Hoje, dia 03 de outubro, o diretor franco-canadense Dennis Villeneuve completa 50 anos de idade e deixamos aqui uma pequena homenagem para esse fantástico diretor, uma modesta lista dos seus principais trabalhos para conhecer melhor o diretor responsável pela sequência do icônico Blade Runner que está chegando nos cinemas essa semana, dia 06 de outubro.

Villeneuve possui um senso de profundidade impressionante, nenhum dos seus personagens está lá simplesmente por estar, para preencher buracos, todos tem um background, uma função na narrativa cuidadosa e envolvente, característica do diretor em todos os seus filmes, seus personagens são densos, complexos que nos prendem e nos identificamos com eles, em cada um dos seus trabalhos.

Os filmes não estão ranqueados, estão apenas em ordem de lançamento, do mais antigo para o mais recente.

1 – Incêndios (Incendies – 2010)

Primeiro filme de Villeneuve indicado ao Oscar, o filme entrou na disputa de melhor filme estrangeiro de 2010, mesmo não tendo levado o prêmio, o filme é uma jóia na cinebiografia do diretor. Na história, após o falecimento de sua mãe os gêmeos Jeanne (Mélissa Désormeaux-Poulin) e Simon (Maxim Gaudette) recebem um testamento em que devem procurar seu pai, e um suposto irmão que nem sabiam que existia, para lhes entregarem duas cartas, uma para cada um, Jeanne parte em uma frenética busca por toda Palestina, uma jornada que muda completamente o que ela pensava de sua mãe. Incêndios não tem uma narrativa convencional, mas os cortes de tempo, hora apresentando a mãe mais jovem, hora apresentando a busca de Jeanne acontece tão naturalmente que o momento da revelação é chocante para todos. Um grande filme de um grande diretor.

 

2 – Os Supeitos (Prisoners – 2013)

Do mesmo modo que Incêndios, Os Suspeitos nos transmite uma sensação de claustrofobia e perigo durante todo o longa, aquele sentimento de que algo muito errado irá acontecer ou já aconteceu e iremos nos chocar ao descobrir. Hugh Jackman é Keller Drover que está passando por uma das piores situações imagináveis, sua filha de seis anos, Anna, desapareceu junto com sua amiga Joy. Os esforços do detetive Loki, vivido por Jake Gyllenhall em uma atuação fenomenal cheio de manias e tiques, parece que são inúteis e não chegam a lugar nenhum. Os coadjuvantes de peso ainda contam com Terrence Howard e Viola Davis como os amigos de Keller, e graças à esse elenco estrelado temos interpretações inspiradas em quase todos os momentos do filme. Angustiante na medida certa, com a atuação atormentada de Hugh Jackman merece ser conferido sem pressa e atento à todos os detalhes o tempo todo.

 

3 – O Homem Duplicado (Enemy – 2013)

O aprofundamento psicológico nos filmes de Dennis Villeneuve é notável em todos os seus trabalhos, em o Homem Duplicado, adaptado do livro de José Sramago, temos a história de Adam, novamente Jake Gyllenhall em uma atuação impressionante, na verdade duas, pois seu personagem, um professor de história descobre que existe um ator famoso, Anthony, idêntico á ele, porém com certas características completamente diferentes, desde o modo de falar até a expressão corporal e o modo de pensar. Toda narrativa do filme é complicada, para ser apreciado com atenção, o que gerou algumas críticas abaixo da média para um trabalho do diretor, não que seja um filme ruim, longe disso, é apenas um filme com diferentes pontos de vista para se interpretar e claro nos fazer pensar. Merece ser visto, com certeza.

 

4 – Sicario: Terra de Ninguém (Sicario – 2015)

Mostrando versatilidade na escolha de seus trabalhos, chegamos em Sicario: Terra de Ninguém, mesmo que as características do diretor estejam lá à todo instante, neste longa temos um filme, digamos mais “acessível” do que os anteriores, com a temática do combate ao tráfico de drogas. Mais uma vez contando com um respeitável elenco, Emily Blunt, Benicio del Toro, Josh Brolin e Jon Bernthal fazendo um trabalho extremamente competente, o foco aqui não é somente o combate às drogas em si, mas quais são as consequências e os efeitos para os agentes que estão na operação, físicos e psicológicos, principalmente na personagem de Emily Blunt, Kate. Toda a perseguição em algum momento demonstra que algo está errado, escondido, uma narrativa tensa, com momentos verdadeiramente sufocantes, Dennis Villeneuve mostra que sabe como fazer um filme de “ação”, nos moldes dele claro.

 

5 – A Chegada (Arrival – 2016)

Um dos melhores filmes de 2016 com certeza foi A Chegada, o longa recebeu oito indicações ao Oscar, melhor filme, melhor diretor, melhor roteiro adaptado, melhor edição de som, melhor mixagem de som, melhor direção de arte, melhor fotografia e melhor edição. De todas as indicações acabou levando apenas a de melhor edição de som, mas isso não tira o mérito e a excelência alcançada aqui, na história naves extraterrestres chegam em vários pontos do mundo, após as autoridades não conseguirem contato com os seres, é chamada a Dra. Louise Banks, Amy Adams muito bem no papel, e o físico Ian Donnelly, interpretado por Jeremy Renner para tentarem desvendar o objetivo da chegada das naves na Terra. Não espere explosões e câmeras malucas à lá Michael Bay, aqui Villeneuve, se faz presente no enredo e no desenrolar marcante, e tudo se torna soturno e questionador, que nos deixa completamente boquiabertos com a revelação do mistério, um filme para se assistir várias vezes, complexo e misterioso, um dos grandes filmes de 2016 que merecia s dúvida o Oscar de melhor filme.

 

E se preparem pois está chegando Blade Runer 2049