Primeiras Impressões | Charmed 2018

O texto contém spoilers da trama.

Parece que voltamos para 1998 e todas as séries estão no ar – Charmed e Sabrina são as primeiras.

A versão criada por Constance M. Burge foi ao ar em 1998 e contava a história das irmãs Prudence, Piper e Phoebe Halliwell que, após a morte de sua avó, se reencontram para receber uma mansão de herança (e não somente isso). Agora, em 2018, com um remake da CW, as bruxas retornam em Charmed para o horário nobre da TV americana.

Na nova versão de Charmed, conhecemos Maggie (Sarah Jeffery) e Mel Veras (Melonie Diaz), filhas de uma professora que, secretamente, é uma bruxa. Ambas de personalidades muito distintas, se deparam com a morte sem explicação de sua mãe e precisam encarar a descoberta de uma irmã mais velha, Macy (Jennie Snyder Urman). As três precisam decidir juntas se irão seguir o caminho de sua mãe ou irão viver uma vida humana normal.

As irmãs Veras reunidas em Charmed.

O primeiro episódio foi ao ar no dia 14 de outubro, com a direção de Brad Silberling. No piloto somos inseridos naquela família de forma sutil, e da mesma maneira, as personalidades de Maggie e Mel ficam evidentes. Maggie como a aspirante a popular e Mel como a militante e consciente. Macy, mais tarde, entra na história mostrando ser o lado cético daquela família.

Tal qual a série de 1998, a série abusa das tramas adolescentes. Com uma roteiro básico de jornada do herói, Charmed tenta forçar uma barra sobre a descoberta de bruxaria em pleno século 21, ainda mais quando as três personagens são completamente descrentes e mudam de ideia repentinamente – diferentemente de Sabrina que faz isso usando um plano de fundo bem mais coerente e consistente. Como não poderia deixar de ser, Charmed possuí algumas intervenções gráficas que são bem precárias, beirando o tosco. Até o que dá certo, visualmente, soa estranho por ter um ar cômico demais.

A série traz um discurso, como prometido pelos produtores, empoderado. Assuntos discutidos mais abertamente hoje em dia, como assedia, machismo e rivalidade feminina, são colocados em pauta durante todo o piloto. O que é ótimo quando se trata de uma série para adolescentes, para causar a discursão e reforçar debates. Ainda sim, em Charmed, essa militância soa caricata demais em alguns momentos.

Rupert Evans como Harry Greenwood em Charmed.

Para quem viu a série original, o novo ano de Charmed pouco lembra o sucesso daquela versão. Nem mesmo o charme das protagonista ou talento, tendo em vista que o mais experiente ali (no quesito seriado) é Rupert Evans como o caricato mentor de nome Harry.

Além das consternações, o novo ano de Charmed promete um viés muito mais politizado do que sua primeira versão. O primeiro episódio não empolga até os últimos minutos, nos dando uma brecha para algo maior nos próximos capítulos.

ANÚNCIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você não está conectado à internet