“Desafiador e intrigante, porém um dos jogos mais frustrantes que te levará a arrancar os cabelos da própria cabeça com as mãos de nervosismo!”

Desenvolvido pela From Software e lançado para PlayStation 4, Xbox One e PC, Dark Souls 3 é o retorno e possivelmente último jogo de sua franquia, mas sejamos francos: por mais que muitos de vocês tenham ido dormir transpirando raiva e baforando palavras do tipo “amanhã eu volto nessa bagaça e dou uma surra naquele boss maldito”, o jogo é uma experiência única e só de superar estas criaturas infernais, não há recompensa maior!

Como vocês já estão habituados com a saga Dark Souls, novamente temos uma visão de herói diferente: ao invés daquele belo jovem de cabelos loiros longos, treinado por grandes mestres espadachins à vida inteira, ou então um ser de uma natureza pobre porém com um destino predeterminado que o trará ao auge da vida, aqui, mais uma vez, somos o que sobrou do mundo.

Trazido novamente à vida e conhecido como Unkindled (Inaceso), nossa missão é eliminar os Lords of Cinter, que também ressuscitaram; mas estes anseiam o apocalipse. O interessante da singularidade da história de Dark Souls 3 é que ele não te trata como um herói. Só por que você voltou à vida com uma nova missão, não quer dizer que isto te torne especial. Muito pelo contrário, o game a todo momento te mostra que você é apenas mais um e que se não quiser cumprir seu objetivo, tudo bem, alguém o fará. Por causa dessa indiferença contigo, uma forma de dizer que você é um nada, isso involuntariamente te impulsiona e te faz querer vencer os desafios, para provar que você é merecedor desta chance e mais além do que isso. Esta pegada do jogo é bem planejada, mas o que fará ir até o fim do jogo não é só isso!

A dificuldade de Dark Souls 3 é outra coisa também do conhecimento de vocês, devido ao legado que a franquia construiu, então neste último game eles não poderiam facilitar. São vários cenários enormes e para explorá-los você acaba tendo dois sentimentos: curiosidade e receio. Curiosidade porque obviamente você quer poder absorver o máximo de cada detalhe, combate e itens que aquele cenário tem. Receio porque há vários caminhos que levam até o fim, mas em cada caminho pode ter uma surpresa diferente, como um mini boss chato e assustador, ou até mesmo um monstro simples, porém mais forte do que você, te obrigando a retornar e ir por outro caminho ou então enfrentá-lo e perder um bom tempinho. Todas as fases praticamente são assim, e pode ter certeza, se os monstros mais fracos delas estão te dando dores de cabeça, você vai amar quando enfrentar o boss…

Os bosses de Dark Souls 3 são incríveis, um mais bem detalhado, elaborado e apelão do que o outro. Jogos como Dark Souls e Bloodborne trabalham muito bem com padrões em tudo. Como já mencionei, as fases possuem esses padrões de curiosidades de conhecer ela toda, mas aquele certo medo do desafio que irá encontrar ao tomar um caminho diferente. Os bosses funcionam da mesma maneira: todos eles tem padrões, repetem os ataques e movimentações, e nesses padrões sempre há aquelas brechas, que te darão um curto tempo para poder revidar o ataque e, conforme você vai repetindo isso, você consegue matar o boss. O que vai diferenciar de um para o outro é que esses padrões ficam mais longos, com mais variedades de ataques, movimentos, combos e etc, e infelizmente você só aprende esse padrão depois de sofrê-lo inteiro umas duas vezes pelo menos. Vai por mim, é bem bacana, mas a frustração é algo que tem que ser superada a todo momento se você quiser ir até o fim! Sem falar na diferença de nível e dano que você causa nos bosses ou recebe.

Outro fator que dificulta mais ainda e pode algumas vezes comprometer sua jogatina são os itens que você está usando e a classe que você escolheu jogar. Por isso, o mais aconselhável é você zerar pela primeira vez com a classe mais fácil e depois se aventurar com as outras.A novidade do jogo são as posturas de combates que você pode adotar, variando em usar a arma nas duas mãos ou com um escudo.

Os gráficos são lindos, principalmente no detalhamento dos cenários (como já mencionei) e dos monstros, mostrando uma imensidão enorme e um belo aprofundamento de tudo.

A trilha sonora não tem muito o que avaliar. Boa parte do jogo é quieta, ela aparece apenas em momentos mais tensos, como quando você é pego de surpresa ou na hora de enfrentar um boss.

Dark Souls 3 não é um jogo pra qualquer tipo de jogador, ele te leva ao limite de suas habilidades e te força ter uma paciência absurda. Apesar de seguir uma linearidade em suas coisas, o jogo se mostra bastante competente e desafiador, finalizando dignamente esta franquia.

 

REVER GERAL
Modo Campanha/História
9.2
Jogabilidade
9
Gráficos
9.4
Trilha Sonora
9
Fundador - CEO - Designer - Líder da casa Mundo Hype! Desenvolvedor Front End, Designer e Fotógrafo. Apaixonado por cinema, viciado em séries e colecionador de HQs. Super-Heróis favoritos: Iron Man e Spider-Man.