Review | Acorrentado, de Jaimie Roberts

Review | Acorrentado, de Jaimie Roberts

Eu sou aquele tipo de leitor que tenta tirar o maior proveito possível de toda leitura que faço. Raramente dou uma nota menor do que 3 para as minhas leituras. Porém, temos um livro para quebrar meu padrão: Acorrentado, da autora Jaimie Roberts.

Publicado no Brasil pela Editora Bezz, Acorrentado é um romance dark que conta a história de Olívia, uma garota que perdeu os pais e, com traumas do passado e disposta a encontrar uma sombra de suas lembranças, parte para Londres para recomeçar sua vida. Em Londres, Olivia vive praticamente de sua herança, e trabalha em um bar a noite e auxilia em um refeitório comunitário para se ocupar. Nesse refeitório, um dos frequentadores nunca lhe dirigiu a palavra ou sequer a deu atenção, mas Olivia parece fissurada nessa figura que tanto tentava afasta-la, conhecida como Kit Chain (daí o nome do livro, pelo menos, em partes).

Olivia e Kit acabam se envolvendo, quando Kit salva Olivia de uma situação bem complicada. Só que Olivia não revelou a Kit que se titio Zac insistia para que ela largasse tudo em Londres e enfim fosse morar com ele. Olivia estava decidida a aproveitar seus últimos dias de liberdade nos braços do seu verdadeiro amor.

Enfim, por esse resumo, já vemos que as coisas são bem estranhas, mas, como é um romance dark e há avisos no livro, estejam preparados. Olivia, por mais que tente ser uma pessoa livre, acaba sempre sendo ‘protegida’ por outros, seja por Zac ou por Kit. Kit esconde de Olivia seu passado, que tem relação com o passado da garota, relação essa que alguns leitores podem suspeitar na metade do livro. Já Zac esteve na vida de Olivia desde quando ela era criança, e colocou para si que ela seria sua mulher e mãe de seus filhos. Ele perguntou isso a ela? Claro que não. Isso sem contar nas interações um tanto quanto estranhas de Zac e Olivia, já que, sempre que ele estava por perto, Olivia tinha um tesão quase incontrolável, e, quando ele ia embora, ela se sentia usada, suja.

Olivia e Kit vivem um relacionamento bem bacana no inicio de Acorrentado, com os dois derrubando as barreiras que construíram ao redor de si e se abrindo aos poucos um para o outro. Tudo estava lindo até Zac chegar de vez na história e obrigar Olivia a morar com ele. A partir daqui, Jaimie Roberts parece ter se perdido em sua própria história, pois depois disso, Acorrentado vira uma loucura (no mau sentido). Nesse ponto entendemos que Zac precisa de ser preso e fazer terapia, que ele droga Olivia para fazer com que ela sinta vontade e necessidade de ir para a cama com ele e usa isso a seu favor. Como a própria personagem diz:

Ele queria o meu legado. Além disso, o fato de ser capaz de controlar cada movimento que eu dava, fazia com que ele se sentisse o cara mais poderoso do mundo.

Zac passa manter Olivia presa e drogada, de forma que ela ansiasse pela presença dele perto de si. Quando Olivia começa a desconfiar da verdade, acontece uma cena com os três personagens principais que me fez questionar porque estava lendo esse livro. Era para ser uma parte bem impactante da história, mas só consegui ficar desconfortável mesmo. Depois desse ápice, as coisas caminham para uma resolução de forma tão rápida que eu fiquei até confusa.

Kit aparece para salvar Olivia com a ajuda de um dos homens de Zac, e, depois de alguma luta, eles conseguem resgatar a garota. Nesse ápice entendemos também qual é a relação de Kit com o passado de Olivia, principalmente em relação aos pais dela, já que

SPOILER

Kit foi enviado para armar uma bomba que destruiria todo o apartamento da família de Olivia a mando de Zac, mas ele desistiu quando viu Olivia entrar no quarto a procura do pai, que já havia se matado nessa altura (Não, ele não se apaixonou por ela quando criança. Só repensou as escolhas que fazia na vida).

Jaimie insere vários pontos durante a narrativa, como as drogas, a hipnose, a agência, e simplesmente joga isso tudo para o ar no final, onde dá uma explicação bem genérica do que estava pensando, só para não finalizar o livro sem um final esquisito. Eu ainda estou revoltada com a questão da hipnose, que foi falada diversas vezes ao longo do livro e não foi desenvolvida.

A história não se resume só a Zac, Olivia e Kit, mas, as narrativas paralelas pouco me encantaram ou me fizeram desgostar do livro. Acorrentado foi um romance dark que mais parecia uma fanfic mal acabada, pois começou no ápice de uma história legal mas terminou mal finalizada e mal feita mesmo. Não desisti da autora porque gostei da escrita dela do inicio do livro, mas espero não me decepcionar novamente nos póximos.

Sobre o autor

Leia mais Reviews

Review | O dia em que te toquei, de Paula Toyneti Benalia

Olá leitores do Mundo Hype! Hoje trouxe para vocês a resenha de uma série de época de uma autora brasileira que tem me encantado...

Review | “VINGADORES PRIMORDIAIS”

Boa noite amigos da Mundo Hype !!! Eu sou o Paulo Cruz e esta é uma coluna sem data fixa de postagem (pintou a ideia, vai...

Review | A Paixão Segundo G.H., de Clarice Lispector

Ainda que a canção não tenha sido escrita para a escritora, toda vez que escuto a canção de Caetano Veloso e José Carlos Capinam...

Review | Neurocomic, de Matteo Farinella e Hana Ros

Eu amo livros de divulgação científica, isso é um fato. E quando é possível aliar divulgação científica com quadrinhos e uma edição incrível da...

Com Sangue, de Stephen King

Há uma máquina criadora de histórias, com alto índice de produtividade e criatividade que finge se passar por humano chamado S.T.E.P.H.E.N. K.I.N.G. - Hoje...

Review | O dia em que te toquei, de Paula Toyneti Benalia

Olá leitores do Mundo Hype! Hoje trouxe para vocês a resenha de uma série de época de uma autora brasileira que tem me encantado...

Review | “VINGADORES PRIMORDIAIS”

Boa noite amigos da Mundo Hype !!! Eu sou o Paulo Cruz e esta é uma coluna sem data fixa de postagem (pintou a ideia, vai...

Review | A Paixão Segundo G.H., de Clarice Lispector

Ainda que a canção não tenha sido escrita para a escritora, toda vez que escuto a canção de Caetano Veloso e José Carlos Capinam...

Review | Neurocomic, de Matteo Farinella e Hana Ros

Eu amo livros de divulgação científica, isso é um fato. E quando é possível aliar divulgação científica com quadrinhos e uma edição incrível da...