Personalidade – Quem é Garth Ennis?

 

Hoje falaremos de um dos maiores roteiristas de histórias em quadrinhos com temática adulta: Garth Ennis

Nascido em Belfast, Irlanda do Norte em 16 de janeiro de 1970, este mito começou a escrever profissionalmente para a revista britânica Crisis. Quando a publicação de Crisis foi interrompida, Ennis passou a trabalhar na revista 2000ad, onde escreveu para seu carro-chefe: Juiz Dredd, mas só alcançou a fama após começar a trabalhar para o selo Vertigo da editora americana DC Comics e seu primeiro trabalho em uma revista em quadrinhos americana foi um arco de história para a revista Hellblazer. Após vários anos trabalhando neste selo, Garth Ennis deixou a DC e assinou contrato com sua principal rival, a Marvel Comics. Lá, começou escrevendo para a revista Justiceiro: um anti-herói violento, estilo de personagem com que ele já trabalhou antes.

O Justiceiro é o personagem da Marvel com o qual Ennis mais trabalha. 

Tudo começou com a versão 3 da revista Punisher, na qual o Justiceiro lutava contra a organização criminosa dos Gnucci, chefiada pela maligna matriarca Ma Gnucci. O que mais chamou atenção nessa revista foi a mistura de humor negro com ação e drama. Momentos sombriamente hilários infestavam as histórias, contrabalançando cenas de violência cruel e drama pesado. Nessa revista, Ennis criou personagens marcantes como o gigantesco O Russo e os vizinhos do Justiceiro: Joan, Mr. Bumpo e Spacker Dave. As histórias foram ilustradas pelo parceiro habitual de Ennis: Steve Dillon.

Uma curiosidade: todas as capas das revistas Justiceiro, da versão 3 à MAX, foram desenhadas por Tim Bradstreet.

Justiceiro aparecerá na segunda temporada de Demolidor com o ator Jon Bernthal no papel.

 

 

Logo depois veio Preacher ilustrada pelo seu habitual parceiro Steve Dillon,inspirados em Quentin Tarantino, Clint Eastwood e David Lynch narra as viagens de Jesse Custer (um ex-pastor ironicamente possuído por uma entidade chamada Genesis) pelo interior da América em busca de Deus, que ele julga ter abandonado a humanidade. É acompanhado por Tulip, sua ex-namorada e membro mais racional do grupo, e Cassidy um vampiro irlandês alcoólatra que desperta seu lado mais passional. A busca de Jesse é pontilhada por tudo o que há de mais estranho nesse e no outro mundo: anjos burocratas tentando manter as instituições, assassinos seriais ansiosos por fama e, talvez principalmente, como a busca por um valor superior de bondade pode se desviar para o fanatismo e a corrupção. 

 A série foi aclamadíssima e ganhadora do prêmio Eisner de Melhor Série Contínua. Também foi a série que deu a Ennis o Eisner de Melhor Roteirista. Durou 66 edições normais e 6 edições especias (uma clara alusão ao diabólico número 666).

Curiosidade: todas as capas foram pintadas por Glenn Fabry, que graças a elas ganhou o Eisner de Melhor Capista.

Curiosidade: Preacher está para se tornar uma série de TV e já esta em produção e como Jesse Custer estará DOminic Cooper, Ruth Negga (Tulipa), Ian Colletti (Cara de Cu), Joseph Gilgun (Cassidy), Lucy Griffths (Emily), Ian Colletti (Cara de Cú), W. Earl Brown (detetive Hugo Root) e Elizabeth Perkins (personagem original Vyla Quincannon) no elenco.

 

E seu trabalho mais recente foi The Boys ilustrado por arick Robertson. Narra a história de Hughie, que tem sua vida destruída quando um super-herói atropela sua namorada, matando-a instantaneamente. Logo, Hughie é convocado para fazer parte de um grupo de agentes da CIA que vigia os super-heróis para que não cometam atos catastróficos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

+ Lidas da Semana

11 séries de época para se apaixonar

Todo mundo tem uma preferência de narrativa quando procura uma série para ver. Existem séries para os amantes de ficção científica, séries de fantasia, policial,...

E3 2018: As novidades da Microsoft

A companhia de Redmond vem passando vários anos encadeando apresentações extremamente poderosas que, sim, giram em sua grande maioria em torno de anúncios de...

Review: O Dragão Negro de Chris Claremont

Quando os anos 1980 começavam, a Marvel começou a estender seu universo para outros rincões. O selo Epic, Illustrated foi uma destas iniciativas, um...

Crítica | Hereditário

Quando nascemos trazemos uma bagagem para o mundo, em uma mala muito pequena chamada célula, características hereditárias nos acompanham em cada traço de DNA,...

3 motivos para assistir The Marvelous Mrs. Maisel

O que você pode esperar de uma comédia ambientada nos anos 50 e sobre comédia? Dá pra desconfiar e muito de uma história assim....

Mais Notícias