Review | A Familia O´Brien, de Lisa Genova

A Família O’Brien, de Lisa Genova é o ultimo livro da autora lançado no Brasil pela Harper Collins Brasil

SINOPSE: Joe O’Brien é um policial de 44 anos que faz parte da comunidade irlandesa católica de Charlestown, Massachusetts. Ele é um marido presente, pai orgulhoso de quatro jovens e um respeitado oficial da lei. Quando Joe começa a sofrer com episódios de confusão mental, mudanças de humor e impulsos involuntários, ele atribui os episódios ao envelhecimento, ao cansaço e ao estresse do trabalho. Porém, conforme os sintomas pioram, ele é convencido por sua esposa a procurar um médico. O diagnóstico mudará sua vida e a de sua família para sempre: ele tem doença de Huntington. A doença é letal, neurodegenerativa, sem tratamento e genética. Cada um dos filhos de Joe tem 50% de chance de herdá-la e um simples exame pode revelar seus destinos. A medida em que observam seu possível futuro no avanço dos sintomas do pai, eles pensam sobre como suas vidas serão atingidas. Katie, a mais nova dos O’Brien, se preocupa em cuidar do pai e manter a família unida enquanto precisa lidar com as próprias questões: ela quer saber o resultado? E se seu gene for positivo? Ela consegue viver com a constante ansiedade de não saber a resposta? Conforme os sintomas pioram e Joe é afastado do trabalho, ele luta para manter sua identidade e propósito. Como encontrar coragem sem o colete e a arma? Preocupado com o que pode transmitir para seus filhos além de uma doença fatal e o exemplo que quer dar a eles, Joe lida com a realidade da morte e da culpa enquanto descobre a honra de viver e morrer com a doença de Huntington.

Há vários anos aprecio muito a escrita de Lisa Genova, isso porque ela é uma autora única, que escreve livros diferenciados, que servem ao mesmo tempo como ficção e alerta, trazem personagens fictícios mas que ilustram a verdadeira realidade de muitas pessoas, além de ela tratar seus temas com muita sensibilidade, sabedoria e responsabilidade, e isso se deve principalmente ao fato de Lisa ser Ph.D. em neurociência, o que faz com que tudo que ela nos relata seja baseado em experiências e estudos reais e profundos.

O livro mais famoso de Lisa Genova é Para sempre Alice, onde a autora tratou do Mal de Alzheimer, uma doença bastante conhecida, e após anos sem lançamentos de novos livros dela, nesse ano chegou às livrarias A Família O’Brien que prometia falar sobre uma patologia chamada doença de Huntington.

Como já conhecia o trabalho de Lisa, claro que fiquei interessada em ler, além do fato de a sinopse ser instigante por si só, mas eu nada mais conhecia sobre a doença, inclusive nunca havia ouvido falar dela, então foi com assombro e fascínio que mergulhei nessa obra e descobri um mundo diferente, impactante e acompanhei a saga de cada um desses personagens.

O início foi um pouco lento, admito, pois demorei um tempo para me familiarizar com a narrativa de Joe, um policial pai de uma família composta por quatro filhos que acabaram de chegar na fase adulta e também o portador da doença.

Porém, após cerca de cinquenta páginas me vi envolvida, criei um afeto imenso por Joe e acompanhei os sintomas da doença surgindo lentamente e a negação de Joe de que algo mais grave estava acontecendo, enquanto nós, leitores, sabíamos que aqueles tropeços, tremedeiras e estresse eram por causa da doença, e eu me sentia como se estivesse assistindo um trem indo em direção a alguém sem ter como avisar aquela pessoa, e o acompanhamos até a fatídica e inacreditável descoberta, o agravamento da doença e a segunda e talvez mais emocionante parte do livro, onde passamos a acompanhar Kate, uma das filhas de Joe e todo o resto de sua família nas reações em relação a doença e também em seu medo de serem portadores desta, uma vez que é uma mutação genética e os filhos de portadores dessa doença possuem cinquenta por cento de chance de também tê-la.

Além disso, gostei muito de a autora ter mesclado vida e morte nesse enredo, isso porque ao mesmo tempo que ela nos fala da história de um personagem que sabe sobre a sua doença fatal que vai levá-lo para a morte dentro de algum tempo, acompanhamos também a verdade de que a vida continua, nascimentos acontecem, relacionamentos se estabelecem e ninguém consegue paralisar o tempo, embora seja o grande desejo daqueles que estão enfrentando aquela realidade.

Ainda, o livro foi uma importante reflexão sobre como viveríamos caso soubéssemos que o amanhã pode não chegar, o que faríamos se soubéssemos que nosso tempo está contado, e a dúvida cruel que atormentou os filhos de Joe e a mim também, é preferível viver sabendo que o seu tempo está contado ou é melhor deixar para descobrir só em um momento em que formos obrigados?

Como já mencionei, apesar da presença dessa temática forte, tudo é muito bem trabalhado e não dá espaço para dramalhões desnecessários, embora haja partes que nos tocam mais profundamente.

Ainda, em termos de reflexão, durante essa leitura pensei bastante sobre como muitas vezes a sociedade corre para julgar alguém sempre pensando o pior, quando na verdade pode ser que não seja nada do que se imagina, como no caso de Joe, que quando começou a tropeçar, esquecer e tremer, imediatamente buscou-se a solução mais fácil, a teoria de que ele estava usando bebidas ou drogas, e ninguém sequer cogitou que isso poderia ser uma doença.

A Família O’Brien foi uma leitura positiva, marcante e interessante, que mexeu comigo, me despertou curiosidade, reflexões e que merece ser conhecida por muitos leitores, pois traz diversos temas que ao mesmo tempo que nos ensinam também nos sensibilizam.

E você, já eu algum livro de Lisa Genova? Qual seu livro favorito da autora?

Vamos conversar nos comentários.

E Não se esqueça que temos muitas outras indicações, clique aqui e conheça um pouco mais.

E Curta o Site Mundo Hype nas redes sociais, compartilhe com amigos e continue por aqui.

#pracegover a capa é bege, com o nome do livro ao meio e cercado por quatro molduras de quadros , uma redonda, uma quadrada e duas retangulares, porém sem imagens nos quadros, somente fundos vermelhos, como se naquela família não existissem mais pessoas.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here