Relembrando Animes – Yu-Gi-Oh!

É Hora do Duelo!!!

Com certeza essa é uma das frases mais marcantes para a geração que curtia animes ali pelo começo dos anos 2000. O Mangá de Yu-Gi-Oh completa hoje 20 anos de sua primeira publicação, como eu não li o mangá, mas era super viciada no anime, resolvi prestar as minhas homenagens por aqui.

Yu-Gi-Oh! é uma série de mangá sobre um jogo de cartas, escrita e ilustrada por Kazuki Takahashi. A série foi originalmente publicada pela editora Shueisha na revista Weekly Shōnen Jump entre 30 de setembro de 1996 e 8 de março de 2004. O mangá foi licenciado no Brasil pela editora JBC. Seu pré-lançamento aconteceu no dia 13 de julho de 2006 durante o festival Anime Friends em São Paulo, enquanto o lançamento nas bancas foi no dia 25 de julho.

Duas adaptações em anime foram produzidas: uma pela Toei Animation com o mesmo nome, que foi ao ar de 04 de abril de 1998 a 10 de outubro de 1998, com 27 episódios que foram baseados nos volumes de 1 a 7 do mangá original Yu-Gi-Oh! , não focaliza muito no Magic & Wizards, não está conectado com Yu-Gi-Oh! Duel Monsters, mas é referido frequentemente como a “primeira série” para distinguir da série seguinte. A Primeira fase retrata mais o lado sofrido de Yugi, onde não tem amigos e leva uma vida bastante monótona e sólitaria até encontrar e concluir o Enigma do Milênio. Essa versão de Yu-Gi-Oh! foi lançada apenas em VHS na época e, até onde se sabe, nenhum país fora do Japão exibiu a série.

Mas a salvação ainda estava por vir… Em 2000, a produtora NAS, juntamente com apoio da TV Tokyo, da Konami e do Studio Gallop, resolveu investir novamente no título. Yu-Gi-Oh! Estava fazendo muito sucesso nas páginas da Shonen Jump, porque não tentar um anime novamente!? E como todos já sabem, deu certo e muito certo! Com o nome de Yu-Gi-Oh! Duel Monsters, o anime foi ao ar entre abril de 2000 e setembro de 2004, com 224 episódios. E foi esse segundo anime que expandiu para uma franquia que inclui vários animes spin-offs, Trading Card Game e diversos vídeo games. Aqui no Brasil o anime foi exibido pela Rede Globo e pela Nickelodeon.

A origem de toda a trama tem início há 5.000 anos, no Egito Antigo. Naquela época havia um jogo disputado entre os faraós, conhecido como o Jogo das Trevas. Esse jogo era um duelo de magia onde os faraós invocavam monstros para se atacarem mutuamente. Um desses faraós, percebendo o perigo que tal disputa representava, conseguiu prender todo o poder mágico por trás do Jogo das Trevas dentro de sete relíquias. Como nada dura para sempre, o tal poder maligno também não haveria de ficar preso por muito tempo. O enredo de Yu-Gi-Oh! se passa nos tempos atuais, e tem como protagonista o garoto Yugi Muto, viciado em um jogo de cartas chamado Monstros de Duelo.

A história começa quando Yugi decifra um antigo artefato egípcio, um quebra-cabeça chamado Enigma do Milênio, que ele havia recebido de seu avô. O Enigma do Milênio é na verdade uma das sete relíquias que contém esse poder, portanto, parte desse poder está agora nas mãos de Yugi. Nesse artefato estava presa a alma de um antigo faraó. Assim Yugi ganha uma espécie de dupla personalidade que o ajuda nos Duelos, principalmente durante os chamados “Jogos das Sombras”.

No planejamento inicial de Yu-Gi-Oh!, seu criador, Kazuki Takahashi, pensava em criar um mangá de terror. Apesar do resultado final sair um mangá sobre jogos, ficou claro que alguns elementos de terror influenciaram a história. Takahashi então decidiu usar “batalha” como seu tema principal. A princípio Yu-Gi-Oh! era para ser uma one-shot (apenas 1 capítulo) e tinha o nome de “Magic and Wizards”, uma referência ao card game Magic: The Gathering. No começo era para ser experimental, mas o editor da revista Weekly Shonen Jump, recebeu muitas cartas e e-mails dos fãs que perguntavam sobre o one shot, foi assim que o autor tomou a decisão de prorrogar a história e o resultado final é Yu-Gi-Oh.

Como já é de praxe por aqui, finalizo o relembrando animes com a abertura de Yu-Gi-Oh que está na minha cabeça desde a hora que eu comecei esse texto: