A série do History Channel, Vikings, tem dominado o mundo mostrando como os bravos e guerreiros nórdicos viviam e trouxe personagens lendários destas histórias, como Ragnar Lothbrok e seus filhos.

A quarta temporada continua no mesmo ritmo e procurando sempre melhorar, tanto no detalhamento da personalidade dos personagens quanto os eventos que se desencadearam. Vemos Ragnar atingir o ápice de seu reinado e confrontado pelo seu ego e ganância, acaba enfim falhando (e feio por sinal). Após seu exilo, o suposto rei retorna novamente com a ambição de atacar Wessex, porém seus filhos já adultos tem outros planos a qual Bjorn irá liderá-los por uma nova aventura e exploração.

Como já comentado, o desenvolvimento dos personagens, principalmente de Ragnar, é o ponto forte da série. Por longas quatro temporadas (creio que podemos considerar essa) vemos Ragnar amadurecer, evoluir, aprender e ensinar, vemos um simples camponês se tornar o maior rei viking da época. Além de seu crescimento, acompanhamos também outros personagens passarem por transformações, como Floki, que com seu jeito lunático encanta todos e o crescimento dos pequeninos que agora se tornarão grandes vikings: Bjorn, Ubbe, Sigurd, Hvitserk e Ivar. Como cada um cresceu, adquiriu uma personalidade e como eles lembram Ragnar na primeira temporada, é uma mistura de incrível com nostalgia e agora eles são os responsáveis por continuar a trajetória da série.

Apesar de Vikings possuir muitos pontos positivos, sinto que a série tem tomado uns caminhos errados, pendendo muito para fan-service e outros detalhes que não se agregam a nada na história, como a morte de Sigurd que de acordo com muitos relatos ela não acontece dessa maneira. Outro detalhe que observei ao recomeçar a rever a série desde seu começo foi que na época quando eram dez episódios por temporada, você já sentia uma pequena enrolação no enredo pra poder atingir a cota de episódios – o que é normal porque muitas séries utilizam este mesmo recurso – mas nesta temporada que veio com vinte episódios, percebi que eles acabaram esticando ainda mais essa enrolação – principalmente em relação a morte de Ragnar onde eles prologaram o inevitável por uns três episódios e isso causou um certo desconforto em mim, porque no fim das contas, ainda assim acontecia o que todos já imaginavam, ou então o fator surpresa não surpreendia em nada, acabava ficando apenas algo enjoativo e que tornava o suspense cansativo ao invés de empolgante.

Por mais que esses detalhes tenham me decepcionado, ainda boto fé na série, pois como podemos ver nesta quarta temporada, Vikings possui um elenco muito notável e mesmo com a saida de Travis Fimmel (Ragnar),  os que ficaram deixaram mais do que claro que conseguem e muito continuar no mesmo nível do que foi começado.

REVER GERAL
Roteiro
8.4
Efeitos Visuais
8.5
Fotografia
8.5
Atuação
8.8
Direção
8
Trilha Sonora
8.4
Fundador - CEO - Designer - Desenvolvedor Web, Designer e Fotógrafo nas horas vagas. Apaixonado por cinema, viciado em séries e colecionador de HQs.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here