Crítica I A Lenda de Beowulf

Boa noite aos amigos do Mundo Hype.

Hoje logo de manhã (para falar a verdade na madrugada…rrsss) tive o prazer de ler o review do amigo Cadorno Teles sobre o personagem Beowulf, e imediatamente fui transportado para 2007 (aos meus 42 anos em uma noite de sábado) quando tive a oportunidade de assistir este filme…..vamos falar de “A Lenda de Beowulf“?

De início vamos à parte técnica:

Sinopse: Beowulf ( no Brasil “A Lenda de Beowulf”) é um filme estadunidense de fantasia, dirigido por Robert Zemeckis. O filme é uma adaptação do poema épico anglo-saxônico Beowulf, e foi feito usando uma técnica especial de captura de movimento. Beowulf estreou em 16 de novembro de 2007 nos Estados Unidos, 15 de novembro nos cinemas portugueses e 30 de novembro nos cinemas brasileiros.

Enquanto muitos dos traços do filme são fiéis ao poema, outros elementos, como o diálogo, a arrogância enfatizada de Beowulf e Hrothgar, o hedonismo percebido em Heorot, o tempo antes de Beowulf lutar com o dragão, o motivo de Grendel atacar Heorot, e a relação entre a mãe de Grendel e Beowulf, desviam-se do poema original.

Elenco: Ray Winstone (Beowulf), Angelina Jolie (Mãe de Grendel), Anthony Hopkins (Rei Hrothgar), Robin Wright Penn (Rainha Wealthow), Crispin Glover (Grendel), John Malkovich (Unferth),….entre outros.

Beowulf é um filme de fantasia/aventura que narra a jornada do herói em busca de monstros para matar (logo de início Beowulf luta contra uma serpente marinha assustadora, que por pouco não mata todos os tripulantes da expedição).

O grande ápice do filme se dá após a chegada de Beowulf à vila do Rei Hrothgar, quando Grendel invade o salão do banquete e ocorre uma batalha estupenda entre Grendel e o herói, resultando na derrota do monstro que foge mortalmente ferido.

O monstro Grendel

Grendel era filho de um demônio (Angelina Jolie) e do Rei Hrothgar (fruto de um relacionamento secreto) e em seu leito de morte, sua mãe jura vingança. O demônio volta ao salão de comemorações e mata a grande maioria dos companheiros de luta de Beowulf enquanto ele dormia (deixando-os pendurados no teto).

Deste momento em diante Beowulf dedica sua vida a proteger esta vila, até que todos os monstros existentes sejam erradicados (algo que como sabemos, estava longe de acontecer, pois a vingança é um prato que se come frio e pelas beiradas).

Eu poderia escrever muito mais aqui, mas eu garanto que este filme (apesar de ser realizado em 2007), tem muitos atrativos para ser aconselhado por este que vos escreve, a ser exibido em uma despretensiosa sessão de cinema, em um sábado à tarde, regado a pipocas e guaraná.

Muita aventura, suspense, ação e reviravoltas a todo instante, e com a incrível técnica especial de captura de movimento (trazendo ao filme maior veracidade às cenas de ação).

Um filme em que as emoções marcam os personagens como tatuagens:  Beowulf é o herói destemido, corajoso e honrado; o rei Hrothgar é a decadência e a culpa em pessoa; a rainha Wealthow é a tristeza e a desolação, Angelina Jolie é o erotismo e a vingança ao mesmo tempo (como os dois lados de uma moeda)…e os monstros mostram o porquê são chamados assim.

PS: antes que eu me esqueça, desafio a todos os leitores a descobrir onde está Brad Pitt neste filme.

Esta crítica só foi possível por causa de uma ação de um amigo, que fez o que os amigos fazem: nos trazem boas lembranças e nos incentivam, ou seja, a leitura me trouxe as boas lembranças e logo após não sosseguei enquanto não escrevesse esta crítica.

Obrigado amigo Cadorno, você fez o meu dia mais feliz !!!

Espero que gostem de mais uma pequena e rara “intrusão” nas críticas de cinema e séries, mas quando acertam a mão como neste filme, devemos compartilhar a experiência positiva como formadores de opiniões que somos.

Sobre o autor

Leia mais Críticas

Crítica | American Horror Story – 3ª Temporada

Boa noite aos amigos do Mundo Hype. Como disse nos comentários finais da segunda temporada de "American Horror Story" (ou AHS como é mais conhecida),...

Crítica | Good Trouble (1ª Temporada)

Em toda sociedade existe ritos de passagem, explicita ou implícita, são maneiras que se apresentam intrínsecas na própria natureza humana. E há séries televisivas...

Crítica | Warrior Nun – 1ª Temporada

Boa noite aos amigos do Mundo Hype. Terminei a primeira temporada de "Warrior Nun" (aqui traduzida como "Freira Guerreira"), e mantive um ritmo até muito...

Crítica | American Horror Story – 2ª Temporada

Bom dia aos amigos do Mundo Hype. Como disse nos comentários finais da primeira temporada de "American Horror Story" (ou AHS como é mais conhecida),...

Crítica | Popeye (1980)

Depois do sucesso de Grease — Nos Tempos da Brilhantina (Randal Kleiser, 1978) alguns dos estúdios de Hollywood ficaram determinados a explorar a veia...

Crítica | American Horror Story – 3ª Temporada

Boa noite aos amigos do Mundo Hype. Como disse nos comentários finais da segunda temporada de "American Horror Story" (ou AHS como é mais conhecida),...

Crítica | Good Trouble (1ª Temporada)

Em toda sociedade existe ritos de passagem, explicita ou implícita, são maneiras que se apresentam intrínsecas na própria natureza humana. E há séries televisivas...

Crítica | Warrior Nun – 1ª Temporada

Boa noite aos amigos do Mundo Hype. Terminei a primeira temporada de "Warrior Nun" (aqui traduzida como "Freira Guerreira"), e mantive um ritmo até muito...

Crítica | American Horror Story – 2ª Temporada

Bom dia aos amigos do Mundo Hype. Como disse nos comentários finais da primeira temporada de "American Horror Story" (ou AHS como é mais conhecida),...