Relembrando Animes – Akira

O Relembrando Animes de hoje vai falar mais uma vez sobre um longa metragem. Quem é fã de ficção científica obrigatoriamente deve conhecer Akira. Já que a animação foi um marco do gênero, considerado uma das maiores influências do estilo nos cinemas.

Baseado em um mangá de mesmo nome, com autoria de Katsuhiro Otomo (que também dirigiu o Longa), Akira foi lançado em 1988 no Japão. É um filme considerado revolucionário, além de ter um estilo cyberpunk, antes mesmo do gênero ter chegado ao Japão, Akira tem um aprimoramento técnico muito superior ao que era realizado em animações na época, como alta taxa de quadros por segundo, ilustrações de fundo
foto-realistas, pré-dublagem, efeitos de iluminação, movimento de olhos entre outros. Sendo equiparável a filmes lançados décadas depois.

Foi o primeiro longa de Animação Japonesa a ser exibido nos cinemas Brasileiros (no ano de 1992) como um grande filme. Os Mangás também foram publicados por aqui em 1991, mas não no formato original. O Filme foi exibido várias vezes em TV aberta no nosso país durante os anos 90, pela Rede Bandeirantes.

A trama é ambientada 30 anos após uma Terceira Guerra Mundial, no ano de 2019, em Tóquio que foi reconstruída, e agora se chama Neo Tóquio. A cidade se prepara para as Olímpiadas de 2020, mas o clima não é dos melhores, a cidade está repleta de ataques terrorista, grupos anti-governamentais e gangues de motociclistas. Uma dessas gangues é liderada por Shotaro Kaneda que em uma noite acaba envolvido numa luta com a gangue
rival, com direito a uma grande perseguição pela cidade, porradas e mortes de ambos grupos. Durante a luta, o membro mais novo da gangue e amigo de Kaneda, Tetsuo Shima colide numa auto-estrada com uma criança misteriosa que havia escapado do programa de investigação psíquica secreta do governo. Nisso ele acaba sendo levado pelos responsáveis deste programa  juntamente com a criança, e é sujeito às mais diversas experiências científicas.

A principal experiência é que ele desenvolva um poder psíquico, para que o governo possa usá-lo como uma máquina de guerra. Mas Tetsuo está enlouquecendo com todo o poder que anda desenvolvendo e começa a perder o controle da situação. Tal poder é equiparado ao de Akira, uma criança que sofreu os mesmos tipos de
experiências que Tetsuo e com isso causou a Terceira Guerra Mundial. Com o poder tomando conta de Tetsuo Shima, Kaneda e várias outras pessoas irão se unir para tentar salvar o mundo de uma nova tragédia colossal.

A animação Akira fala de um mundo caótico, de uma juventude alienada e de um governo corrupto. Tudo isso recheado de muita ficção científica e imagens sensacionais. O autor conta que esse foi um ponto fundamental na
elaboração da animação. Ele queria que tudo ficasse focado nas imagens. E elas são realmente impressionantes. Elas passam o desespero, a monotonia e o caos vividos pelos habitantes de Neo Tóquio.

As cenas de ação são realmente de tirar o fôlego, motos flutuam pelas ruas e quando afinal uma luta de super poderes acontece, a gente se esquece que se trata de uma animação feita há 20 anos, sem ajuda de efeitos especiais. Apenas um grande roteiro e expressivos desenhos.

Akira é uma das minhas animações preferidas. Tanto pelo tema, ficção científica que eu adoro, quanto pela sua história profunda e muito bem trabalhada.

Termino esse Relembrando animes recomendando muito o Longa e também o Mangá, que é bem diferente da Animação em alguns aspectos, apesar do resultado dos dois ser o mesmo. No mangá, Akira é um personagem que surge apenas no segundo volume,
enquanto no filme, ele foi dissecado para pesquisa e os seus
restos mortais permanecem armazenados em baixo do
Estádio Olímpico de Tóquio. Esta mudança tem um efeito damático sobre a
história. Enfim, vale muito a pena conferir essa brilhante obra de Katsuhiro Otomo.