Rebobinando – O Clube dos Cinco

“Caro Sr. Vernon, aceitamos ficar um sábado inteiro na detenção por causa do que fizemos de errado se é que o que fizemos foi errado, mas acho que você está louco para nos fazer escrever este texto dizendo-lhe o que pensamos de nós mesmos. O senhor nem se importa. Você nos enxerga como você deseja nos enxergar. Em termos mais simples e com definições mais convenientes. Você nos enxerga como um cérebro, um atleta, um caso perdido, uma princesa e um criminoso. Correto? Essa é a maneira que nós víamos, às sete horas desta manhã. Passamos por uma lavagem cerebral.”

Quem gosta muito dos filmes dos anos 80, com certeza reconhece esse texto que eu usei na introdução. Dessa mesma maneira começava um dos maiores filmes sobre adolescentes de todos os tempos, O Clube dos Cinco.

The Breakfast Club (título original), é um filme norte-americano do gênero drama produzido em 1985. Foi escrito e dirigido por John Hughes e estrelado por Emilio Estevez, Anthony Michael Hall, Judd Nelson, Molly Ringwald e Ally Sheedy. O filme se tornou um clássico cult, um obra que define a década de 1980, e teve uma enorme influência sobre a vinda de muitos dos filmes do gênero, desde então. Foi inteiramente rodado em sequência. As filmagens começaram em 28 de março de 1984 e terminaram em maio do mesmo ano.

 

O filme conta a história de cinco alunos, Claire Standish – a patricinha popular, Brian Johnson – o nerd, Andrew Clark – o atleta popular, Allison Reynolds – a louca anti-social e John Bender – o deliquente que precisam passar um sábado inteiro na escola fictícia Shermer High School devido a uma detenção por algo de errado que eles fizeram. Os cinco estudantes, que parecem ter nada em comum à primeira vista, se reúnem na biblioteca da escola, onde são vigiados e ordenados a não falar ou se mover por mais de 8 horas, além disso deveriam fazer uma redação sobre quem eles são.

A medida em que o dia passa os cinco começam a conversar e conhecer mais sobre cada um, eles refletem  e discutem sobre seus problemas familiares, onde apenas querem ser aceitos pelos pais, todos os cinco tem o mesmo problema de maneiras diferentes. Eles também falam porque estão ali, Jhonson tinha uma arma, ele queria se matar porque tirou um zero e aquilo para ele era inaceitável, Bender vandalizou armários, Andrew colou a bunda de um garoto apenas para mostrar ao pai que ele era um valentão e o pai ter orgulho dele, Claire matou aulas para fazer compras e Alisson por dormir nas aulas.

O Clube dos Cinco em um primeiro momento pode até ser interpretado como: mais um filme sobre adolescentes no ensino médio e seus estereótipos. E sim, o filme é exatamente isso. Mas também é muito, mas muito mais. O filme procura analisar cada um dos personagens cuidadosamente, o que faz com quem você se identifique com pelo menos um dos cinco alunos, ou até mesmo com um pouco de cada um. Além disso fala sobre como as aparências enganam e nem sempre o que você vê por fora, é o que alguém realmente é. Depois que o filme acaba, você ainda se pergunta se essas pessoas são realmente as mesmas que apareceram no início.

Algumas curiosidades sobre o filme:
-Os atores foram disfarçados para vários colégios enquanto se preparavam para seus papéis.
– Molly Ringwald faria o papel de “Allison”, mas achou que ficaria mais a vontade interpretando “Claire”.
– A cena em que os cinco sentam em círculo no chão da biblioteca e contam as razões pela qual ficaram de castigo, não estava no roteiro, toda as falas foram improvisadas pelo elenco.
– John Huges escreveu o roteiro do filme em apenas dois dias.
Não posso deixar de falar sobre uma das partes mais marcantes do filme, a trilha sonora que é um belo resumo dos anos 80 e o destaque fica para “Don’t You (Forget About Me)”, do Simple Minds que é a música tema do filme e toca no começo e no encerramento. É claro que vou deixar o vídeo para vocês conferirem:

 

No começo desse rebobinando, eu coloquei o texto que da ínicio ao filme. Esse texto é a primeira parte da redação que o professor pede para eles fazerem e que Brian escreve. Então para finalizar, nada mais justo do que colocar a última parte da redação, que encerra o filme:

“Caro Sr. Vernon, aceitamos ficar um sábado inteiro na detenção, pelo o que nós fizemos de errado, mas achamos uma besteira o senhor mandar agente escrever, um texto sobre nós mesmos. Você nos enxerga como você deseja nos enxergar. Em termos mais simples e com as definições mais convenientes.
Mas o que descobrimos é que cada um de nós é, um cérebro, um atleta, um caso perdido, uma princesa e um criminoso. Isso responde a sua pergunta?”
TBC 28
Atenciosamente, O Clube dos Cinco…