Resolvi dar um voto de confiança aos livros da Marvel, e sabe o que eu achei?

Christopher Bennett nos traz uma nova história do amigão da vizinhança. Diferente do habitual quadrinho e seus balões, a Marvel convidou alguns escritores para lançar histórias baseadas em HQs, e também inéditas ao mundo literário, distribuídos pela editora Novo Século. Homem Aranha – Entre trovões é a 3º edição de livros da Marvel, lembrando que tivemos (1º O toque da Vampira e 2º Guerra Cívil).


HOMEM ARANHA - ENTRE TROVÕES[dropcap]N[/dropcap]a trama temos a fase Peter de Parker adulto e casado com MJ. Sua tia May já sabe que o cabeça de teia é seu sobrinho e juntos conseguem viver em harmonia, mesmo com toda preocupação e cautela. Temos uma fase mais madura de Peter Parker, uma fase em que ele mesmo reconhece erros passados e que pretende não repeti-los. Peter leciona em uma escola de seu bairro, ele sente que mesmo sem seu uniforme vermelho e azul, consegue salvar algumas vidas no campo mais importante e precário do bairro, a educação.

Após as típicas ameaças de Nova York, uma serie de robôs invadem diversas lojas de pedras preciosas afim de roubar diamantes. Um de seus mais emblemáticos vilões está junto com essa horda de androides ladrões e bem treinados, cabe ao Aranha tentar evitar o máximo de catástrofes possíveis.  Por outro lado temos o famoso, J.J. Jameson, dono do Clarim Diário a todo vapor. JJJ não se cansa de perseguir o Aranha e acusa-lo de todas as formas possíveis (como sempre). Agora Peter tem a missão de balancear sua vida profissional, pessoal e seu álter ego, pra que possa evitar catástrofes, manter limpa sua imagem perante a sociedade e manter seu casamento vivo, sem esquecer de continuar a salvar tantas vidas quanto possível, mesmo entre trovões de acusações.


Eu me interessei pelo livro, por acreditar ser um pouco mais profundo do que os quadrinhos, e realmente foi. O Escritor transpassa muito bem o dilema infinito de Peter, seus medos, sua revolta perante o não reconhecimento de tudo que ele fez e faz. Peter está em sua forma mais filosófica, o peso que carrega, a responsabilidade muito maior que seus poderes, e a incapacidade de resolver seus problemas sozinhos. Os diálogos de Peter com sua tia e até mesmo com J. Jameson são memoráveis, a sermão do bom homem, o fazer o certo mesmo que ninguém esteja te olhando, e o  lance de poder e responsabilidade, faz com que o livro tenha um peso que poucas vezes os quadrinhos conseguem. Breves trechos sobre outros personagens também são bastante interessantes, e traz curiosidades que muitas vezes não sabíamos. Gostei que do fato de Peter Parker ser inseguro e o Homem Aranha ser desequilibrado. O autor explorou o sentido aranha, como nenhum outro. 

HOMEM ARANHA - ENTRE TROVÕESPor outro lado o livro peca em desenvolvimento de história e deixa a impressão que do começo ao fim ainda estamos no mesmo problema, demora muito para pequenos desfechos e torna a leitura em partes sem emoção. Outro fato que livros de heróis perdem em relação a HQ, são as lutas, o excesso de detalhe do cenário, performance narradas minuciosamente, toma páginas e páginas da atenção do leitor, deixando pouco interessante as batalhas. Ao encher de detalhes alguns trechos aparenta que a missão do escritor era fazer com que imaginássemos toda a cena, porem o efeito em mim foi totalmente contrário, muita informação pra pouco acontecimento. Os diálogos são ótimos e as lutas são pouco interessantes, vamos pensar assim!

Enfim recomendo que leia caso já conheça um pouco sobre Peter Parker, pois o livro parte de um ponto, que leigos não entenderão referencias, muito menos personagens que dispensam apresentação. O livro não é de todo ruim. Como sempre pensei, toda história podemos tirar algo bom, pontuei algumas coisas pra dar um norte a você, mesmo com tantos pontos negativos, o livro é viciante e aguça muito bem nossa curiosidade para as próximas páginas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here