[dropcap size=big]Q[/dropcap]uadrinhos, HQs, Gibis, Tirinhas e etc. Todas vão muito além de uma simples história infantil. São momentos, situações, ensinamentos e grandes metáforas, que nos agregam sentimentos e reflexões. Com a crescente onda de fãs de quadrinhos, também acompanhamos uma crescente quantidade de novos quadrinistas. Apresentaremos aqui ótimas obras,  indicações de escritores nacionais que precisam e merecem sua atenção para suas obras.

Hoje apresentaremos duas edições do autor Felipe Nunes de apenas 21 anos. Felipe é quadrinista, ilustrador e cursa design gráfico. Começou a trabalhar aos 15 anos e hoje já figura entre os mais conhecidos autores nacionais.

Sua primeira obra de destaque fica por conta de KLAUS, distribuída pela BALÃO EDITORIAL, que conta a história de um adolescente que vive em um mundo meio desconexo ao seu. Tudo lhe é meramente estranho, sua família, a sociedade e seus amigos são ilustrados como animais. Klaus vive a premissa adolescente do questionamento e revolta, sente que foi simplesmente jogado em uma sociedade que não é sua e mesmo não querendo, terá que se adaptar aos padrões impostos pela sociedade e por sua família. Em busca de saber sobre sua origem. Klaus se vê prisioneiro de seus próprios pensamentos e terá que investigar a fundo sua própria vida para encontrar as respostas que precisa.

Sua mais recente obra é intitulada DODÔ, que nos apresenta uma menina esperta chamada Laila. A garota de apenas 6 anos vive o conturbado relacionamento entre sua mãe e seu pai divorciado. Vítima de uma rotina que não é sua, Laila mal pode escolher ter amigos ou tão pouco se aventurar em parques e escola, pois sua mãe tem pouco tempo disponível para prover e dar atenção suficiente a menina. Ao encontrar um Dodô no parque em frente sua casa, Laila enxerga no pássaro um novo amigo e juntos vivem algumas situações arriscadas e complacentes.


Gosto de quadrinhos alternativos, eles nos passam uma carga diferente, nada é forçado e nos desafia a imaginar a metáfora ou situação que está sendo apresentada. Geralmente tem muito mais a passar do que meras páginas de entretenimento, e de uma forma ou de outra nos ensina um pouco a enxergar a vida de outra forma.

Já li variadas obras e em cada uma me remete a um momento da vida ao qual me identifiquei. Decidi escrever sobre Klaus e Dodô mas de uma forma ou de outra me identifiquei com os personagens, me fizeram lembrar alguns momentos da infância no qual mal conseguia me adaptar a uma nova sociedade ou mesmo em relação ao divórcio dos pais. Ambas as obras nos ensina que as atitudes dos pais podem mexer demais com a cabeça de uma criança ou de uma adolescente e aquilo que achamos ser uma coisa banal pode desabar o mundo dos pequeninos.

Após minha visita a CCXP 2015, tive a oportunidade de conversar com alguns autores nacionais e isso me despertou a vontade de ler seus quadrinhos e propagar as melhores obras aos quatro cantos. Há muito talento escondido aqui no Brasil, e cabe a nós fãs de boas histórias dar uma chance aos novos roteiristas, ilustradores e escritores.

Esse ano na CCXP 2016, tive a oportunidade de conversar com Felipe Nunes e sua simplicidade, humildade e simpatia me fez dar essa chance pra essas obras e apresentar aqui no Multiverso. Vez em quando trarei aqui alguns reviews nacionais, já havia postado ANARQUIA – 3 LADOS PARA CADA HISTÓRIA de EMÍLIO BARAÇAL e também a divertida história ESCREVENDO COM O LADO ESQUERDO DO FÍGADO de ARTHUR FUJITA.

Dê essa chance aos nossos, e se divirta com as melhores histórias nacionais.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here