Editora 34 lança primeira antologia de Manuel António Pina publicada no Brasil

Poeta, cronista, dramaturgo e autor de livros infantis, Manuel António Pina é um dos maiores nomes da poesia portuguesa contemporânea.

O português Manuel António Pina (1943-2012) viveu e morreu na cidade do Porto; foi poeta, cronista, dramaturgo e autor de livros infantis. É um dos maiores nomes da poesia portuguesa contemporânea, tendo recebido em 2011, pelo conjunto de sua obra, o Prêmio Camões, principal condecoração literária em nossa língua.

Organizado por Leonardo Gandolfi — poeta e professor de literatura portuguesa na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), responsável também pelo posfácio e pela seleta de entrevistas que integram o volume — O coração pronto para o roubo é a primeira coletânea poética do autor publicada no Brasil e reúne mais de oitenta poemas de todos os seus livros.

A editora 34 traz essa obra, reflexiva, múltipla, irônica porém nostálgica de um olhar infantil; desencantada mas ainda em busca de algum sentido ou de uma mínima razão; e, enfim, sempre precavida contra a falácia do “Eu”, pois sabe que “É sempre Outro quem escreve” e que “a literatura é uma arte de ladrões que roubam a ladrões”, a poesia de Manuel António Pina ao mesmo tempo inquieta e consola, em sua busca incessante por “um sítio onde pousar a cabeça”: “Porque é de noite e estamos ambos sós, leitura e escritura, criador e criatura, na mesma inumerável voz.”

Sobre o autor: Manuel António Pina nasceu no dia 18 de novembro de 1943, em Sabugal, cidade pertencente à região da Beira Alta, Portugal. Formou-se em Direito pela Universidade de Coimbra, foi advogado, jornalista, poeta e escritor.

Publicou 17 livros de poesia, de Ainda não é o fim nem o princípio do mundo calma é apenas um pouco tarde (1974); até  Todas as palavras: poesia reunida (2012); a novela Os papéis de K(2003) e três volumes de crônicas, O anacronista (1994), Porto, modo de dizer (2002) e Por outras palavras & mais crónicas de jornal (2010). Além de peças de teatro, livros infantis e um ensaio sobre o filme de Manoel de Oliveira, Aniki-Bobó (2012).

Em 2011, recebeu o Prêmio Camões. Na ocasião, o júri destacou “a originalidade e diversidade do conjunto da obra premi ada, na qual a poesia, a crônica, a ficção e o texto dramático se articulam num processo coerente”. Faleceu em 2012, na cidade do Porto.

Sobre o organizador: Leonardo Gandolfi nasceu no Rio de Janeiro em 1981 e atualmente vive em São Paulo, onde é professor de literatura portuguesa na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Como poeta, é autor dos livros: No entanto d’água (2006), A morte de Tony Bennett (2010) e Escala Richter (2015).

Dependemos do apoio de leitores como você para ajudar a manter nossa redação sem fins lucrativos forte e independente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here