12 Livros para Celebrar o Dia Nacional da Consciência Negra

Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, ou por sua origem, ou sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se elas aprendem a odiar, podem ser ensinadas a amar, pois o amor chega mais naturalmente ao coração humano do que o seu oposto. A bondade humana é uma chama que pode ser oculta, jamais extinta. - Nelson Mandela

Dia 20 de Novembro é o dia da morte de Zumbi dos Palmares, e desde 1971, com a fundação do Grupo Palmares, passou a ser o Dia Nacional da Consciência Negra com o objetivo de comemorar a tomada de consciência da comunidade negra sobre seu valor e sua contribuição ao país.

Em 2003 esta data foi incluída no calendário escolar nacional, e em 2011, através da Lei  12.519 passou a ser considerado feriado em diversas localidades do país.

Em muitos estados brasileiros, hoje não é feriado, mas é sempre bom refletir sobre o assunto e tomar consciência sobre a discriminação e o racismo. Não só no Brasil mas em todo o mundo. Por esse motivo e tantos outros, o Mundo Hype traz hoje uma seleção de histórias que tratam desse tema. Livros são ótimas ferramentas para refletir sobre as discussões desta data. Acreditamos sempre que cultura e conhecimento são portas para a solução de problemas e a busca de um mundo mais justo.

A maioria dos livros fala sobre o passado, sobre as muitas batalhas diárias que vários povos enfrentaram para conseguir sua liberdade. Ficções, relatos, biografias, separamos uma seleção de livros internacionais que vão ajudar você leitor, não apenas a entender a questão do racismo, mas também a tornar esse mundo melhor e mais justo.

Uma lista elabora por Cadorno TelesHelder Gatti e Leonardo Gois.


12
O ÓDIO QUE VOCÊ SEMEIA | ANGIE THOMAS

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPELivro extremamente atual, conta a estória de Starr, uma menina negra que testemunha o assassinato sem motivos de um amigo negro por um policial. O livro discute o preconceito de diversas maneiras: A policia que não tem interesse em descobrir o que aconteceu. Starr pensando se vale a pena se expor e lutar contra este sistema. O preconceito reverso dos negros com os brancos, como o pai que não aceita que Starr namore um branco.

A vida dupla de Starr, pois na comunidade age como uma negra, mas estuda numa escola de brancos classe alta que a obriga a se moldar ao ambiente onde se encontra. Os negros traficantes X negros bem sucedidos.  O livro é uma sucessão de tapas na cara e nos mostra que não temos a mínima noção do que é ser negro nos EUA na atualidade. Leitura extremamente impactante e necessária. Foi transformada em filme com previsão de estreia para 08/12/2018. | Editora Record

Clique aqui e leia o review completo


11
O MUNDO CONHECIDO | EDWARD P. JONES

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPEEleito como o segundo melhor livro escrito do século XXI, o livro é uma ficção que narra a história de Henry Townsend, um fazendeiro negro, sapateiro e ex-escravo, apaixonado pela obra Paraíso Perdido e tem um mentor pouco provável: William Robbins, um dos homens mais poderosos do Sul dos Estados Unidos de antes da Guerra Civil.

Por meio de uma linguagem que integra e funde o presente, o passado e o futuro, o autor constrói uma narrativa de saltos temporais, um parágrafo ao ser narrado no presente, pode dar um salto de cinquenta anos no futuro ou retroceder mais ainda. Uma linha temporal elástica, sem capítulos, numa não-linearidade surpreendente, despindo seus personagens psicologicamente amargurante, trazendo uma lembrança terrível sobre a escravidão e o clima de antes da Guerra Civil Americana.

 


10
TEMPOS EXTREMOS | MIRIAM LEITÃO

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPEEste foi o primeiro romance escrito pela famosa jornalista Miriam Leitão. Ela criou uma personagem que amarra duas partes da história brasileira que nos trazem muita vergonha. De um lado ela conta sobre a época da ditadura e de outro fala do período pós-escravidão no Brasil. Na escola aprendemos que a Lei Áurea foi algo lindo, libertando os negros. Mas como eles podiam viver livres se não tinham a mínima condição de subsistência? Nesta parte do livro conhecemos uma família cujo pai nasceu livre e busca algo assim para seus filhos. Mas como se livrar da escravidão? Com a força bruta, arriscando sua vida em uma fuga com poucas chances de sobrevivência ou usando de inteligência e conquistando sua liberdade junto ao homem branco.

Difícil imaginar a crueldade de vidas destruídas neste período. Pessoas tratadas como mercadorias sem ter direito nem a sonhar. O livro tem cenas lindas. Miriam Leitão escreve muito bem. Impossível não se emocionar com Paulina altiva tocando piano com seu belo vestido cheio de sangue. Vale a pena conhecer. | Editora Intrínseca 


9
A RESPOSTA | KATHRYN STOCKETT

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPEEste livro não é perfeito, mas conta uma estória interessante. A narradora principal é a Srta Skeeter, uma mulher branca de 22 anos que vive no Mississipi na década de 60. Seu sonho é ser escritora, e ela acaba encontrando sua estória na vida das empregadas domesticas de sua casa e das conhecidas de suas amigas. Uma delas é Aibileen, que já está criando sua 17ª criança branca, mas isso não lhe dá direito a usar o mesmo banheiro que sua patroa.  A outra é Minny, que vive sendo mandada embora por não levar desaforo para casa.

Essa mulheres se unem no projeto clandestino que é o livro da Srta Skeeter. Mas para que haja um livro, é preciso haver diversos depoimentos, e para isso eles convocam outras empregadas que passam a contar para Skeeter como é a vida delas servindo as patroas brancas. Existem estórias tristes e outra muito engraçadas. Um livro muito agradável para se ler e que virou filme em 2012, chamado Vidas Cruzadas no Brasil e que rendeu o Oscar de atriz coadjuvante para Octavia Spencer como a engraçada Minny. | Editora Bertrand Brasil


8
DOZE ANOS DE ESCRAVIDÃO | SOLOMON NORTHUP

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPE

A Edição apresentada pela primeira vez em 1853 traz a história real de Salomon Northup, que foi um homem livre e que vivia com sua família em Nova York. Seduzido por uma promessa de ganhar um pouco mais de dinheiro, Solomon era um exímio musico, seguiu em uma viagem que se arrependeria pelo resto de sua vida. Confiou em homens que não deveria, tiraram seus documentos e pela cor de sua pele Salomon foi declarado escravo e comercializado facilmente no mercado como um homem que nunca havia conhecido a liberdade.

Apesar de passar por várias situações humilhantes para um ser humano, ser açoitado por nada, passar fome, ser ameaçado, enforcado e espancado várias e várias vezes, Solomon nunca perdeu a esperança de que um dia voltaria pra casa, mesmo o destino se mostrando potencialmente desfavorável. Ele foi um corpo em frangalhos e um espírito inquebrável, sua fé inabalável o ajudou a seguir em frente mesmo sem um pingo de evidências de um futuro melhor. Por mais que o próprio titulo já sugira o desenrolar da história, essa é uma narrativa que impacta o leitor pelos detalhe, narrativa sofrida e fatos inimagináveis.

Por se tratar de um clássico internacional, a história de Solomon foi adaptada para os cinemas em 2013. O Longa reuniu um elenco de peso, como Chiwetel Ejiofor, Lupita Nyong’o, Michael Fassbender, Brad Pitt, Benedict Cumberbatch, entre outros. Foi indicado a 9 Oscar’s e levou pra casa 3, incluindo o de melhor filme. | Editora Penguin

Clique aqui e leia o review completo.


7
O SOL É PARA TODOS | HARPER LEE

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPE

Concebido em 1960 pela escritora Harper Lee, o livro apresenta uma história narrada pela pequena e ainda criança Louise Finch. A trama se passa na pequena vila de Maycomb (Fictícia), ao sul dos EUA em meados de 1930, onde a segregação racial era inerente a época. Filhos do advogado Atticus Finch, pai solteiro, que com ajuda de sua governanta Calpurnia (uma mulher negra), cria ambos da melhor forma possível. Tido como um dos homens mais corretos da pequena Maycomb, Atticus é convidado a defender perante o tribunal Tom Robinson, um homem negro que é acusado de ter estuprado uma mulher branca da região.

Por ser um advogado que enxerga valor naquilo faz, Atticus não recusa o convite e decide defender Robinson da acusação, diante de uma cidade totalmente racista e preconceituosa. O livro é um show de situações que trazem a reflexão contemporânea. Como uma obra escrita há mais de 58 anos pode ter um tema tão atual? O preconceito social, o racismo, os valores deturbados sobre a família tradicional, as injustiças do dia a dia. Tudo apresentado de uma forma muito orgânica e gradual.

Ganhadora do Premio Pulitzer em 1961 por Melhor Ficção a obra foi adaptada para o cinema em 1962. Já no ano seguinte To Kill a Mockingbird ganhou 3 Oscar’sMelhor Ator (para Gregory Peck interpretando o advogado Atticus Finch), melhor roteiro adaptado e melhor direção de arte: Preto e Branco. | Editora José Olympio

Clique aqui e leia o review completo


6
EU SEI POR QUE O PÁSSARO CANTA NA GAIOLA | MAYA ANGELOU

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPE

Essa edição traz um pouco da vida da pequena Marguerite Ann Johnson (Maya Angelou). Não foi nada fácil, criada parcialmente por sua avó na década de 30, na pequena Stamps – Arkansas EUA, um lugar cheio de ódio, preconceito e racismo. Maya e seu irmão Bailey Johnson passaram por situações difíceis ao longo de suas histórias, problemas familiares, raciais e sociais. Houveram momentos tristes que trouxeram a reflexão:

Quem sou e por que sou tão odiado, será somente por causa da cor da minha pele? 

Ao passar dos anos, Maya viveu um turbilhão de acontecimentos felizes e tristes, edificantes e traumatizantes. Talvez por tanta dificuldade na primeira infância, Maya desenvolveu censo critico e empoderamento muito cedo, em um tempo que poucas pessoas ousariam qualquer coisa que questionasse os paradigmas da sociedade.

Uma obra autobiográfica que olhando de uma forma rápida, não apresenta todo impacto que merece, mas basta uma reflexão um pouco mais detalhada, e achamos palavras que marcam nossas memorias. A história é basicamente carregada de momentos de fluir lágrimas e prender a respiração. Diálogos inimagináveis, discursos de ódio e repreensão a todo momento, mais uma obra que prova que problemas de mais de meio século atrás ainda se apresenta como algo tão contemporâneo. | Editora Astral Cultural

Clique aqui e leia o review completo


5
KINDRED: LAÇOS DE SANGUE | OCTAVIA E. BUTLER

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPE

Octavia E. Butler é de uma imaginação e originalidade que pouquíssimos autores conseguem. Misturando entre dados históricos e ficção cientifica, Kindred: Laços de Sangue apresenta a história de Dana, uma mulher negra, que ao se mudar junto ao namorado para um novo apartamento sofre uma repentina crise. Nesse súbito desmaio Dana acorda no século XIX numa Maryland pré-Guerra Civil, próximo a um lago, onde uma criança está se afogando. Após salvar a criança, Dana é tratada pelos pais do pequeno de uma forma ríspida, grosseira, e não entende o que está acontecendo. Pouco tempo depois, Dana volta a ter uma pequena crise e desperta em seu apartamento junto a seu namorado. Os pulos temporais são constantes levando Dana para uma época em que ser negro é sinônimo de escravidão e subserviência. Agora Dana tenta conciliar seus problemas no mundo originário e também nesse vórtisse que vez em outra a sequestra para outro tempo.

A escritora traz ao leitor muitos e muitos elementos que nos fazem refletir. Esse ambiente hostil e estranho para Dana, faz não só com que a personagem principal aprenda como foi a época, mas também mostra ao leitor, como era inconcebível a ideia de escravizar qualquer pessoal, e mesmo assim, essa monstruosidade perdurou por séculos. Um show de referências históricas, suspense e realismo mágico como diz o saudoso escritor Gabriel García Márquez. | Editora Morro Branco

Clique aqui e ouça nosso podcast sobre o livro.


4
A COR PÚRPURA | ALICE WALKER

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPEA Cor Púrpura, livro escrito por Alice Walker, famosa ativista americana em 1982, ganhou o premio Pulitzer no ano seguinte de sua edição e foi adaptado para o cinema por Steven Spielberg em 1985. Concorrendo a 11 Oscars sem ganhar nenhum, o que na época gerou grande polêmica, pois o filme foi considerado por muitos críticos como o melhor do ano. O livro narra a estória de mulheres negras no inicio do século XX nos EUA. A escravidão já terminara há alguns anos, mas o esquema patriarcal das famílias era a regra mandatória.

O livro é permeado por casos de discriminação racial, mas o pior vem de dentro das próprias famílias. Violência domestica era incentivado e ensinado para os homens da casa. Cellie, a narradora do livro, sofre as consequências por ser negra e mulher. Aos 14 anos ela passa a ser abusada pelo pai, e chega a dar a luz a duas crianças. Como já existem outras crianças na casa, as dela são dadas para adoção. Com o tempo ela se torna infértil, e acaba sendo vendida no lugar da irmã mais nova para o Senhor, um homem mais velho, negro também, que ficou viúvo e precisava de alguém para cuidar da sua casa e de seus filhos.

Ele trata Cellie quase como uma escrava, e ela acha tudo aquilo normal, pois coloca-se num papel de submissão, onde aceita calada qualquer coisa. Seu objetivo é simplesmente servir. Isso muda quando ela conhece Shug Avery, antiga amante de seu marido, uma negra avançada que canta que sofre preconceito por cantar em boates, e que lhe mostra que a mulher pode sim ter voz.  Em paralelo a isso, Cellie troca cartas com sua irmã Nettie. Ambas foram separadas após o “casamento” de Cellie. Nettie, sua irmã, fora embora da casa do pai e se tornara missionaria na África, passando a morar em uma tribo.

Através de suas cartas vamos percebendo a luta de um povo para manter suas tradições. A tribo vive isolada até a chegada da estrada pelo homem branco.  As mudanças trazidas pelo progresso tem um grande efeito sobre a tribo e suas tradições.  O tempo todo Nettie busca ali suas raízes e tenta entender porque o povo africano aceitou vender seus iguais para serem escravos em outros países.  A estória de vida destas mulheres nos traz um livro emocionante, que discute racismo, religião, feminismo e muito outros pontos que não devem nunca ser esquecidos. | Editora José Olympio

Clique aqui e leia o review completo


3
UM DEFEITO DE COR | ANA MARIA GONÇALVES

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPEA Edição de Um Defeito de Cor, traz mais de novecentas páginas escritas sabiamente por Ana Maria Gonçalvez e que superam e muito as expectativas. Buscam através da História do Brasil, narrar a vida de Kehinde. De sua infância no antigo reino de Daomé, (hoje Benin, na África) indo a sua vinda ao Brasil como escrava, seu retorno ao continente africano e sua volta derradeira ao Brasil, próxima de morrer.

O título refere-se ao decreto da época que impediam os negros de assumirem empregos públicos. A deixa cria também um discurso sobre o ponto de vista de uma criança submetida a atos violentos tanto na Africa, quanto no Brasil; de uma escrava fugida que se levanta contra a ordem europeia; de uma mulher amante/mãe, jogada nas ruas que se torna empreendedora, galgando com sua visão comercial sua liberdade. Uma ficção histórica que liga Luiz Gama a Kehinde e desenvolve um olhar às experiências históricas e cotidianas dos afrodescendentes do país por meio de nossos costumes e mutações sociais. | Editora Record

 


2
CUMBE | MARCELO D’SALETE

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPESim sim, a lista se trata de alguns livros, mas não podemos concluir as indicações sem apresentar os quadrinhos de Marcelo D’Salete. Um dos maiores pesquisadores e escritores contemporâneos sobre o assunto.

A Edição nos apresenta o drama dos escravos brasileiros, onde a liberdade era o único e exclusivo objetivo. Dotada de uma mitologia própria, os escravos acreditavam em seus salvadores, seus próprios mitos e verdades, A edição nos apresenta 4 arcos, onde a morte, a liberdade e os sentimentos estão intrinsecamente ligados. Sem condições de serem livres, vivem do jeito que conseguem, mantendo a esperança e acreditando que no futuro tudo será melhor, mesmo tudo se provando o contrário. Através de uma narrativa gráfica forte e uma construção de páginas com poucos diálogos, Marcelo deixa o leitor entender por sí só um cenário dramático e hostil. Por consequência, a falta de diálogo é justamente o que mais representa o silêncio velado de uma época, o negros pouco tinham voz, pouco tinham vez.

O autor proporciona um olhar diferente de fatos que todos sabem, mas com pequenas estórias que poucos conhecem. Dia a dia, os pequenos relacionamentos e principalmente a maldade dos brancos contra os escravos e tudo que os infortunados tiveram que abrir mão em nome de uma liberdade utópica. | Editora Veneta

Clique aqui e leia o review completo


1
ANGOLA JANGA | MARCELO D’SALETE

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA - MUNDO HYPE

Para finalizar com a cereja do bolo, temos a digna obra de Marcelo D’Salete que levou incríveis 11 anos pesquisando, conhecendo e montando esse mosaico de fatos e registros do que foi a escravidão brasileira no século XVII.

Nesea gigantesco quadrinho rebuscado, Marcelo nos conta a história da resistência dos negros de Palmares, contra um governo pernambucano (a coroa de Portugal) contra os escravos. Governo esse que sustentava a todo custo o regime de escravidão da época e seu maior objetivo era acabar com o Quilombo dos Palmares e os negros que compunham essa resistência. Dentre eles o icônico Zumbi dos Palmares e outros grandes e importantes personagens como Soares e Ganga Zumba. 

Palmares era muito mais que um simples lugar, o quilombo abrigava mais de 20 mil pessoas que haviam fugido da escravidão de outras propriedades, por esse motivo o lugar foi conhecido como “Angola Janga” ou ”Pequena Angola” seus componentes eram pessoas fortes, de um espiritualismo enorme e principalmente sobreviventes que foram arrancados de seus países de origem para viver essa época nada orgulhosa do nosso Brasil. O dia 20 de Novembro é o feriado do Dia Nacional da Consciência Negra, ou popularmente conhecida como dia de Zumbi dos Palmares. Tudo que o personagem representa, tudo que o momento histórico representou e influenciou diretamente os dias atuais, após essa leitura, deixa tudo muito mais claro. | Editora Veneta

Clique aqui e leia o review completo


Esperamos que tenha entendido a mensagem sobre as atrocidades que foram os séculos e séculos de escravidão e com isso passe buscar você também, não apenas igualdade a todos, mas também um mundo mais justo e menos intolerante.

Gostou de nossas indicações?

Claro que há N obras a sugestionar, mas esperamos que tenha anotado. Compartilhe com seus amigos nas redes sociais e faça ótimas leituras.

O Mundo Hype agradece mais uma vez sua visita!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você não está conectado à internet