a solução era o Caça-Feitiço, que precisava de um aprendiz para o seu perigoso ofício. O Caça-Feitiço é um ofício que protege os sítios e as aldeias das coisas que assombram a noite. “Enfrentar vampiros, ogros e todo tipo de criaturas perversas” seria esse o trabalho que Thomas irá aprender. Esse é o enredo da série de literatura juvenil, As Aventuras do Caça-Feitiço, cujo primeiro volume, O Aprendiz (The Spook’s Apprentice) publicado pelo selo da Bertrand Brasil.

Escrito pelo inglês Joseph Delaney, sua estréia na literatura, a série é sucesso por onde foi publicada, vencendo importantes premiações na área, como o Hampshire Book Awards, o Sefton Super Reads Books Award e o Prix Plaisirs de Livre. Segundo o jornal The Independent, adolescentes em busca de mistério, magia e fantasia terão um prato cheio com essa nova série, um pouco mais tenebrosa do que o Harry Potter de J.K. Rowling. A tradução foi feita pela mesma tradutora dos sete volumes de Potter, a paulista Lia Wyler, uma das mais experientes tradutoras do Brasil. Um romance juvenil ambientado no período histórico que os ingleses chamam de Pendle Witch Trials (1612) ou Os julgamentos de Pendle, onde várias pessoas foram acusadas de bruxaria. O Caça-Feitiço é um homem que protegia os aldeões das perversidades de bruxas e monstros, contudo era temível por todos. Aqui, a narrativa usa o temor do desconhecido, o medo e o horror para contar a história de um jovem aprendiz de um profissional que luta com o sobrenatural, numa época em que tudo era motivo de se ter medo.

Sr. Gregory, o Caça-Feitiço que é chamado e pago pelo pai de Thomas para treiná-lo e aceitá-lo como o seu novo aprendiz, pois o último morrera em circunstâncias misteriosas. Thomas é submetido a sua iniciação, uma prova terrível de coragem, que fez vários outros jovens desistirem de serem aprendizes: passar uma noite em uma casa assombrada. E o garoto avança em seus ensinamentos, tudo caminhava bem, até o dia em que seu mestre teve que viajar, deixando-o só e uma menina que conheceu na aldeia próxima da casa de seu mestre o engana, libertando uma maléfica feiticeira, conhecida como Mãe Malkin, que foi enterrada viva por punição após matar várias crianças para beber seu sangue. A partir daí, é como a sobrecapa do livro diz: “CUIDADO: Não deve ser lido à noite!”; Tom terá que enfrentar o medo para derrotar a bruxa e salvar sua família e amigos. A narrativa de Delaney explora o bem e o mal com maestria, sobretudo, como “inocentes” podem ser perversos, especialmente na personagem, Alice, a menina que se torna amiga de Tom, e que se tornará ao longo da série, uma espécie de coadjuvante confusa em suas atitudes.

O autor também aborda o medo, como ele aparece, como age e o porquê que se fortalece nos seres humanos. Tal como o jovem Tom aprende, o trabalho de um Caça-Feitiço é solitário, pois todos temem o que fazem para ganhar a vida. Certamente pelo clima de terror e medo, a série não é muito apropriada para aqueles propensos a pesadelos, principalmente por algumas cenas que são descritas com muita intensidade, como no caso dos fantasmas dos soldados que morreram pendurados em árvores ou quando um menino tem um de seus dedos cortados. Um livro fantástico, ou melhor, uma série fantástica – tanto adultos como jovens leitores irão facilmente apreciar o que ela tem para oferecer – original, despretensiosa e bem escrita.

“Muito bem, rapaz. Você está aprendendo. Somos os sétimos filhos de sétimos filhos, e temos o dom de ver coisas que os outros não podem ver. Mas esse dom, de vez em quando, pode se tornar uma maldição. Se tivermos medo, às vezes poderão aparecer coisas que se alimentam desse medo. O medo piora tudo para nós. O truque é nos concentrarmos no que vemos e pararmos de pensar em nós mesmos. Sempre resolve.”

PS. Análise feita antes do filme.

Sobre o autor

Cadorno Teles
Professor de Ciências Biológicas e Física, Historiador, idealizador do Canto do Piririguá, astrônomo amador e curte Mestrar RPG e jogar um bom boardgame/videogame.

Leia mais Reviews

Review | O dia em que te toquei, de Paula Toyneti Benalia

Olá leitores do Mundo Hype! Hoje trouxe para vocês a resenha de uma série de época de uma autora brasileira que tem me encantado...

Review | “VINGADORES PRIMORDIAIS”

Boa noite amigos da Mundo Hype !!! Eu sou o Paulo Cruz e esta é uma coluna sem data fixa de postagem (pintou a ideia, vai...

Review | A Paixão Segundo G.H., de Clarice Lispector

Ainda que a canção não tenha sido escrita para a escritora, toda vez que escuto a canção de Caetano Veloso e José Carlos Capinam...

Review | Neurocomic, de Matteo Farinella e Hana Ros

Eu amo livros de divulgação científica, isso é um fato. E quando é possível aliar divulgação científica com quadrinhos e uma edição incrível da...

Com Sangue, de Stephen King

Há uma máquina criadora de histórias, com alto índice de produtividade e criatividade que finge se passar por humano chamado S.T.E.P.H.E.N. K.I.N.G. - Hoje...

Review | O dia em que te toquei, de Paula Toyneti Benalia

Olá leitores do Mundo Hype! Hoje trouxe para vocês a resenha de uma série de época de uma autora brasileira que tem me encantado...

Review | “VINGADORES PRIMORDIAIS”

Boa noite amigos da Mundo Hype !!! Eu sou o Paulo Cruz e esta é uma coluna sem data fixa de postagem (pintou a ideia, vai...

Review | A Paixão Segundo G.H., de Clarice Lispector

Ainda que a canção não tenha sido escrita para a escritora, toda vez que escuto a canção de Caetano Veloso e José Carlos Capinam...

Review | Neurocomic, de Matteo Farinella e Hana Ros

Eu amo livros de divulgação científica, isso é um fato. E quando é possível aliar divulgação científica com quadrinhos e uma edição incrível da...