Rebobinando – Alice no País das Maravilhas (1951)

O dia das crianças está chegando e por isso hoje eu vim falar sobre uma das minhas animações (e também o livro) preferida de todos os tempos aqui no Rebobinando.

Como eu já dei a dica ali em cima e pra quem não sabia, a animação da Disney (e todos os outros filmes que vieram depois) Alice no País das Maravilhas, foi inspirada em um livro e antes de falar sobre o filme, vou contar um pouquinho sobre ele:

O livro é a obra infantil mais conhecida de Lewis Carroll. Foi originalmente publicada em 4 de julho de 1865 e é uma das obras mais célebres do gênero literário “nonsense”. O livro conta a história de uma menina chamada Alice que cai numa toca de coelho que a transporta para um lugar fantástico povoado por criaturas peculiares e antropomórficas, revelando uma lógica do absurdo, característica dos sonhos. Este está repleto de alusões satíricas dirigidas tanto aos amigos como aos inimigos de Carroll, de paródias a poemas populares infantis ingleses ensinados no século XIX e também de referências linguísticas e matemáticas frequentemente através de enigmas que contribuíram para a sua popularidade. É assim uma obra de difícil interpretação, pois contém dois livros num só texto: um para crianças e outro para adultos. Alice no País das Maravilhas possui uma continuação chamada Alice Através do Espelho e O Que Ela Encontrou Por Lá ou, Alice No País Dos Espelhos. Ambos influenciam ainda diversas obras como A Liga Extraordinária, de Alan Moore e Sandman, de Neil Gaiman.

Então, em 1951 a Disney lançava seu 13° longa metragem de animação, inspirado nesse dois livros de Lewis Carroll. Antes do desenvolvimento do filme, Walt Disney já havia feito uma série que misturava animação e live-action, intitulado: “Alice Comedies” lançado em 1924. Porém foi só com o sucesso do filme “Branca de Neve e os sete anões” lançado em 1937, que Walt Disney decidiu fazer o filme. Devido a Segunda Guerra Mundial, a Disney acabou ficando sem recursos para produção de Longas, portanto Alice só foi lançado em Julho de 51, depois de outras animações terem alavancado novamente o estúdio.

A premissa do filme é a mesma do livro, Alice estava cansada de seus deveres e sonhava em ter um mundo só dela, com isso, ela acaba seguindo um curioso coelho branco antropomórfico falante com um grande relógio que acaba levando-a ao País das Maravilhas, um mundo paralelo em que habitam vários seres peculiares como, um Dodô, dois gêmeos idênticos chamados Tweedledee e Tweedledum, um jardim com flores “vivas” uma Lagarta azul que fuma narguilé, um Chapeleiro e uma Lebre loucos, e uma Rainha feroz e autoritária.

Alice foi lançado pela primeira vez em VHS no ano de 1993 pela Abril Vídeo em versão dublada. Em 2000, a animação foi lançada de novo em VHS e em uma versão totalmente remasterizada digitalmente com a versão dublada e legendada por parte da Buena Vista Home Entertainment. Em 2005, o filme foi lançado pela primeira vez em DVD com uma restauração digital com mais brilho que o original. Em 1 de Fevereiro de 2011 Alice foi lançado em Blu-ray e também disponível em DVD para celebrar os 60 anos do filme com restauração digital totalmente nova com muito contraste e nitdez e também com nova qualidade de som.

O que eu mais gosto em Alice é que conta uma história maluca, estranha, mas bela a seu modo e principalmente fora dos padrões melosos da heroína desprotegida à procura de um Príncipe Encantado (como é de costume em animações da Disney). Alice é uma menina como todos nós, curiosa, sonhadora e ela também é totalmente diferente de tudo o que é esperado dela. Essa história, um tanto quanto psicodélica, mostra que ser diferente, estar confuso e cheio de incertezas faz parte da vida dos mais criativos, daqueles que se recusam a viver apenas a rotina dos dias comuns e ousa experimentar o novo. Uma animação que pra mim é muito mais que um clássico, ela é um marco na história dos estúdios Disney, porque apesar de seguir com fidelidade algumas das convenções narrativas de outras animações, como seu visual multicolorido e a interação entre humanos e animais, o filme retrata uma história que não se encaixava no meio de outros clássicos do estúdio.

Termino deixando o trailer de Alice porque sempre é bom relembrar: