A showrunner de Jessica Jones nos fala sobre o tom da série da Netflix/Marvel

Jessica Jones (anteriormente conhecido como A.K.A. Jessica Jones) é um mistério, especialmente porque nós não temos nenhuma ideia real se esperamos superpoderes ou como ele será diferente de Demolidor. Graças à showrunner Melissa Rosenberg, porém, agora temos uma idéia muito melhor sobre a direção da série Netflix e como ele irá comparar a Marvel no serviço de streaming: “Jessica Jones é uma série muito diferente do Demolidor. Nós existimos em um universo cinematográfico, a mitologia do universo está conectado, mas ele vai olhar muito diferente. Tonalidade dele será muito diferentes. Se você pegar Alias do ​​Bendis e pegar Demolidor, eles são totalmente diferentes. Essa foi a minha única preocupação. Eu teria que se encaixar com o Demolidor? A resposta foi: “Não, nós estamos contratando você para o seu ponto de vista.”

Falando do Homem Sem Medo, Rosenberg passou a enfatizar o fato de que Jessica Jones será diferente dessa série por outra grande razão, a personagem não tem um alter-ego que ela pode mudar para quando se trata do momento de combater o crime. “A única coisa [quando] Steven [DeKnight] tem a vantagem, sua série foi chamada de Demolidor, mas tem um equipamento. Charlie Cox pode ter uma pausa de vez em quando. O meu programa é chamado Jessica Jones. Não há nenhuma máscara. Krysten Ritter é a atriz que mais trabalha.” Isso soa como a abordagem certa com este caráter particular, e a showrunner definitivamente parece estar olhando para o melhor lugar para a inspiração. “Tudo começa com a série Alias ​​de Brian Michael Bendis. Ele criou esta incrivelmente detetive, personagem interessante danificada. Independentemente do sexo, foi a personagem que me atraiu. Ele não tinha medo de ir lá e fomos ainda mais longe. Temos ido mais longe em todas as nossas histórias. O público vai responder a isso ou não? Eu não sei, mas eu temo de que eu estou fazendo a coisa certa.”

Ela terminou falando sobre as vantagens de usar personagens mais obscuros, enquanto trabalhava sob os olhos sempre vigilantes da Marvel Studios. “Onde você tiver limitações é quando você estiver usando um de seus personagens e você precisa estar ciente da mitologia do personagem. Estamos usando alguns personagens muito obscuros e estamos levando-os em todo o lugar [do mundo].”


DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

+ Lidas da Semana

Nova graphic novel da AVEC apresenta um universo que mistura Steampunk, fantasia e Superequipes.

Chega este mês às principais livrarias e lojas especializadas em quadrinhos do Brasil, o novo trabalho do escritor bestseller Felipe Castilho (autor de A Ordem Vermelha: Filhos...

11 séries de época para se apaixonar

Todo mundo tem uma preferência de narrativa quando procura uma série para ver. Existem séries para os amantes de ficção científica, séries de fantasia, policial,...

Lançamento de Resgatar o Brasil, de Jessé Souza e Rafael Valim

A Editora Contracorrente e a Boitempo apresenta o lançamento da obra Resgatar o Brasil, coordenada pelos professores Jessé Souza e Rafael Valim, a coletânea confronta, neste momento dramático da história nacional,...

3º Festival de Quadrinhos de Limeira

Para quem esteve presente no ano passado na cidade de Limeira e pôde comparecer no FLIQ 2017 acompanhou dois dias de muita atividade relacionada à...

Relembrando Animes – US Manga

Hoje o Relembrando animes vai ser um pouquinho diferente... Ao invés de falar sobre animes os tokusatsus, vou falar sobre um programa de TV....

Mais Notícias