Dungeon ni Deai wo Motomeru no wa Machigatteiru Darou ka, ou “É Errado Pegar Garotas em uma Masmorra” ou também DanMachi, é um anime, para falar a verdade, recente, porém com a estréia de seu Spin-off, Sword Oratoria, é bom dar aquela lembrada em um dos sucessos de 2015. Dungeon ni Deai é uma adaptação feita pela J.C Staff (Toradora! E Shokugeki no Soma) de uma light-novel com o mesmo nome publicado desde janeiro de 2013.

Sinopse: A estória se foca em um mundo fictício semelhante ao de um RPG (Com níveis, raças, deuses e etc.) e onde cada pessoa tem que seguir um deus, para poder fazer parte de sua família, receber sua benção e se aventurar numa torre com vários andares a serem explorados. O foco da animação é o personagem Bell Cranel, um garoto de cabelo branco e olhos vermelhos integrante da família Hestia, sendo ele o único membro. Dentro da masmorra, o protagonista quase morre por um inimigo se não fosse pela Aiz Wallenstein, a princesa espadachim, uma integrante da família Loki, em que o principal se apaixona rapidamente. Assim, Bell inicia uma missão para ficar mais forte para seu amor.

O plot em si, não é ruim, mas simples, quando acabei o primeiro episódio, eu pensei “vamos ver no que vai dar”, porque o primeiro episódio foi nada demais (Alias, se me permitirem comparar, acho que o romance construído em DanMachi foi um pouco melhor que de Sword Art Online, em Dungeon Ni Deai, o romance foi colocado desde os primeiros minutos, em SAO, o começo da muito o sentimento de Shounen, mas acaba esquecendo o romance e o drama). O anime não consegue construir muito bem o personagem, e como ele é o protagonista, ele tem uma habilidade em que ele evolui muito mais rápido do que os outros personagens, aquele clássico poder escondido do personagem principal.

Decorrer da História: Infelizmente, de começo você não tem tantas lutas, e quando tem, são curtas ou cortam parte dela, porém, mais a frente do anime ele começa a ter bons confrontos (Como a cena da batalha do Bell contra o Minotauro), mas ainda não são marcantes o suficiente para você ficar lembrando depois, o que é estranho, já que um dos focos de DanMachi era para ser as lutas, não? Com o passar dos episódios, o elenco de personagens cresce cada vez mais, mas eles não são bem aproveitados, se eles não existissem, o anime ia ficar do mesmo jeito, fazendo eles se tornarem bem inúteis (Como o Ouka e grande parte da família Takemikazuchi).

Produção: O estúdio J.C Staff é um dos meus estúdios favoritos de animação, e DanMachi é outra prova de que eles sabem trabalhar muito bem. Eles praticamente nunca repetem os mesmos sprites dos personagens, porém, infelizmente a série só tem 13 episódios (E o Spin-off terá 12), isso é um pouco chato porque algumas coisas acabam ficando corridas, como algumas lutas e acontecimentos; Além de ser um pouco estranho, já que grande partes dos animes do estúdio tem de 20 a 27 episódios.

Trilha-Sonora: Pode ser marcante, mas também não é muito boa. A opening e a ending theme é muito feliz, no nível que atrapalha, principalmente quando algo muito sério acontece e do nada vem aquela ending toda feliz. As musicas temas tocadas no meio das lutas e conversas não são muito boas, o mínimo que eu digo que é boa e marcante é aquela que toca nas tavernas, já que ela toca o tempo todo.

Personagens: Agora vamos para a pior coisa de Dungeon Ni Deai, os personagens. Todos são muito não-originais, tudo pode ser comparado com outro papel. Bell é aquele personagem que é muito bom de coração, fica envergonhado perto de mulheres, quando ele ta no meio de uma luta, ele grita e mata todos os inimigos próximos dele (Uma mistura de Kirito de Sword Art Online com o Tatsumi de Akame ga Kill!), ele não tem um crescimento bem construído, os flashbacks que ele tem do avô dele são cômicos de tão ruins que são, e ele entra na lista de “Personagens que tem um Hárem e eu não faço a mínima ideia do por que”, sério, eu não consigo encontrar motivos para as personagens gostarem dele, eu consigo enxergar para personagens como o Raku (Nisekoi) e o Araragi (Monogatari Series) que são ótimos personagens, mas o Bell? É um personagem bem chato, para falar a verdade. Então depois nós temos a Aiz, que é sensual ao extremo e que sabe usar espada, o anime não te dá motivos o suficiente do porque o protagonista ama-la, além de ela ser uma cabeça de vento. Ela também se apaixona pelo protagonista, Como?  Eu falei isso para mim mesmo, eles mal passam tempo juntos.

Temos a Hestia, que de todo o harem do principal, é a única que realmente gosta dele e o motivo foi bem feito, já que Bell é o único membro da sua família, mas ela também é uma personagem chata, que só serve para os fãs de personagens lolis, ela não é uma personagem que da pra se levar a sério, independente da situação. Alias, grande parte dos deuses de DanMachi são muito idiotas para serem deuses, como por exemplo Loki, é uma personagem idiota  e pervertida demais para ser uma deusa, e a Freya, que até o final do anime só serve para ficar feliz quando vê Bell ficando mais forte. Ambas as deusas são pervertidas, como isso é possível?

Nós temos outros personagens menores, como a Lili, a clássica personagem meio gata, Crozzo, um personagem bem semelhante ao Klein de Sword Art Online, que é um ferreiro que quase não tem importância e comparado a Lili, a chegada dele no grupo foi bem menos bem construída. Além de outros personagens muito menos importantes.

Veredicto: Pode ser divertido assistir alguns episódios de DanMachi, você pode dar boas risadas, ver as pequenas lutas interessantes e apreciar o universo bem feito, porém, a mal exploração desse mundo, personagens bem meia-boca, lutas muito rápidas e a mal construção de certas cenas acabam matando muito o anime, mas no geral, acho que a coisa que Dungeon Ni Deai mais sofre é a falta de originalidade na obra como um todo, não há nada, nada mesmo, que esse anime tenha, que os outros não. Eu espero que o spin-off da Aiz consiga melhorar e explorar mais esse universo que tem potencial.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here