Rebobinando – Mortal Kombat

MORTAL KOMBAAAAAAAAT

 

Hoje é dia de rebobinando no Multiversonews.com e você veio aqui conferir qual grande clássico do cinema eu iria falar. Sempre com boas dicas de filmes espetaculares e análises de longas memoráveis, sua expectativa estava lá em cima (ou não, não sei qual o seu nível de envolvimento com esta coluna, amigo leitor). Mas eis que há algo errado e você viu a capa e o título do filme Mortal Kombat… Mas calma, eu sei que o filme é ruim, mas esta é uma sessão sobre filmes que nos marcaram e esta adaptação dos clássicos jogos de luta desenvolvido pela Midway merece uma análise.

Mortal.Kombat.

O filme tenta adaptar os eventos que ocorreram no primeiro jogo da série, onde um torneio de lutas marciais entre o plano terreno (a terra) e exoterra (os caras do mal) para ver quem terá o direito de reinar sobre nosso planeta. Liu Kang, o protagonista, é o escolhido para representar a Terra neste torneio ao lado da agente Sonya Blade e do ator de filmes de ação Johnny Cage (eu devo ser o único que gosta deste cara…). Logo, os três se verão em combates mortais contra as forças da Exoterra capitaneadas pelo feiticeiro metamorfo Shang Tsung e do ser de quatro braços Goro.

 

Paul W. S. Anderson, o diretor que mais tarde iria cometer os filmes de Resident Evil, dirige o filme tentando dar as lutas um pouco da experiência do jogo: golpes especiais, combos e até mesmo Shang Tsung dando uma de narrador e soltando uns Finish him, Flawless Victory e Fatallity acontece. Uma breguice só, mas que quando acontecia fazia o fã dos jogos ter uns pequenos momentos de alegria, o tal do fã service, intercalados por uma luta super coreografada e outra.

mortal kombat

Mas com certeza o grande marco deste filme está em sua trilha sonora. marcando presença desde a introdução, o tema de Mortal Kombat é sem dúvida um dos mais marcantes dos anos 90. Só de ouvir alguém gritar Mortal Kombaaaaaaaat o resto da música já vem à cabeça junto com o desejo de socar a cara de ninjas coloridos. É um daqueles temas em que mesmo quem não assistiu conhece, e é tão forte que ela sozinha consegue tornar empolgante a cena da luta final.

 

Assistir Mortal Kombat hoje em dia requer esforço, e é um pouco frustrante, de fato, na minha cabeça ele era um filme com um ritmo legal, com boas cenas de lutas e efeitos visuais bacanas. é só aparecer Reptile, Sub-Zero ou Scorpion para perceber que este filme é realmente fruto do seu tempo, uma era em que a computação gráfica começava a se massificar graças aos efeitos maravilhosos do T-1000 de O Exterminador do Futuro: Dia do Julgamento Final ou o T-Rex de Jurassic Park, bem como o aparente descaso dos realizadores de dar alguma empatia para quem não conhece a franquia dos personagens, mas ainda assim, é bom ver como esta leva de adaptações que Hollywood faz deu uma bela evoluída, criando obras mais bem executadas.

 

Não há muito mais a dizer, o filme é realmente ruim, mas não estou aqui para criticá-lo, estou aqui para lhe trazer um pouco de nostalgia. Então, escute a música e Choose your Destiny…

 

ANÚNCIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

+ Lidas da Semana

11 séries de época para se apaixonar

Todo mundo tem uma preferência de narrativa quando procura uma série para ver. Existem séries para os amantes de ficção científica, séries de fantasia, policial,...

SDCC 2018 | DC Comics anuncia quatro novas animações para 2019

A DC Comics, entre os diversos anúncios da San Diego Comic-Con, revela quatro novas animações para o ano que vem. Após anunciar os filmes...

Hype Curiosidades | Como Tudo Começou – A Origem dos Piratas!

Em 2003, a aventura do pirata mais amado do cinema, Jack Sparrow começava e junto com ele, toda essa mitologia e misticismo dos piratas...

Crítica | The Man in the High Castle (3ª Temporada)

A terceira temporada de The Man in the High Castle vem grandiosa, com mais tramas envolventes e mais destruição.Depois da morte de Hitler, outro...

Review | Dr. Stone, de Riichiro Inagaki e Boichi

Partindo de uma premissa de ficção pura, logo nas primeiras páginas o próximo lançamento da Panini, Dr. Stone, nos entrega uma tragédia de proporções...

Mais Notícias

Você não está conectado à internet