Morre Toni Morrison, primeira escritora negra a receber o Nobel de Literatura

A Primeira Mulher negra a ganhar o premio Nobel de Literatura

Toni Morrison, a primeira escritora negra a receber o Nobel de Literatura em 1993 faleceu ontem no EUA aos 88 anos.

Apesar de sua morte representar uma tremenda perda, estamos gratos por ela ter tido uma vida longa e bem vivida“, afirmou a família em comunicado.

Nascida Chloe Ardelia Wofford estreou na literatura em 1970 com O Olho Mais Azul, onde já chegou abordando conceitos de beleza e da voz feminina negra, na triste estoria da frágil Pecola, que sonha em ter olhos azuis para ser mais aceita pelas pessoas.

Em 1973 , seu segundo romance Sula foi indicado ao National Book Award e em 1977, seu terceiro livro Songs of Solomon venceu o National Book Critics Circle Award.

Mas seu maior sucesso veio em 1987, com Amada (Beloved) , o primeiro livro de uma trilogia  seguida de Jazz (1992) e Paraiso (1999).  Com Amada, Toni Morrison ganhou o premio Pulitzer, além de uma versão cinematográfica protagonizada por Ophra Winfrey, que sempre foi sua fã declarada.

Mas o grande prêmio de sua vida veio em 1993, quando foi agraciada com o Premio Nobel de Literatura. De acordo com a Academia Sueca, responsável pelo prêmio, Toni Morrison recebia aquele premio devido a  “romances caracterizados pela força visionária e importância poética” onde dava “vida a um aspecto essencial da realidade americana”.

No Brasil Toni Morrison é editada pela Cia das Letras, que já lançou por aqui os seguintes livros:

1 – Paraíso (1998)

2 – O olho mais azul (2003)

3 – Amor (2005)

4 – Amada (2007)

5 – Quem leva a melhor? (infantil, em coautoria com Slade Morrison) (2008)

6 – Jazz (2009)

7 – Compaixão (2009)

8 – Voltar para casa (2016)

9 – Deus ajude essa criança (2018)

A morte de Toni Morrison teve repercussão internacional, recebendo mensagens até de Bill Clinton e Barack Obama, que colocou o seguinte post em seu twitter:

Toni Morrison era um tesouro nacional, boa como contadora de história e cativante pessoalmente do mesmo jeito que em suas páginas. Sua escrita foi um belo e significativo desafio à nossa consciência e à nossa imaginação mortal. Que presente respirar o mesmo ar que ela, mesmo que apenas por um tempo.

Toni Morrison was a national treasure, as good a storyteller, as captivating, in person as she was on the page. Her writing was a beautiful, meaningful challenge to our conscience and our moral imagination. What a gift to breathe the same air as her, if only for a while. pic.twitter.com/JG7Jgu4p9t, — August 6, 2019

Dependemos do apoio de leitores como você para ajudar a manter nossa redação sem fins lucrativos forte e independente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here