Multiverso News apresenta: O Herói Esquecido pelo Tempo – Capítulo 7!

O Herói Esquecido pelo Tempo - Capítulo 7
Capitulo 7 – Dúvidas, incertezas, respostas.

Isso não era nada bom, se não existia uma máquina do tempo em casa, então, alguém de fora fez ela e esta usando a bel prazer. Mas, como? Uma pessoa havia descoberto como usa-la? Suas memórias continuavam mesmo após mudar a linha do tempo? Perguntas, sem respostas. Decidi caminhar para casa observando ao redor, alguma coisa mudou, mas o que diabos? Abri a porta e vi alguns quadros e prêmios que nunca existiam ali, prêmio de melhor matemático, medalha de olimpíada de física, prêmio de melhor compositor, troféu de campeão de culinária nacional, em geral, muitas coisas, o mais engraçado era que nada foi pra mim (sou um inútil mesmo). Ainda estava bem cedo, por volta das 9 horas da manhã, comecei a procurar pela máquina ou alguma resposta que podia estar em casa.

Quanto mais eu procurava, mais coisas anormais eu achava, agora eram peças estranhas, um minuto depois foi chips e hds separados por códigos. Só podia ser isso que mudou!

— Vincent o que você tá mexendo ai?
— Eh… Oi? Ah Marie! V-Você não estava estudando?
— Eu só vou a tarde, ainda é de manhã, o que você ta procurando nas coisas do Jonathan?
— Eh… Bem… Tinha um HD com vídeos de quando eu criança em algum lugar por aqui…
— São vídeos de coisas pervertidas não é mesmo?
— Nina nina não! Só não sei aonde foi parar hehehe.
— Se você diz… Sobrou um pouco do café da manhã, se quiser ta lá na cozinha, preciso sair para comprar umas coisas. E viu, o Jonathan proibiu expressamente que mexesse nesse lugar, se ele te pegar vai querer te matar.
— Ah é verdade! Me esqueci disso! Talvez eu deixei em alguma gaveta por ai… De toda forma até mais Marie!

Não que eu ache ela ruim, mas como algo aconteceu e preciso saber o que, contar a verdade está fora de cogitação. Mesmo se tentasse, ela não iria acreditar. Fingi estar mexendo em outro lugar e esperei ela ir embora, peguei um HD que tava por ali e conectei no meu PC. Estava em alemão e por sinal, pedia uma senha ou sei-la o que (também faltava nas aulas de línguas na escola). Se eu fosse o Jonathan, o que botaria de senha? Tentei Máquina do Tempo, I.C.R.I.V.E.L, Sou o melhor, Jonathan Gostosão, Jonathan Fodão e nada. Estava ficando tarde, resolvi guardar novamente esse HD e tentar outra hora. Isso estava me atiçando, o que diabos estaria guardado ali? Ele nunca tinha isso, então, por que agora?

— Chegou cedo em casa Vincent.
— Você também! Eh… Qual seu nome mesmo?
— Lucas.
— Ah sim, desculpa, minha cabeça tava em vários outros lugares, hehehe.
— Na verdade sempre está.
— Sim, é bom ser criativo não?
— Haha, claro, porque não trabalha comigo e o Jonathan? Uma ajudinha a mais sempre é bem vinda.
— Não sei, tenho umas coisinhas pra fazer, mas, onde e sobre o que vocês fazem mesmo?
— Ué? Não lembra? Você foi semana passada no laboratório.
— Laboratório?
— É… vocês tem um próprio laboratório. Você ta bem?
— To sim! Posso ir lá ver?
— Eh… Claro, só seguir a Avenida principal, virar a direita e seguir duas quadras, logo verá um prédio grande de vidro, é lá.
— Beleza! Falow Lucas.
Sai da forma que me estava, pra que se arrumar? E o Nós não tinhamos isso antes, o que diabos está acontecendo? Quem é esse Lucas e sobre o que eles estão fazendo? São coisas, que não conheço.
— Boa tarde! Quero falar com o Jonathan.
— Ah, oi Vincent! Ele está um ocupado, não sei se poderá te receber agora.
— Não se preocupe, eu espero qualquer coisa, posso entrar?
— Claro! Você é um dos donos daqui!
— Eu sou?
— Sim.
— Ah? Hehehe, eu brinco para ver se meus funcionários sabem…
— Que brincadeira de mau gosto em?
— S-Sim, até mais.

Ok, agora eu faço parte desse imenso lugar, tenho funcionários, uma recepcionista e posso fazer o que quero? Meu deus, o que está acontecendo aqui.

— Vincent? Que raro ver você por aqui!
— Adriana? O que tá fazendo?
— Bem, eu trabalho aqui, esse setor é meu.
— E sobre o que você anda trabalhando?
— Matemática nos seres vivos, venha vou te explicar enquanto mostro.

De fora eu não esperava que fosse tão grande, mas o lugar é gigantesco. Só o setor dela tinha MUITAS coisas.

— Enfim Vincent, como já sabe existe a matemática em tudo, mas, e se conseguíssemos manipular ela? Se dentro de uma célula nós alterássemos para que fosse mais forte ou um órgão conseguisse se autorregenerar em meses ou dias? É isso no que eu trabalho, apesar de que você já sabe.
— É sempre bom dar uma revisada não? E o que você faz é sensacional, espero que de tudo certo, mas viu, e o Jonathan, como está à parte dele?
— Não tenho tanto contato com o setor, mas pelo que sei é algo relacionado a condições climáticas.
— Condições climáticas? Desde quando ele ta nisso? Obrigado pela explicação Adriana, vou dar um pulinho lá. Pra que lado eu vou mesmo?
— Subsolo 4, ele deve estar por lá.
— Subsolo? Eh… Ta.

Esse lugar é IMENSO (gosto de enfatizar isso), logo que cheguei vi o Jonathan numa sala fechada, bati na porta e acenei pra ele, logo veio em minha direção.

— Desde quando você trabalha em condições climáticas.
— Faz um tempo, não se lembra?
— Eh… Não. Pra que você quer mexer nisso?
— Bem, se conseguíssemos fazer com que um lugar tenha condição para sempre produzir um produto, então, teríamos matéria prima infinita. O que terá depois disso será melhor ainda.
— Entendo, que sentimento nobre. E sobre alterar o tempo?
— Tempo?
— É, o tempo, linhas de tempos e essas coisas.
— Vincent, apesar de eu dar uma ajuda essa parte é com você.
— Ah é? Não sabe de nada mesmo?
— O máximo que eu sei é o que você vem me contar, quem está fazendo isso é você, esqueceu?
— Eu? Onde eu trabalho então?
— Andar 6. Está louco por acaso?
— Não, obrigado, até mais.

Essa parte é minha? Por que eu não me lembro de nada? Desde quando tudo isso acontece? Preciso de respostas.

— Boa tarde Vincent, deseja recomeçar do ponto de partida de ontem?
— Quem falou isso?
— Sou a sua I.A, conhecida como Sonorc, todos os registros de seus experimentos estão guardados em meu banco de dados, apenas os donos tem acesso tudo.
— Entendi, então… Eh… Mostre-me registros importantes.
Em uma mesa branca a minha frente, criou-se uma espécie de tela e começou a passar um vídeo (Isso é novo para mim). Quem dizia e mostrava sobre ele, era eu mesmo.
— Dia 632, o experimento da maçã foi um sucesso! Um brinde a minha conquista! Ela foi mudada! Eu consegui fazer uma maça podre voltar a ser nova! Olhe só, perfeita para consumo. Agora seguirei com os testes mais aprofundados.
— Dia 697, o experimento da cobra foi um sucesso! Foi possível retornar uma cobra adulta para sua fase de crescimento, as teorias do Jonathan estavam certas.
— Dia 862, o experimento foi um fracasso. Sinto lhe informar, mas eu falhei com vocês, tem algo que não pode ser mudado, somos nós. Não temos força o suficiente para isso, não aguentamos e simplesmente, sumimos. O porquê eu não sei, apenas observei que o corpo não está adaptado a passar nessa condição. Deixarei ideias, teorias, práticas, enfim, tudo sobre a situação estará guardada junto com os arquivos do Jonathan, pessoa que, fora essencial para chegar a tal ponto. E…
— Por que travou Sonorc? Cade o resto?
— Meu senhor, não possui registros após isso.
— O último foi há quanto tempo?
— 21 dias atrás.
— Ok, obrigado.

Arquivos do Jonathan? Só pode ser aqueles HD… Não vou conseguir abrir aquilo agora, com toda certeza tem alguém em casa, vou ter que esperar. Fui retornando para casa, com muitas dúvidas, sendo duas maiores. O que está acontecendo? Por que eu não me lembro?

— Vincent você comeu quase nada, ta tudo bem?
— Si-Sim Marie, só estou pensativo.
— É algo que posso ajudar?
— Não, sinceramente, é algo que tenho que resolver sozinho, mas obrigado pela ajuda.
— Magina, qualquer coisa tamo ai.

Deitei-me e resolvi esperar uma oportunidade para amanhã. Não me segurei, e de madrugada mesmo sendo cagão, fui na furtiva e peguei qualquer HD no armário, voltei no cagaço para o meu quarto e conectei junto ao meu PC. Ainda faltava a senha.

— Que merda de senha é essa? O que ele poderia por? Maior cientista do mundo? Sonorc? Cientista? Vincent? Maçã? Nada funcionou..
.
Comecei a desanimar, nada que eu pensava era a senha, mesmo eu sendo tão criativo para tal. Foi quando eu coloquei Condições climáticas, e advinha! Não foi. Me senti um inútil, completo inútil.

Lembrei-me daquele PC, Sonorc, mesmo não indo tentei novamente, deu senha inválida, fiquei olhando para aquela tela por algum tempo e foi quando percebi uma coisa, invertendo Sonorc era Cronos. Acertei em cheio.

— Dia 1. Meu nome é Vincent e eu sou o maior cientista do mundo! Nesse dia irei demonstrar como plantar uma bananeira.

Bem, com toda certeza era eu…

— Dia 7. Continuando o experimento da criação da máquina do tempo, mesmo tendo muitas variáveis com a ajuda do Jonathan eu…
— Dia 56. Com informações que eu não sei da onde o Jonathan conseguiu, foi possível construir o meu sonho…
— Dia 126. O primeiro teste foi um sucesso! Enviamos uma mensagem com o número da loteria e ganhamos! Graças a isso vamos construir um laboratório e…
— Dia 231. Começamos a separar setores, Jonathan, Adriana e eu vamos trabalhar em diferentes áreas…
— Não tenho tempo de ver tudo, preciso pular… Dia 862… Aqui!
— Dia 862 o experimento foi um fracasso…
— Argh! Tontura? Não… Agora Não!

Não conseguia mais ficar sentado, cai direto no chão com essa tontura inigualável, comecei a apagar novamente. Mas, consegui ouvir uma última frase.

— Experimento em humanos foi um fracasso.