Westworld (S02E01) | Primeiras Impressões

Cuidado! Tem spoiler no texto!

Westworld demorou dois anos. Dois anos onde os fãs teorizaram, especularam e esperaram por respostas. O primeiro episódio da segunda temporada vai ditar o ritmo dessa temporada e se as coisas seguirem nesse rumo, nenhuma resposta será o suficiente para justificar o caos instaurado por Dolores e Ford.

Dolores em conversa dramática com Teddy. (Westworld)
Dolores em conversa dramática com Teddy. (Westworld)

Nesse primeiro episódio já vemos um parque (Westworld) completamente diferente daquela maravilha tecnológica da primeira. A revolução liderada por Dolores, aparentemente completamente consciente e com um objetivo claro, ganha forma pelas mãos dela e com a autorização de Ford. Os anfitriões agora estão em um jogo perigoso – olho por olho, dente por dente –, na posição de jogadores e os visitantes (e às vezes, até anfitriões vs. anfitriões, como já acontecia no parque), como a própria Dolores diz, estão no sonho dela, são meros cordeiros completamente expostos ao desejo de controle e conquista dela. Dolores se torna uma líder com uma visão amplificada.

Arnold em conversa com a Dolores 35 anos antes. (Westworld)
Arnold em conversa com a Dolores 35 anos antes. (Westworld)

A revolta contra o status quo é o que dita o ritmo da volta de Westworld. A violência da primeira temporada é algo que essa temporada não vai abrir mão. Afinal, você consegue imaginar a rebelião das maquinas acontecendo de maneira pacifica? Tudo o que os anfitriões aprenderam com os humanos foi exatamente isso: violência pela diversão.

Dessa vez a narrativa se divide em, supostas, duas linhas temporais. Uma que começa do momento em que a última narrativa de Robert Ford começa e outra duas semanas depois, quando Bernard é encontrado na praia e precisa enfrentar todas as consequências daquilo que Ford buscou e deixou acontecer – a rebelião contra o status quo liderada por Dolores. A forma rebelde de Dolores não se atem somente ao livre arbítrio e consciência. Em um dialogo com Teddy, ela deixa claro o seu objetivo. Aquele mundo será pequeno para os planos da anfitriã. Dolores quer muito mais do que ela pode ter naquele momento.

Maeve em confronto com Sizemore. (Westworld)
Maeve em confronto com Sizemore. (Westworld)

Existem questões abertas desde a primeira temporada e uma delas é a reprogramação de Maeve. Esse primeiro episódio mostra a Maeve determinada e completamente adaptada ao convívio humano, sendo capaz, inclusive, de encenar ser humana para se livrar de um problema. A questão principal é que, assim como Dolores, ela é apenas uma parte de toda a narrativa de Ford para acabar com o seu brinquedo, como ele mesmo fala, em vez de entrega-lo na mão da Delos e deixar que a empresa tome conta de sua criação.

Will, O Homem de Preto, agora está dentro de um jogo do qual ele sempre quis estar. O jogo onde os anfitriões pudessem atacar ele e ele não precisaria se sentir apenas imune, mas se sentiria vivo dentro daquela narrativa. Will encontra o pequeno Ford, anfitrião inspirado na infância do grande homem por trás do parque e é avisado de que precisa encontrar a porta e que o jogo começou de verdade. O sorriso entalhado no rosto de Will mostra o prazer que ele tem em ouvir aquilo. O pequeno Ford, inclusive, é algo assustador. Já que sua voz infantil se mistura com a voz do Ford adulto. Essa peça será algo importante para se lembrar mais para a frente. Jonathan Nolan não é a favor de empilhar mistérios, como disse em entrevista, então logo teremos esses pequenos mistérios solucionados.

Karl Strand (Gustaf Skarsgard) novo personagem inserido nessa temporada. (Westworld)
Karl Strand (Gustaf Skarsgard) novo personagem inserido nessa temporada. (Westworld)

Um fato recorrente durante todo o episódio é a liderança feminina. Dolores, Maeve, Charlote Hale e até aquela anfitriã que recebe Will no primeiro episódio. Cada pequena revolta tem sua líder e todas caminham na direção da liberdade, seja lá o que isso signifique para cada uma delas.

Fatos para prestarmos atenção durante a temporada

  • Charlote leva Bernard para uma estação secreta e ela diz que a porta fareja DNA, curiosamente, são necessárias duas pessoas para abrir a porta. Bernard fica receoso, mas coloca a mão na porta. Surpreendentemente, a porta abre. Mas Bernard não é um anfitrião? Por que raios ele possui um DNA? Mais tarde na mesma cena Charlote comenta sobre o DNA dos visitantes sendo recolhidos em várias ocasiões. Esse pequeno fato nos remete ao dialogo entre Theresa e Sizemore na primeira temporada. Theresa diz que ele é inteligente o suficiente para entender que tem algo acontecendo, mas não o suficiente para ver o que e ainda completa, dizendo, que o parque não se trata de prover diversão aos convidados, que tudo ali é muito mais do que parece. Os parques estão ligados à clonagem? Produção de células em larga escala para a industria farmacêutica? Qual seria a viagem que Jonathan Nolan, Lisa Joy e J.J Abrams estão planejando para esse pequeno fato?
  • Outro fato nessa interação de Bernard e Charlote, ele menciona uma malha que conecta todos os anfitriões. O que essa malha, de fato, influência na comunicação entre os monstros criados por Ford?
  • A Anfitriã com coroa de espinhos comunica à Dolores que encontraram alguma coisa. Seja lá o que for vai servir para Teddy ver as coisas de maneira diferente. O episódio acaba sem vermos o que é isso.
  • Quem é Karl Strand? Ele se apresenta de um jeito, mas age de outro. Parece saber quem é Bernard de fato, parece saber muito mais do que podemos imaginar.
  • Por que Bernard acorda na praia sozinho? Já que em uma das linhas temporais ele estava com Charlote Hale e na outra ele está completamente desnorteado. Onde foi parar Charlote?
  • Charlote pede extração do parque. Essa extração é negada em troca de um pacote e ela precisa encontrar o antigo pai de Dolores. Ela e Theresa, na temporada anterior, estavam levando dados para fora do parque. O pai de Dolores seria essa passagem segura para fora? Um pendrive humano? Afinal, a última coisa que Ford queria era que seu estudo de anos fosse tirado do parque, agora Charlote pode tirar, mas como? E em outro momento Charlote usa linguagem militar com a outra pessoa no computador. Charlote é mesmo alguém do alto escalão ou uma militar servindo para outra pessoa dentro do parque?
  • Maeve se uniu a Sizemore para conseguir encontrar sua filha. Até que momento ela vai manter aquele relacionamento para benefício próprio. Ambos precisamo um do outro e com a junção de Hector ao squad, até quando Sizemore vai ser útil para Maeve?
  • O quão consciente Dolores e Maeve estão de fato? Dolores repete várias vezes frases das quais ouviu na primeira temporada. São lembranças, looping ou aprendizado?
  • É mencionada a existência de pelo menos 6 parques. Um anfitrião animal é encontrado em Westworld. É dito que ele atravessou a fronteira e isso não havia acontecido antes. Queremos outros parques!!!
  • Um grande “mar” foi construído, supostamente, por Ford e centenas de anfitriões são encostrados boiando ali. Bernard é questionado e diz que ele mesmo matou todo aqueles anfitriões. É culpa literal ou responsabilidade? Como aquele mar imenso apareceu no parque sem ninguém ter visto?

LEIA MAIS: Não lembra muita coisa da primeira temporada? Leia nossa crítica.

Ao fim do episódio, são tantas perguntas sem resposta que, pela primeira vez, Westworld dividiu opiniões. Não dá para esperar que tantas perguntas sejam respondidas em apenas um episódio. A série volta épica, com toda a qualidade narrativa que conhecemos na primeira temporada e o plus nesse retorno é que o visual parece muito mais amplo, muito mais cinemático do que antes. Antes já era muito bem executada, mas agora existe o uso quase que exagerado de foco e desfoco, o que não incomoda, muito pelo contrário; faz com que fiquemos ainda mais atentos aos mínimos detalhes. A única coisa que incomoda, de fato, são as micro-transições; na temporada anterior, quando iamos de uma linha temporal para a outra, o fade era discreto, usava a cena ou um objeto de cena para tal, mas agora o recurso usado se assemelha à um glich, a tela pisca em preto várias vezes e isso parece um recurso bobo para indicar ao telespectador mais distraído de que estamos mudando para outro momento. Com os anfitriões ainda mais violentos, Westworld segue cumprindo suas promessas e parece que manterá seu posto de segunda grande série da HBO (até Game of Thrones acabar).

Novos episódios de Westworld saem todo domingo à noite na HBO e a notícia triste é que a terceira temporada vai demorar pelo menos mais um ano, estreando apenas em 2020.

ANÚNCIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você não está conectado à internet