Crítica | “American Horror Stories” – 1ª Temporada

Bom dia aos amigos do Mundo Hype.

Esta é uma postagem sobre a irmã mais nova de “American Horror Story” (ou AHS como é mais conhecida): “American Horror Stories” (nome bastante criativo….não é?…rrsss).

Trata-se de episódios curtos de terror (de pouco mais de 60 minutos cada e que começam e terminam neste mesmo espaço de tempo, sendo este o diferencial da “irmã mais velha”).

Vamos na resenha?

De início vamos à parte técnica:

Sinopse: American Horror Stories é uma série de televisão americana antológica de terror criada por Ryan Murphy e Brad Falchuk. A série é um spin-off de American Horror Story e a estreia ocorreu em 15 de julho de 2021 no FX on Hulu. Membros do elenco da série original incluem Matt Bomer, Celia Finkelstein, Naomi Grossman, John Carroll Lynch, Charles Melton, Billie Lourd, Chad James Buchanan, Cody Fern, Dylan McDermott e Jamie Brewer. Em agosto de 2021, a série foi renovada para segunda.

Elenco: Matt Bomer, Gavin Creel, Sierra McCormick, Kaia Gerber, Paris Jackson, Aaron Tveit, Merrin Dungey, Celia Finkelstein, Ashley Martin Carter, Valerie Loo, Selena Sloan e Belissa Escobedo, Naomi Grossman, Cody Fern, Chad James Buchanan, John Carroll Lynch, Cameron Cowperthwaite, Dylan McDermott, Charles Melton e Billie Lourd junto com os recém-chegados Danny Trejo, Kevin McHale, Dyllón Burnside, Madison Bailey, Rhenzy Feliz, Amy Grabow, Nico Greetham, Ronen Rubinstein, Virginia Gardner e Dane Diliegro entre outros.

“American Horror Stories” me faz retornar aos meus tempos de criança, quando a série clássica “Galeria do Terror” era exibida na Rede Bandeirantes aos sábados às 23:00 horas (eu não perdia um episódio).

Este formato de histórias curtas e de final imprevisível realmente é um “prato cheio”, para quem procura diversão descompromissada e de curta duração (sem ter que esperar pelos próximos episódios).

Mas vamos deixar de nostalgia e nos focarmos na série em questão: a primeira temporada apresenta 7 episódios recheados de referências à série “American Horror Story” (apresentando personagens e locais de algumas das 9 temporadas passadas).

Nos dois primeiros episódios (com o sugestivo título “Rubber (Wo) Man”) retornamos à famosa “Murder House” (conhecida aqui no Brasil como “Casa Macabra”) e conhecemos os novos fantasmas que habitam a velha mansão.

No terceiro episódio (“Drive-in“) a referência clara e evidente é a presença de John Carroll Lynch  (o assustador palhaço da temporada “Freak Show”), no papel de um diretor que realiza um filme de terror que transformam as pessoas que o assistem em maníacos homicidas (o final do episódio é uma grande sacada comercial).

No quarto episódio (com o título “The Naughty List”) a vingança de um Papai Noel de um shopping (uma clara referência ao filme “Natal Sangrento”) que pune quatro youtubers que fazem de tudo para ter fama e prestígio nas redes sociais (a atração é o próprio Papai Noel interpretado pelo lendário Danny Trejo de “Machete”).

Chegamos ao quinto episódio (o melhor da temporada e com o título “BA’AL”), onde nos é mostrado a obsessão de uma mulher para engravidar de qualquer maneira (mesmo que recorrendo à magia negra e nos lembrando que isto foi feito na terceira temporada da série “irmã mais velha” “Coven“).

Penúltimo episódio (com o título “Feral”) que se baseia na lenda do “Pé-Grande”, em que um casal que foi acampar em um Parque Florestal acaba por ter o filho pequeno desaparecido (e com um final baseado em uma conspiração governamental).

E chegamos ao último episódio (“Game Over”) que nos traz de volta ao começo, pois estamos de volta à “Murder House” para como diz o título, terminar este jogo de terror e morte e trazer um “final feliz” aos nossos personagens (com direito a presença de Dylan McDermott).

Na minha sincera opinião a série conseguiu passar o clima e se estabeleceu como referência de série de terror “de tiro rápido”.

Não é das melhores, mas tem tudo para crescer dentro deste formato mais agradável e convidativo de diversão.

Que venha a segunda temporada prevista para agosto de 2021.

Eu fico por aqui….eu sou o Paulo Cruz e te convido a continuar nos seguindo…a galera do Mundo Hype está mandando bem nas postagens…..fui !!!

Leia mais Críticas