Rebobinando – Top Gun: Ases Indomáveis

“Eu
sinto a necessidade… Necessidade de velocidade!”

Fala
galera! No Rebobinando de hoje iremos apertar os cintos e executar um mergulho
de 4G, quebrar a barreira da velocidade do som e pousar caças em um porta-aviões
para rever um dos maiores clássicos da década de 80. Filme que lançou Tom Cruise
como grande galã do cinema do cinema de ação da história e ensinou a toda uma
geração de diretores como usar os efeitos de som em prol da diversão em um
filme… Top Gun: Ases Indomáveis.

Algumas pessoas consideram o diretor
deste filme, Tony Scott, o Scott pequeno entre os diretores. Tudo bem que a concorrência
com o irmão, Ridley, é meio injusta (Ridley Scott dirigiu os clássicos eternos
Blade Runner: O caçador de androides, Alien, Gladiador e Falcão Negro em
perigo), ainda assim, ele conseguiu uma carreira sólida como diretor que sabe
filmar a relação entre o homem e a máquina, como um depende do outro. O homem
precisa de velocidade e adrenalina, a máquina precisa de quem a conduza. E sob
esta perspectiva, Top Gun se mostra um filme como nenhum havia sido feito e
como nenhum mais conseguiu ser: um filme sobre objetos de metal e motor que não
é frio ou fatalista demais.

        
No filme, o piloto Pete “Maverick”
Mitchel (Tom Cruise) e seu parceiro Nick “Goose” Bradshaw ( Anthony Edwards) são
enviados para a escola de aviação Top Gun da marinha. Enquanto almeja se tornar
o melhor piloto da turma, Maverick se apaixona pela instrutora civil Charlie
(Kelly McGills). Lá, eles rapidamente se destacam junto com a dupla Iceman (Val
Kilmer, perfeito como um homem sem emoção) e Slider (Rick Russovich). Enquanto
os dois primeiros demonstram o lado passional de querer voar em um caça (eles
pilotam porque gostam) os outros dois representam o lado técnico (pilotam
porque são bons). Esta dicotomia funciona de maneira cirúrgica para um filme que
não tem um vilão bem estabelecido. Há sempre as ameaças dos MiGs, mas em nenhum
momento no filme o confronto com eles se torna o centro da atenção.

        
Claro que para um filme deste funcionar
ele depende de uma edição caprichada, e Top Gun não decepciona. Suas cenas de
ação mesclam cortes secos para aumentar a tensão com planos mais longos que
demonstram a beleza de voar… um trabalho tão bem feito que foi indicado ao
Oscar, perdendo para Platoon. Outro aspecto técnico que chama a atenção é o já
citado efeito de som. Se hoje em dia todo filme tem aquela cena onde o volume
vai lá pra cima em uma cena de explosão ou tiroteio é graças em partes ao
trabalho e o cuidado de Tony Scott com este aspecto no filme. Um trabalho
magnifico que até hoje impressiona, mas mais uma vez perdeu o Oscar, desta vez
para Aliens: O Resgate. Top Gun foi indicado também a melhor mixagem de som,
vencida por Platoon, e ganhou na categoria melhor canção original, com a balada
Take My Breath Away, do Berlim. (Danger Zone, do Kenny Loggins, É muito
melhor!)

        
Em suma, Top Gun é um filme que marcou a
forma como um filme de ação pode deixar sua marca prestando atenção aos
conceitos técnicos de se fazer um filme. Obviamente não é um filme perfeito
(quem não se lembra daquele clipezinho dos pilotos jogando vôlei de praia ao
som de Playing with the Boys? Desnecessário!) mas ainda assim é um filme que,
pra quem gosta de ação e de caças F-14, é um prato cheio… Agora, vamos todos
pegar a avenida para a zona do perigo!   

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

+ Lidas da Semana

Marvel | Loki e Wanda ganharão séries no streaming da Disney

Segundo a Variety, Loki e Wanda, interpretados por Tom Hiddleston e Elizabeth Olsen, ganharão série no streaming da Disney na Marvel. A Disney pretende investir...

Panini divulga a primeira capa do crossover entre Turma da Mônica e Liga da Justiça da DC Comics

Sábado passado, dia15 de setembro, durante o Batman Day, um evento especial realizado pela Panini para os fãs do Homem-Morcego, a editora divulgou com...

Marvel apresenta as novas séries dos Defensores

Retomar conceitos e ideias anteriores muitas vezes pode ser uma ba jogada. A Casa das Ideias está trazendo de volta os Defensores originais. Muitos...

Mais Notícias